Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


11/09/2017

Novo capítulo: venda da Eldorado Brasil em "xeque"

A investigação do procurador Rodrigo Janot sobre suposta omissão na delação acendeu uma luz amarela em credores e acordo já fechados.


Os compradores dos ativos vendidos pelo grupo J&F nos últimos dois meses estão apreensivos com a possibilidade de o acordo de colaboração premiada dos irmãos Batista e executivos do grupo ser revisto. Dentre os ativos colocados à venda, a fábrica de celulose Eldorado Brasil é a mais vulnerável em um eventual cancelamento do acordo de leniência da holding.

De acordo com o Jornal Valor Econômico, o que blinda os compradores dos ativos e as empresas vendidas de problemas decorrentes dos crimes cometidos pelos irmãos Batista é o acordo de leniência fechado com o Ministério Público Federal em Brasília.

Pela leniência, a holding J&F assumiu a responsabilidade pelos crimes cometidos e arcará sozinha com o pagamento da multa de R$ 10,3 bilhões em 25 anos. Assim, as demais empresas do grupo ficaram "limpas" e algumas, como Vigor, Alpargatas e Eldorado Celulose puderam ser vendidas a novos controladores para equacionar a situação financeira do grupo J&F.

No caso do acordo entre J&F e Paper Excellence para venda do controle da Eldorado Celulose, fechado no sábado, a sua finalização estaria condicionada à homologação da leniência.

Ainda segundo o Valor Econômico,a leitura inicial de alguns dos compradores, é que a leniência tende a ser mantida. Mas o risco de outro encaminhamento gerou apreensão. "A princípio, o procedimento aberto pelo procurador Rodrigo Janot pode, eventualmente, rever os benefícios de três colaboradores premiados. Então, não envolveria a rescisão da delação e, portanto, não envolveria a leniência", disse o advogado de um dos compradores de ativos. Essa é a hipótese mais provável na avaliação dos envolvidos. No entanto, há muitas dúvidas sobre o resultado do procedimento aberto, já que ele é inédito.

A Eldorado Celulose é investigada em três operações da Polícia Federal - Sépsis, Greenfield e Cui Bono? -, a empresa foi alvo de busca e apreensão em diferentes ocasiões e enfrenta uma a enfrenta uma ação judicial movida pelo doleiro Lúcio Funaro, preso e réu na Lava-Jato.


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2017 às 14:08

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


113 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey