Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Desmatamento na Amazônia Legal cai 82% em 10 anos, diz governo

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/08/2015

Desmatamento na Amazônia Legal cai 82% em 10 anos, diz governo

Área desmatada de 27.772 km² entre 2003 e 2004 passou para 5.012 km². De 2013 para 2014, taxa caiu 15% em mapeamento consolidado.

A taxa anual de desmatamento na área da Amazônia Legal – que abrange os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins – caiu 82% nos últimos 10 anos, informaram nesta sexta-feira (14) os ministérios da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente.

Se entre agosto de 2003 e julho de 2004, uma área de 27.772 km² foi desmatada, no mesmo período de 2013 para 2014, foram 5.012 km², conforme o mapeamento consolidado do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), sistema oficial de medição que analisa 214 imagens de satélite.

A área desmatada de 2013 para 2014 representa uma queda de 15% em relação ao ano anterior, quando foram suprimidos 5.891 km². A medição é feita entre os meses de agosto e julho porque compreende o chamado "calendário do desmatamento", relacionado com as chuvas e atividades agrícolas.

Dentro da série histórica de mapeamento, realizada desde 1988, o ano de 2004 registrou a segunda maior alta nas taxas de desmatamento da Amazônia Legal, só menor que em 1995, quando foi desmatada área de 29.059 km².

A alta de 2004 levou o governo a lançar, naquele ano, o Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), que envolveu a criação de áreas de proteção e posteriormente reforço na fiscalização e combate a desmates ilegais.

Ao falar sobre o período mais recente, 2014-2015, ainda não analisado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que a expectativa é de continuidade da redução da taxa de desmatamento.

“As expectativas que eu tenho de campo do Ibama é que continuamos a ter muita degradação, e temos áreas com incremento de alertas. Mas a fiscalização não relatou expectativa de crescimento do desmatamento. Mas é tudo especulação, e eu não trabalho com especulação, trabalho com dados que o Inpe vai tornar disponível”, disse.

A legislação brasileira sobre mudança do clima determina que até 2020 a taxa anual de desmatamento chegue no máximo a 3.915 km² na Amazônia Legal. “Pode chegar no ano que vem, é desejável. Eu tenho que manter ou reduzir mais ainda, porque parte dessa taxa tem desmatamentos ilegais. Eu estou trabalhando para atingir antes”, afirmou Izabella Teixeira.

Nos próximos anos, o governo também espera poder calcular o quanto vem sendo reflorestado, especialmente da recomposição de áreas devastadas exigida pelo Código Florestal, aprovado em 2012.

Estados
Na última década, os estados que mais reduziram a taxa de desmatamento foram Mato Grosso (-91%), Rondônia (-82%) e Pará (-79%). Os que menos reduziram foram Acre (-58%), Amapá (-33%) e Roraima (-30%). No último período analisado (2013-2014), estes estados foram os únicos que registraram aumento da área desmatada.

Ao apresentar os dados, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, explicou que, no Acre, por exemplo, o maior desmatamento se dá em pequenas áreas agrícolas legalmente, dentro do limite permitido pelo Código Florestal (20% da propriedade).

“Segundo tem o fenômeno dos assentamentos rurais, de reforma agrária, que retira floresta em área autorizada de uso. Terceiro, tem uma demanda de populações tradicionais para gado e agricultura de subsistência. Também tem ocupação urbana, expansão de cidades”, disse a ministra. “Roraima e Amapá são estados que estão aumentando a população por imigração”, completou depois o coordenador do programa Amazônia do Inpe, Dalton Valeriano.



Fonte: Do G1, em Brasília



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/10/2019 às 22:49

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1507 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey