Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


28/01/2016

Efeito do espaçamento, da idade e da irrigação nos componentes químicos da madeira de eucalipto

Artigo submetido à Revista Árvore v.39, n.1, p.199-208, 2015, de autoria de Jordão Cabral Moulin, Marina Donária Chaves Arantes, Graziela Baptista Vidaurre, Juarez Benigno Paes e Angélica de Cássia Oliveira Carneiro, relata sobre o Efeito do espaçamento, da idade e da irrigação nos componentes químicos da madeira de eucalipto.

Foto ilustrativa - Google
 Segundo Barcellos et al. (2005), a madeira deve possuir qualidades que atendam às adequadas características relacionadas ao seu uso final. A madeira de eucalipto, por sua versatilidade e produtividade, atende, na maioria dos casos, à necessidade como matéria prima e, principalmente, para fins energéticos para o país.

A definição da matéria-prima que maximiza a produção de biomassa para fins energéticos é foco de vários estudos que buscam proporcionar informações quanto às principais propriedades da madeira que influenciam as características energéticas, verificando a importância do estudo da influência de diferentes tratos silviculturais na produção e qualidade da madeira.

Os diferentes tipos de células da madeira são responsáveis por desempenharem funções específicas, tornando a madeira material heterogêneo. A composição química, física e anatômica da madeira varia entre espécies e, até mesmo, dentro da mesma espécie, e isso ocorre em razão de fatores ambientais, genéticos e da idade (TRUGILHO et al., 1996). Os principais componentes químicos da madeira são a holocelulose, lignina e extrativo, os quais influenciam as propriedades energéticas da madeira, posto que as cinzas são os componentes inorgânicos que compõem a madeira. Conforme Browning (1963), maiores valores de poder calorífico da madeira são obtidos quando ela possui alto teor extrativo e lignina.

Diante do exposto, o objetivo do trabalho foi avaliar a composição química de dois clones de eucalipto em diferentes espaçamentos e idades, ambos em região irrigada e não irrigada, para fins energéticos.
O material utilizado constituiu de dois clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla com idades de seis e 12 meses, provenientes de plantios em duas regiões, uma irrigada e outra não irrigada, com espaçamentos de 3 x 0,5; 1,5 x 2; 3 x 1; 3 x 2; e 3 x 3 m. Na análise química da madeira, foi realizada uma amostragem composta dos seis discos obtidos ao longo do fuste das árvores.

Com base nos resultados, conclui-se que as idades, espaçamentos e região irrigada e não irrigada influenciaram as propriedades químicas da madeira. Assim, pode-se inferir que os maiores valores de teor de extrativos ocorreram nos clones da região não irrigada e com idade de seis meses, não sendo verificadas influências dos espaçamentos.

O maior teor de lignina foi obtido no clone B aos 12 meses, na região irrigada. Os maiores teores de lignina estavam nos maiores espaçamentos, com exceção do clone A; com 12 meses, não foi verificada tendência de resultados do teor de lignina para a idade e região irrigada e não irrigada. O teor de holocelulose foi superior no clone A, sendo os maiores valores nos espaçamentos mais amplos e na idade de 12 meses. O teor de cinzas foi superior na idade de seis meses, sendo o maior valor no clone A aos 12 meses, na área não irrigada e nos espaçamentos mais amplos, embora não tenha sido verificado tendência de resultados nos diferentes espaçamentos e regiões.
 
Para er o artigo na íntegra acesse: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/14293


Fonte: Marcella Profiro Mazarele Gomes ? Bolsista BIC: Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/09/2017 às 04:36

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

1654 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey