Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/04/2011

20 empresas já foram fiscalizadas em operação conjunta entre Semad e Ibama

A ação acontece desde o dia 29 na região de Ubá, na Zona da Mata mineira, e reúne agentes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) que investigam irregularidades no uso de madeira proveniente de vegetação nativa, especialmente da Amazônia.

A maioria das empresas visitadas apresentou pendências junto aos governos federal e estadual.

A principal questão observada pelos fiscais nas empresas tem sido a diferença entre a quantidade de madeira existente nas empresas e o declarado aos sistemas de controle do Ibama e do Instituto Estadual de Florestas (IEF). Um dos empreendimentos foi multado pelo Ibama em R$ 166,4 mil por armazenar 554 metros cúbicos de madeira sem a autorização do órgão ambiental. A madeira, da espécie Embirema, é de origem amazônica e foi apreendida pelos fiscais.

A operação ‘Guardiões das Montanhas II’ reúne nove fiscais da subsecretaria de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada da Semad e 35 do Ibama que, nas próximas semanas, percorrerão nove municípios da região de Ubá. “O trabalho utiliza informações dos sistemas eletrônicos de controle federal e estadual que asseguram a legalidade da compra, armazenamento, transporte e venda da madeira e de seus produtos”, observa o coordenador da operação pela Semad, o analista ambiental do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), Alessandro Albino.

Nativa

Nas empresas fiscalizadas, o trabalho dos técnicos que participam da operação ‘Guardiões das Montanhas II’ se divide em duas frentes. Numa delas, nos escritórios, os fiscais verificam a documentação referente à empresa, especialmente a que autoriza o uso de madeira. Se o consumo for da matéria-prima proveniente da Amazônia, as empresas têm de apresentar a autorização do Ibama. No caso de madeira produzida em Minas Gerais, de origem nativa ou plantada, o aval tem de ser do IEF.

Na segunda frente de trabalho, os fiscais verificam minuciosamente as espécies, a quantidade e a origem da madeira encontrada. “Toda a madeira encontrada nas empresas, no estado natural ou já transformada em móveis é identificada e medida para que seja feita a conferência das quantidades declarada aos órgãos ambientais”, afirma o agente ambiental federal do Ibama, Manoel Costa. “Para conhecer o total de madeira utilizada na elaboração de uma cadeira, por exemplo, o fiscal mede cada uma das partes, obtêm um valor aproximado da quantidade de madeira necessária e multiplica pelo número de peças existentes na empresa”, completa.

No caso da madeira proveniente da Amazônia, é observado se o uso das espécies encontradas é permitido pela legislação. Para isso, fiscais especialistas na identificação de tipos de madeira integram as equipes do Ibama, utilizando métodos científicos e também a experiência de atuarem no norte do Brasil para determinar se há irregularidades. Até o momento, a espécie amazônica mais encontrada pelas equipes de fiscalização foi o Tauari, cujo uso é permitido pela legislação brasileira.

O Pólo Moveleiro da região de Ubá é constituído de cerca de 300 empresas localizadas em municípios vizinhos como Tocantins, Visconde do Rio Branco, Guidoval e Rio Pomba. As espécies amazônicas são a principal matéria-prima das fábricas de móveis, seguidas de espécies plantadas como o eucalipto.  Dados do Ibama indicam que o Pólo Moveleiro de Ubá recebe cerca de 20 mil metros cúbicos de madeira proveniente da Amazônia por ano, o que corresponde a 500 carretas carregadas.


Fonte: IEF/ Emeson Gomes



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/10/2019 às 16:35

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1861 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey