Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Fórum da Água derruba mito de que agricultura é ?vilã hídrica?

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


09/04/2018

Fórum da Água derruba mito de que agricultura é ?vilã hídrica?

Fatos e mitos que afetam a imagem ambiental da atividade rural foram debatidos no evento, em Brasília; CNA e Embrapa apresentaram dados científicos

Informações falsas que prejudicam a imagem ambiental da atividade agropecuária brasileira estão sendo derrubadas no 8º Fórum Mundial da Água, realizado esta semana em Brasília. Especialistas, pesquisadores e representantes do setor produtivo estão provando que não são verdadeiros os conceitos como os de que a irrigação desperdiça muita água e é responsável pela crise hídrica das cidades ou que a agricultura polui os rios e prejudica a população.

“Às vezes as pessoas exageram em determinados pontos de vista, com algumas crenças. Por exemplo: de que árvores necessariamente produzem água. É bom que se diga que árvore bebe água, como qualquer outra planta. Para poder crescer e gerar biomassa é preciso de água”, disse o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Cerrados Jorge Werneck. Ele explicou que é por isso que um eucalipto – de uma floresta plantada – exige tanta água e que o mesmo ocorre com outros tipos de árvores, mesmo de as de florestas. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por sua vez, lançou a cartilha “Fatos e Mitos” para o Fórum da Água esclarecendo conceitos que afetam negativamente a atividade rural.

“Mesmo a floresta tem uma grande dinâmica em si que acaba tirando água do solo e levando para a atmosfera. Essas coisas precisam ser estudadas com calma, com a ciência presente nesse processo”, disse o pesquisador da Embrapa. Werneck é um dos representantes do Brasil no Comitê Diretivo Internacional (CDI), instância decisória máxima das ações do Fórum. Ele participou nesta quarta-feira (21) da sessão “Agricultura e serviços ecossistêmicos: produtores rurais podem salvar rios e ainda lucrar?”.

Questionado pela revista Globo Rural se é possível “salvar rios”, Werneck argumentou, sob o foco científico: “É um pouco demais. É difícil a gente salvar rios, mas você consegue, sim, utilizar os recursos naturais de forma mais adequada para ter o mínimo impacto possível dentro dos rios e possa, assim, compartilhar essa água com mais pessoas e com o meio ambiente”. Ele disse que já existe tecnologia para alcançar esse objetivo, inclusive muitas tecnologias antigas, como o plantio direto. “A crise hídrica pode, inclusive, ter um lado positivo, de aumentar a conscientização sobre o uso racional do solo, da água. Aos poucos o Brasil tem avançado no aumento da sustentabilidade de sua agricultura”, completou.
Jorge Werneck-embrapa-fórum mundial da água (Foto: Ayr Aliski/Editora Globo)
Jorge Werneck, pesquisador da Embrapa, no 8º Fórum Mundial da Água (Foto: Ayr Aliski/Editora Globo)
 
Cada ambiente precisa ser estudado e compreendido em relação às possibilidades de atividades agrícolas e necessidades de preservação, destacou Werneck. “Nem sempre árvore vai ser adequada. Vide o Pampa, que é um ambiente que não tem árvores”, argumentou. “Outro erro é acreditar que tudo que vem de cima é acumulado pelas matas ciliares. Isso também não é verdade, pois há caminhos preferenciais. Não que as matas ciliares não sejam importantes. São superimportantes”, afirmou. O pesquisador apontou que o planejamento do uso do território e da água é fundamental, pois nem todo o uso do solo e da água para agricultura representa impacto significativo aos recursos hídricos. É preciso considerar pontos como aptidão de solos e áreas, escala, capacidade de suporte e legislação, entre outros critérios.


Fonte: Sistema FIEMG



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/05/2018 às 12:06

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


220 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey