Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


17/11/2011

PNUMA indica formas de transição à economia verde

Relatório final do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente sugere que um investimento de apenas 2% do PIB global poderia levar dez setores-chave da economia a um desenvolvimento mais sustentável e de baixo carbono

Não é novidade que uma transição para uma economia sustentável é essencial se quisermos ter um futuro em que os recursos naturais não sejam escassos e em que seja possível aliar o desenvolvimento social ao crescimento econômico. Mas há tanto o que mudar em nosso sistema atual que muitas vezes não sabemos nem por onde começar.
 
Por isso, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou nesta quarta-feira o relatório final Rumo a uma Economia Verde: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza, assinalando as mudanças que estão sendo feitas – e as que ainda são necessárias – para alcançarmos um progresso social e econômico sem inutilizarmos o planeta e os recursos naturais de que tanto precisamos.
 
O documento é resultado de um estudo de três anos envolvendo centenas de especialistas, e foi submetido a uma consulta pública de três meses antes de ser divulgado em sua versão final. A pesquisa confirmou os dados preliminares, apresentados em fevereiro deste ano, de que para levar a um desenvolvimento sustentável e de baixo carbono, seria necessário investir 2% do PIB mundial, ou cerca de US$ 1,3 trilhão, na transição para uma economia verde.
 
“O estudo do PNUMA sobre economia verde desafia o mito de que economia e meio ambiente não se relacionam. Com políticas públicas inteligentes, os governos podem fazer crescer suas economias, gerar empregos decentes e acelerar o progresso social de forma a manter a pegada ecológica da humanidade dentro da capacidade do planeta”, explicou Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU.
 
A análise aconselha que os gastos totais sejam divididos entre dez setores-chave: US$ 108 bilhões para agricultura; US$ 134 bilhões para a construção civil; US$ 362 bilhões para energia; US$ 108 bilhões para pesca; US$ 15 bilhões para a silvicultura; US$ 76 bilhões para a indústria; US$ 134 bilhões para o turismo; US$ 194 bilhões para o transporte; US$ 108 bilhões para resíduos e reciclagem e US$108 bilhões para água e saneamento básico.
 
Desta forma, um cenário de investimento verde atingiria taxas de crescimento anuais mais altas do que o cenário habitual de negócios, em um espaço de tempo de cinco a dez anos, e esse crescimento se caracterizaria pela desassociação significativa dos impactos ambientais.
 
Isso significa que nesse cenário, a pegada ecológica global sobre a taxa de biocapacidade poderia diminuir do nível atual de 1,5 para menos de 1,2 até 2050, e chegar mais perto do valor-limite de 1. Já um panorama habitual de negócios pode elevar esse nível para 2.
 
Outra consequência positiva da transição a uma economia verde seria uma redução de 33% das emissões de dióxido de carbono até 2050 em relação aos níveis atuais, mantendo a concentração de emissões de CO2 abaixo de 450 partes por milhão (PPM) e limitando assim o aquecimento global ao limiar de dois graus Celsius.
 
De acordo com o relatório, em relação ao setor energético, por exemplo, um cenário rumo a uma economia verde aumentaria a demanda de energia em um primeiro momento, mas esta retornaria aos níveis correntes até 2050, o que significaria uma diminuição de cerca de 40% em relação ao panorama habitual de negócios, graças a avanços substanciais em eficiência energética.
 
Em relação à agricultura, os investimentos verdes poderiam conduzir a um aumento da qualidade do solo e ao crescimento da produção mundial de diversas colheitas, representando uma melhora de 10% acima do que é possível com as atuais estratégias de investimento. Já o aumento da eficiência na agricultura, na indústria e nas cidades levaria a uma redução de 20% na demanda de água até 2050 em comparação com os níveis atuais.
 
Além dos investimentos verdes nestes dez setores, o documento sugere também que subsídios caros e prejudiciais à economia verde sejam reduzidos gradativamente. Alguns exemplos são os subsídios à pesca e aos combustíveis fósseis, que custaram em 2008 US$ 27 bilhões e US$ 650 bilhões, respectivamente, e acabam resultando em mais danos do que benefícios às economias nacionais e ao bem-estar social.
 
A análise destaca ainda o papel dos países emergentes nessa transição, já que sua participação neste movimento vem crescendo. Para se ter uma ideia, em 2007, o investimento em energias renováveis por países em desenvolvimento foi 29% do total. Já em 2008, essa participação subiu para 40%.
 
Mas o estudo lembra que nada disso será possível se não houver um compromisso mundial diante deste desafio rumo a uma economia verde. “A Convenção da ONU sobre Mudanças do Clima em Durban, que acontecerá na próxima semana, e a Rio+20, são grandes oportunidades para acelerar e ampliar a economia verde”, declarou Achim Steiner, diretor-executivo do PNUMA.
 

“Ações de cooperação abrangem desde a Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) até as compras verdes para mudar os esforços no campo da sustentabilidade. Ademais, um novo indicador de riqueza irá além do PIB e internalizará os custos da poluição e degradação ao trazer o verdadeiro valor da natureza, com base em cálculos que nos levarão a um caminho de sucesso e economicamente sustentável”, concluiu. 


Fonte: institutocarbonobrasil.org.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/10/2019 às 23:17

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1718 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey