Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


23/01/2018

As safras agrícolas reúnem tecnologias, mercados e consumidores


O quarto levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima uma safra agrícola de 227,95 milhões de toneladas em 2017/18, menor 4,1% em relação à safra de 2016/17, sendo que houve um aumento de 1,1% na área cultivada e previsão de 61,53 milhões de hectares, ao comparar com plantio do ano passado. Porém, ainda faltam oito novos levantamentos e esses dados, nível de campo, podem ser alterados para mais ou para menos, pois esses plantios dependem em mais de 80% da boa distribuição das chuvas ao longo dos ciclos das culturas de grãos, cereais e oleaginosas, ou como se diz na cultura popular; estariam submetidos à vontade de São Pedro.

A irrigação no Brasil, como um todo, não chega aos 7 milhões de hectares. Um dado modesto diante das potencialidades brasileiras no campo da agricultura irrigada, que se estima em 30 milhões de hectares. Além disso, o seguro agrícola é lento nos cenários da produção de alimentos no Brasil, na medida em que os riscos ainda são consideráveis também por decorrência do caprichoso sistema climático e não raro, enigmático, e sem desconsiderar os ataques de pragas e doenças, embora controláveis.

Pode-se aceitar que as mudanças havidas do mercado rural para o urbano nos últimos cinquenta anos, resultantes dos processos acelerados de urbanização e das exportações brasileiras, deslocou o poder de decisão, até então quase que exclusivos dos agropecuaristas, para os consumidores urbanos e os importadores do agronegócio brasileiro. Eles são soberanos nas suas escolhas, inclusive dos cardápios alimentares e do perfil nutricional do que se consumir numa perspectiva de tempo.  Esse comportamento aplica-se também, numa outra vertente da agro economia, aos produtos de base florestal ao atenderem às outras necessidades humanas e são também suportes indispensáveis nos eixos das economias regionais e nacional. Aliás, o mercado é uma conquista e jamais uma capitania hereditária!

Boas safras agrícolas são indispensáveis ao abastecer e exportar, agem no controle do processo inflacionário, geram emprego e renda, entretanto, uma queda da safra agrícola que não for substantiva não deverá provocar transtornos econômicos consideráveis, desde que haja ainda um certo equilíbrio entre a oferta e a procura por alimentos e afins.

 Além disso, existem estoques de passagem, variações nas produções e ofertas de outros países produtores, que concorrem com o Brasil, bem como se ligam à distribuição da renda per capita. E mais, os ajustes rotineiros que se fazem com a renda familiar nos movimentos pendulares da economia, que afetam não apenas o consumo de alimentos, embora essenciais, mas os desempenhos da indústria, agroindústria, do comércio e dos serviços, pois, num cenário mais amplo, quem compra também quer vender. Uma lógica milenar.

Evidentemente, nessa análise tangencial, a perda agrícola poderá se refletir na capacidade de pagamento dos produtores, desaquecer o comércio de máquinas e equipamentos agrícolas, ainda que transitoriamente, e até exigir o renegociar de eventuais saldos devedores. Entretanto, também têm outras duas vertentes que se convergem; o que foi gasto para produzir por hectare cultivado e o que se deixa de ganhar por não ter sido colhido, e essa abordagem depende igualmente da magnitude geográfica desses eventos agronômicos. As artes de plantar, criar, comprar e vender são de múltiplas dimensões econômicas, sociais e ambientais. Não há nenhuma mágica no campo.

Apesar de tudo, o agronegócio brasileiro é vitorioso desde a segunda metade da década de 1970, também década da criação da Embrapa, pois, antes o Brasil era um grande importador de alimentos. Esse segmento estratégico da economia nacional deverá passar por novas mudanças e demandas no viger desse século 21, e a recomendar mais pesquisas, desenvolvimento, e ampliar substantivamente os processos de difusão de inovações nos circuitos agroalimentares, nas paisagens rurais, comunidades de produtores e suas organizações, e na adoção de boas práticas, sustentáveis.

De outro ângulo, sabe-se que a maioria dos projetos de irrigação na agricultura são ligados aos produtores rurais e às empresas privadas, o que não exclui e nem subestima os esforços irrigantes nos domínios do governo federal. A questão central, que define projetos e processos na agropecuária e no setor de base florestal, continuará sendo a rentabilidade econômica na adoção e gestão das inovações tecnológicas geradas pela pesquisa. A agropecuária é um negócio e seja ele familiar ou nos cenários dos médios produtores e nos circuitos de grandes empresários ligados ao agronegócio mineiro e nacional que, no conjunto, em 2017 gerou um superávit acumulado nas exportações de US$ 80,7 bilhões, histórico (Seapa).

Vale também assinalar que a tese do aquecimento global, que abrange também a agropecuária e o setor de base florestal, será um tema recorrente no viger do século 21, polêmico, e envolve forças poderosas e até antagônicas. Porém, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, com base nos dados de 2015, em nível mundial, listou os principais países emissores de gases de efeito estufa, sendo eles; China, 20,09%; EUA, 17,89%; União Europeia, 12,08%; Rússia, 7,53%; Índia, 4,10%; Japão, 3,79%; BRASIL, 2,48%; e Canadá, 1,95%. Assim, os EUA, a China e União Europeia são responsáveis, nesse grupo, por 50,06% das emissões totais e querem que essa conta seja paga pelos países mais pobres e os em desenvolvimento. 


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro Agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/08/2018 às 17:25

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


697 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey