Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


12/10/2011

Podas de cajueiro geram eletricidade

Desenvolvido na Alemanha, projeto de uma termelétrica à base de cajueiro pode ser implantado no Ceará

 Com 400 mil hectares plantados de cajueiros, dos quais 300 mil em manejo, o Ceará tem às mãos, ou melhor, nos pés de caju, uma nova fonte de energia elétrica alternativa, a partir dos resíduos gerados pela poda das árvores, com as cascas ou ainda com o óleo das cascas das castanhas. Tudo isso sem afetar a produção, que neste ano deve resultar em 164.842 toneladas de castanhas "in natura".

Desenvolvido pela Universidade de Brandenburg, na Alemanha, em parceria com as empresas J. Ésio Engenharia e Newtech Energys, o projeto prevê a instalação de duas usinas termelétricas, com capacidade de geração de energia elétrica de cinco megawatts por hora (MW/h), cada uma, nos municípios de Pacajus e Icapuí. Orçado em R$ 20 milhões, o projeto das termelétrica à base de resíduos do cajueiro foi exposto ontem, na Fiec, para empresários e representantes da cajucultura.
 
Mercado
 
Com capacidade para produzir até 40 mil MW/h, por ano, volume suficiente para abastecer 36 mil residências populares, a termelétrica foi concebida para processar mudas e raízes de plantas, com potencial calorífico, a exemplo da madeira do cajueiro, sabiá, marmeleiro etc. O projeto foi desenvolvido pela Divisão de Termoelétricas da KWT e Centrun Fur Energietechnologie Brandenburg Alemanha, que tem à frente o engenheiro Hans Joachim Krautz .
 
Segundo o engenheiro, José Ésio dos Santos, a proposta da termelétrica é agregar valor e renda e promover o desenvolvimento sustentável da cajucultura no Nordeste. Conforme explicou o gerente comercial da Pollux Comercializadora de Energia, Marcos Dias, a energia gerada nessas usinas pode ser lançada à rede do sistema ONS, comercializada no mercado livre ou utilizada pelas próprias empresas produtoras e beneficiadoras de castanha de caju, reduzindo custos e ampliando a sustentabilidade.
 
Planta piloto
 
Para o coordenador da Área de Apoio às Cadeias Produtivas do Indi, da Fiec, Francisco Férrer, o projeto é interessante por ser uma alternativa a mais de geração de energia elétrica no Ceará. Diante do consumo de 4,5 milhões de m³ de lenha, por ano, no Ceará, Férrer sugeriu a ampliação dos estudos para utilização de outros tipos de resíduos, como cascas de coco, palhas de arroz e milho.
 
Se o financiamento no Banco do Nordeste e as licenças da Semace forem liberados logo, as obras da primeira unidade serão iniciadas em janeiro próximo, e os testes operacionais no fim de 2012.

 


Fonte: confea.org.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


joaquim franco junior disse:

05/01/2012 às 16:25

Gostaríamos na oportunidade de parabenizar o Eng. José Ésio dos Santos Pela Iniciativa e esforços em trazer tecnologia alemã, o que já havíamos feito desde 2009 quando encabeçamos o projeto de uma termoelétrica a biomassa oriunda do bioma caatinga de igual capacidade apresenta nesta matéria (%MW), projeto este ja apresentado ao Banco do Nordeste em 2009.

Nossa empresa, ALGABIO Projetos em biotecnologia LTDA, que ha dois anos desenvolve pesquisas e estudos no mesmo segmento de mercado, esta envolvida em projetos de 2 termoelétricas a biomassa no estado do Piauí com capacidade operacional de 50 MW de potência cada uma e investimentos estimados na ordem de 190 milhões de reais e estamos juntamente com o apoio do CENTEC elaborando um projeto para transformar a geração de energia elétrica oriunda da poda de cajueiro, como um projeto de governo que pode contribuir, e muito, para a revitalização dos pomares e melhor aproveitamento do pedúnculo, o que certamente iria contribuir para uma nova fase de prosperidade do segmento.
na oportunidade nos colocamos a disposição para novos esclarecimentos algabio_franco@hotmail.com


Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3453 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey