Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/03/2015

Estudo constata melhora sutil na qualidade de rios de SP e piora no Rio

Levantamento foi realizado pela organização SOS Mata Atlântica. Análise foi feita em 111 rios, córregos e lagos de seis estados do país.

Vista aérea da junção do Rio Tietê com o Rio Pinheiros, na altura do Cebolão, Zona Oeste da capital paulista (Foto: Ayrton Vignola/Estadão Conteúdo)

A água da maior parte dos rios brasileiros está em situação regular, ruim ou péssima, de acordo com dados divulgados pela organização ambiental SOS Mata Atlântica, que fez levantamento sobre a situação dos cursos d’água de seis estados do país.

Para o estudo, foram coletadas amostras de 301 pontos de 111 rios, córregos e lagos entre março de 2014 e fevereiro de 2015. Do total analisado, 61,8% estão em situação regular, 21,6% foram classificados como ruins e 1,7% apresentaram situação péssima.

Apenas 15% estão em situação boa, justamente por não estarem em áreas urbanas e sim em regiões protegidas, que contam com matas ciliares preservadas. Nenhuma amostra atingiu o patamar ótimo.

A avaliação, divulgada a menos de uma semana do Dia da Água, data celebrada em 22 de março, aponta ainda que houve uma sutil melhora na qualidade dos rios na cidade de São Paulo e uma piora nos do Rio de Janeiro, onde dos 15 analisados, 10 têm qualidade ruim.

Selo água (Foto: G1)

Cidade de São Paulo
Na capital paulista foram analisados 36 rios e córregos. Segundo a organização, nenhum está em situação ótima.

Apenas o córrego da Água Preta, que fica no bairro Pompeia, na Zona Oeste da capital, recebeu classificação boa (em 2014, ele estava em situação regular). A melhora ocorreu graças a um trabalho de conservação feito por moradores da região.

Outros 19 cursos d’água tiveram qualidade regular, 15 ruins e um em estado péssimo, que é o caso do Riacho Água Podre, no bairro Butantã.

Segundo Malu Ribeiro, coordenadora do Programa Rede das Águas da SOS Mata Atlântica, houve uma sensível melhora na capital em relação a 2014, já que oito rios deixaram a classificação ruim e passaram para a regular. Outros três saíram da categoria péssimo.

Ela afirma que a evolução se deu por causa do período de seca. A falta da chuva reduziu o nível dos rios e, com isso, a água absorveu menos fuligem de automóveis e recebeu menos quantidades de resíduos sólidos, lançadas pela própria população.

“É o inverso do que sempre falávamos, de que quanto menor o nível do rio, maior a concentração de poluentes”, explica Malu.

A porta-voz da ONG disse ainda que houve uma evolução nos índices de coleta e tratamento de esgoto na cidade, o que contribuiu para a melhoria na qualidade.

Esgoto sem fim

Mancha e poluição preocupam moradores em Barra Bonita (Foto: Luiz Antônio Ferrari/TEM Você)Mancha e poluição preocupam moradores em Barra Bonita (Foto: Luiz Antônio Ferrari/TEM Você)

Mas segundo Malu, não há o que comemorar. Trechos dos rios Tietê e Pinheiros não mudaram sua condição “péssima” e a chuva do início deste ano fez com que o lixo presente na capital se espalhasse pelo resto do estado.

Foi isso que prejudicou, por exemplo, a qualidade da água na região de Barra Bonita, a 288 quilômetros de São Paulo, na região central do estado.

O trecho onde o Tietê é represado acabou recebendo grande parte do lodo contaminado e lixo arrastado pelas chuvas do início do ano. A qualidade na região que já era regular em 2014, caiu para ruim em 2015.

“Em plena crise hídrica, em que o problema não é apenas a falta de água nos reservatórios, mas uma grande quantidade poluída e inútil para o uso humano, é preciso que os municípios assumam a responsabilidade da coleta adequada de resíduos sólidos e que a população deixe a falsa ideia de que a culpa do esgoto no rio é só do governo. Não está tudo bem”.

Selo Rio de Janeiro (Foto: G1)

No Rio, rios vão de “mal a pior”
Na cidade do Rio de Janeiro , a situação só piorou entre 2014 e 2015. Dos 15 rios e canais analisados nos dois anos, 10 foram considerados ruins e cinco regulares.

No ano anterior, nove estavam regulares e seis tinham sido categorizados como ruins. Nenhum foi remanejado para os níveis bom ou ótimo.

Foram classificados como ruins os rios Pires, Carioca, Comprido, Trapicheiros, Maracanã, Joana e Meier, além dos canais de São Conrado, Jardim de Alah e do Mangue. Estão com qualidade regular os canais do Jockey e Visconde de Albuquerque, além dos rios Cabeças, Macacos e um segundo trecho do Carioca.

De acordo com a SOS Mata Atlântica, os cursos d’água, que surgem nas florestas e encostas da cidade, quando chegam à área urbana recebem lixo e esgoto sem tratamento. Um dos exemplos é o Rio Carioca, que tem nascente na Floresta da Tijuca.

De acordo com o secretário de Estado do Ambiente, André Corrêa, "infelizmente, o Rio Carioca, no estado de hoje, tem uma vazão maior de esgoto do que de água natural. É um corpo hídrico que a urbanização do Rio de Janeiro sufocou."

“A disponibilidade de água para o Rio de Janeiro é muito menor. E isso faz com que seja preciso avançar em coleta e tratamento de esgoto, principalmente para a diminuição do lixo nos rios”, explica Malu Ribeiro.

Melhora no estado de São Paulo
No panorama do estado de São Paulo, onde o estudo verificou a qualidade da água em 14 cidades, totalizando 53 pontos de amostras, 50,9% das análises foram classificadas como regulares, 39,6% como ruins e 3,8% como péssimas.

A avaliação deste ano também teve melhoras em relação ao quadro de 2014. O percentual de rios com qualidade ruim caiu de 58,5% para 39,6%, enquanto o índice de rios com nível regular aumentou de 30,2% para 50,9%. O percentual de rios classificados como bons subiu de 3,8% para 5,7%.

Demais estados
Outros quatros estados tiveram rios e córregos analisados neste levantamento. Em Minas Gerais, o rio Jequitinhonha, na altura do município de Almenara, apresentou situação regular.

Já o rio Mutum, na cidade de Mutum, e o córrego São José, em Bicas, estão em situação ruim. No Rio Grande do Sul, foram analisados a Lagoa do Peixe (qualidade boa), Rio Tramandaí (regular) e Lago Guaíba, na altura da Barra do Ribeiro (ruim).

Em Brasília, a análise de dois pontos do Córrego do Urubu apresentou qualidade regular. Já em Santa Catarina, o Rio Mãe Luiza, na cidade de Forquilhinha, está em situação regular.

Pescador observa passagem de boto no Rio Tramandaí, Litoral Norte do RS (Foto: Cristiano Mazoni/RBS TV)Pescador observa passagem de boto no Rio Tramandaí, Litoral Norte do RS. Água foi considerada regular, segundo a ONG SOS Mata Atlântica (Foto: Cristiano Mazoni/RBS TV)


Fonte: G1, em São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

10/12/2019 às 15:43

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1301 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey