Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/07/2010

Embrapa e Serviço Florestal Americano Capacitam Profissionais em Planejamento de Estradas Florestais

A engenharia de estradas tem o papel de encontrar alternativas economicamente viáveis para a construção e manutenção das estradas florestais, potencializando os pontos positivos e minimizando os aspectos negativos do processo.

Importante atividade econômica na Amazônia, o manejo de florestas impõe o constante desafio de conciliar crescimento econômico com preservação ambiental, exigindo de gestores públicos, instituições de pesquisa e ensino e dos diversos atores do setor florestal o desenvolvimento e implementação de práticas sustentáveis. Pensando nisto, a Embrapa Acre, em parceria com o Laboratório Virtual da Empresa nos Estados Unidos (Labex/EUA) e Serviço Florestal Americano (SFA) realizam o curso Planejamento de Estradas Florestais de Impacto Mínimo.  O evento aconteceu no período de 12 a 16 de julho, com apoio do governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Florestas (Sef).

Professores universitários, profissionais de instituições ligadas à fiscalização ambiental, pesquisadores e técnicos que atuam com manejo florestal nos Estados do Paraná, Mato Grosso, Amazonas, Rondônia, Acre, e Distrito Federal vão aprender sobre os princípios do planejamento de estradas florestais, identificação de padrões de projeto e especificações de construção adequadas, técnicas para alocação de estradas no campo, processos de construção com ênfase em drenagem e processo de análise ambiental para projetos de estradas rurais, além do uso do Modelo Digital de Exploração Florestal (Modeflora) no planejamento de estradas entre outros conteúdos.

O curso também terá outra tecnologia a serviço do conhecimento dos participantes: o sistema Lidar (perfilamento a lazer aerotransportado), desenvolvido pela Embrapa/Labex EUA e Serviço Florestal Americano. Testada recentemente em florestas do Acre, a tecnologia inovadora considera informações sobre a composição, estrutura, redes de drenagem e topografia no mapeamento de florestas e apresenta estes dados em terceira dimensão.

O engenheiro florestal James Sherar e o engenheiro geotécnico Gordon Keller, pesquisadores do SFA, ministram a capacitação, com aulas teóricas no auditório da Embrapa Acre, a partir das 8h, e práticas em áreas de manejo florestal. O curso é resultado da articulação de pesquisas na área de manejo florestal, junto ao Serviço Florestal Americano, realizada pelo pesquisador da Embrapa Acre, Marcus Vinício Neves d´Oliveira, que há dois anos trabalha no Labex/EUA. Os dois pesquisadores americanos são referência em planejamento de estradas florestais e, em virtude do público diversificado, as aulas acontecem com tradução simultânea.

Aulas práticas

De acordo com o pesquisador Luciano Ribas, um dos coordenadores do evento, o objetivo é mostrar alternativas para garantir a adequação do trabalho de planejamento e gestão de estradas florestais e assegurar o componente ambiental no manejo da floresta. “A construção de estradas tem grande influência nos níveis de impacto da atividade florestal sobre o meio ambiente. Por isto, o seu planejamento e execução devem obedecer a critérios de engenharia, como forma de garantir a sustentabilidade ambiental e reduzir custos. Além disso, uma estrada bem desenhada apresenta maior tempo de vida útil, resultando em economia para o produtor”, afirma.

As aulas práticas acontecem em áreas florestais que utilizam o Modeflora e dispõem de plano de manejo aprovado para 2010. Na sexta-feira (16), os participantes visitaram a Fazenda Floresta, na BR-317, no município de Sena Madureira, para conhecer técnicas de recuperação de estradas e práticas de controle de erosão.

Com base nos conhecimentos adquiridos e na experiência de cada participante, ao final da capacitação será elaborado um documento indicando índices e padrões de estradas florestais para os planos de manejo da Amazônia. Os participantes também vão discutir a adequação de uma grade curricular mínima para a disciplina Estradas Florestais, oferecida no curso de engenharia florestal de universidades amazônicas.

A adoção de práticas sustentáveis no desenvolvimento da atividade florestal deve começar na fase de planejamento. Na opinião de Ribas, a topografia e hidrografia influenciam os custos de construção das estradas florestais e, neste aspecto, o Acre apresenta duas realidades distintas. “Existem terrenos planos, com poucos igarapés, onde é possível evitar a colocação de pontes e minimizar gastos e impactos da atividade, mas também encontramos áreas com relevo acidentado e excesso de nascentes, que exigem maiores investimentos“, explica.

Engenharia de estradas

Para o pesquisador Gordon Keller, o planejamento é o ponto de partida para o projeto de construção de uma estrada. Este aspecto contempla fatores como localização, desenho e a própria construção e manutenção. Por outro lado, o processo de vistoria e acompanhamento das atividades é outro fator decisivo para o sucesso do projeto. Verificar aspectos como tamanho, largura, relevo, hidrografia e a estabilidade do terreno evita erros e desperdícios de recursos materiais, humanos e financeiros, bem como prejuízos ambientais.

“A engenharia de estradas tem o papel de encontrar alternativas economicamente viáveis para a construção e manutenção das estradas florestais, potencializando os pontos positivos e minimizando os aspectos negativos do processo. Cada região tem suas peculiaridades, mas recomenda-se evitar a presença de corpos d´água (rios, igarapés, nascentes) e terrenos inclinados ou alagadiços porque nestas situações, o uso de modernas tecnologias pode ajudar, mas, certamente, o custo será elevado”, diz.

Outra questão importante para garantir a viabilidade econômica das estradas florestais, de acordo com James Sherar, é a avaliação do uso destas estruturas. O desenho deve levar em consideração se a estrada será utilizada por veículos pesados e estimar a capacidade de suporte do terreno. No caso das estradas de alto volume, o pesquisador enfatiza a necessidade de investimentos mais elevados tanto na construção como na manutenção. Isto garantirá a segurança de quem trafega nestas vias, que deve ser uma das principais preocupações na formatação e execução do projeto.


Fonte: Embrapa/Acre



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/11/2019 às 09:30

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


5283 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey