Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/10/2015

Projeto recupera 55 nascentes em ação contra a seca no Sertão de AL

Renas-Ser mapeou 716 fontes em Água Branca, Pariconha e Mata Grande. Trabalho tem como objetivo garantir água de qualidade para sertanejos.

Após intervenção, nascentes garantem água de melhor qualidade para famílias do Sertão (Foto: Jonathan Lins/G1)
Diante do agravamento da crise hídrica no Brasil, com proporções mais acentuadas na região Nordeste, assegurar água para o consumo humano, animal e para a agricultura em condições adequadas e com periodicidade regular tornou-se um desafio cada vez maior no semiárido alagoano.

A seca em estágio extremo avança no estadoe já afeta 14 municípios da região do semiárido. Dados do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), expõem que o fenômeno da desertificação compromete a vida de 26% da população que vive no Sertão.

É neste cenário, em que áreas correm risco de desertificação, que uma Organização Não Governamental está desenvolvendo o projeto Renas-Ser, para recuperar nascentes de uso coletivo no semiárido alagoano.

No primeiro ciclo do projeto, a Organização de Preservação Ambiental (OPA) mapeou 716 nascentes no Alto Sertão e conseguiu recuperar 55 delas em dois anos, nos municípios de Água Branca, Pariconha e Mata Grande.

As medidas adotadas para a recuperação dos mananciais foram a limpeza e o cercamento da área para evitar a entrada de animais, o reflorestamento do entorno e a intervenção na saída do líquido, para que a água que antes era colhida direto da fonte fosse canalizada e armazenada em uma caixa d'água. Isso evita o contato direto com pessoas e animais.

“Na primeira etapa, demos prioridade às nascentes que atendem um número maior de famílias. Para isso, envolvemos as comunidades que fazem uso destes ‘olhos d’água’ tanto no trabalho de recuperação, como nas ações de educação ambiental”, expõe a coordenadora do Renas-Ser, Maria do Carmo Vieira.

José Pereira diz que recuperação de nascente é alento para famílias durante o verão  (Foto: Jonathan Lins/G1)
José Pereira diz que recuperação de nascente é
alento para as famílias (Foto: Jonathan Lins/G1)

“As fontes estavam lá para uso comum, no entanto, a situação em muitas delas era degradante. Com poucas preservadas, muitas outras estavam poluídas, com lixo, dejetos de animais e com a vegetação do entorno devastada”, relata Maria do Carmo.

Os sertanejos já sentem na prática os resultados destas ações. O agricultor José Pereira, morador do Sítio Batuque, em Água Branca, conta que voltou a ter uma alternativa para os períodos de estiagem.

"Quando o verão chega, a única água aqui no sítio é a da ‘fontinha’. Depois do trabalho que fizeram lá, está mais limpa e mais fácil de pegar. Antes tínhamos que esperar cada balde encher e dividir o espaço até com os animais que sujavam tudo. Agora, como a água cai na caixa d’água, basta abrir a torneira para encher o balde”, diz.

O diretor-executivo da OPA, Sérgio Leal, avalia que o resultado do projeto é reflexo do envolvimento das comunidades como protagonistas da ação. "Tanto que são os adultos que fazem a recuperação, com a orientação de técnicos, e as crianças participam de trabalhos que envolvem o reflorestamento e a conservação", expõe Leal.

Ele ainda enfatiza que ao participar de cada uma das etapas, as famílias passam a entender a importância da preservação das nascentes.

"Recuperar nascente é uma forma de dar qualidade de vida às pessoas que vivem nas comunidades sertanejas. Ensina-lás a preservar é uma forma de educar para que elas mesmas cuidem da água que consomem”.

Morador da comunidade Serra do Cavalo, também em Água Branca, o agricultor Alberício Leite dos Santos conta que sabe a importância de preservar as nascentes, já que elas são a única opção de abastecimento de água a muitas famílias.

“Lá no sítio, todo mundo faz uso da fonte. A água é usada no dia a dia para beber, cozinhar, lavar e cuidar dos animais. A água é pouca, mas o pouco ajuda porque seria muito difícil viver no Sertão no tempo seco”, comemora Alberício.



Fonte: Waldson Costa Do G1 AL



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/08/2018 às 17:24

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1228 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey