Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/02/2018

O dilema do eucalipto transgênico

Duas empresas brasileiras pesquisam árvores geneticamente modificadas. Mas não avançam para não perder o selo verde

 
Eles são mais gordos e mais altos, mas um observador dificilmente diria que são diferentes. A olho nu, são essas as principais características do H421, o nome de laboratório do primeiro eucalipto transgênico do mundo. E ele é brasileiro. Naturalizado, ao menos.
Está crescendo no interior de São Paulo e no sul da Bahia, áreas onde são comandadas as pesquisas genéticas das duas empresas que o detêm: a israelense FuturaGene, que desenvolveu as sementes ainda nos anos de 1990, e a brasileira Suzano Papel e Celulose, que comprou a FuturaGene em 2010.
 
Plantio de eucalipto no Brasil. Os transgênicos ofereceriam vantagem competitiva (Foto: Luciano Andrade/Estadão Conteúdo)Plantio de eucalipto no Brasil. Os transgênicos ofereceriam vantagem competitiva (Foto: Luciano Andrade/Estadão Conteúdo)
 
Aprovado para uso comercial no Brasil em 2015, o H421 é apenas a segunda árvore geneticamente modificada do mundo a conseguir a licença para venda, ao lado de uma espécie de álamos liberada na China em 2002. Os interessados, porém, são muitos. A Fibria é outra companhia de celulose que toca pesquisas genéticas em suas mudas no Brasil, enquanto nos Estados Unidos a desenvolvedora de sementes ArborGen tenta desde 2008 emplacar seu eucalipto resistente ao frio junto às autoridades do país.

Não é para menos, já que os atrativos das árvores modificadas são vários. O H421, por exemplo, cresce mais e gera ao menos 20% mais madeira do que seus similares. "Ele permite aumentar a produtividade sem expandir a área, libera novas terras para outros usos e também aumenta a captura de gás carbônico por área plantada", diz o gerente de assuntos regulatórios da FuturaGene, Othon Abrahão. "Até 2040, o mundo terá 9 bilhões de pessoas vivendo e consumindo", acrescenta Elizabeth de Carvalhaes, presidente executiva da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). "Nesse sentido, é essencial que a biotecnologia trabalhe para aumentar a produtividade, ou então não haverá terra suficiente no planeta", continua ela.
 
O eucalipto transgênico cresce mais e gera 20% mais madeira do que as árvores similares
Mesmo com os argumentos a favor, o mundo segue sem que uma lasca de eucalipto transgênico tenha sido vendida ou explorada no mercado. Além da resistência natural de acadêmicos e ambientalistas mundo afora, que alertam para as consequências no longo prazo, o novo gênero também carece de reconhecimento comercial em nível internacional, já que nenhum dos grandes certificadores florestais aprova a modalidade.

Pelas regras atuais, se a empresa fizer o uso comercial de uma árvore transgênica, mesmo que em uma área pequena, ela perde a certificação de todas as suas áreas", explica Andrea Werneburg, analista de desenvolvimento de negócios do FSC no Brasil, braço regional do Conselho Internacional de Manejo Florestal e um dos principais certificadores de florestas do mundo. Possuir selos como o do FSC não é obrigatório, mas eles atestam as práticas sustentáveis das fabricantes e, sem eles, boa parte dos países não aceita a madeira.

"Não conhecemos os impactos de médio e longo prazo, até porque são os primeiros casos do mundo, não há base de comparação", diz Andrea.
Entre os principais argumentos contra as árvores transgênicas estão seu ciclo de vida e seu porte, o que significa mais tempo de exposição e um raio bem maior de alcance para o espalhamento de seu material genético e interações no entorno. Um eucalipto, por exemplo, leva cerca de sete anos para crescer, bem diferente de outras plantas já familiarizadas com a transgenia, como soja e milho, que têm ciclos anuais.

Outro grupo descontente aqui no Brasil são os produtores de mel, que poderiam perder sua certificação de produto orgânico uma vez que suas abelhas começassem a circular entre eucaliptos transgênicos. "De toda maneira é uma discussão difícil e que está longe de ser declarada fechada", diz Andrea, do FSC. "O consumo de madeira e celulose deverá triplicar até 2050, e soluções para responderem a esse aumento é um debate que não podemos ignorar."
 


Fonte: Revista Época



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/02/2018 às 00:38

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


136 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey