Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/12/2011

Praga da seringueira: pesquisador da Empaer recomenda clones resistentes

A praga foi encontrada pela primeira vez no município de Belterra, no Estado do Pará

Com objetivo de recomendar clones resistentes à broca da seringueira (Tapuruia felisbertoi), doença que apareceu no ano de 2008, no município de Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá), causando prejuízo econômico, redução na produção de látex e diminuição da área de exploração da planta, o pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Eliazel Vieira Rondon, desenvolve um projeto que virou tese de mestrado, monitorando 20 clones, sendo 13 brasileiros e 7 clones orientais para controlar a infestação da praga nos seringais.

O inseto também foi encontrado nos municípios de Juína, Rosário Oeste e São José do Rio Claro. Para acompanhar o comportamento da broca foram instalados experimentos no Centro de Pesquisa da Empaer, em Sinop. Foi constatado que o clone RRIM 725 foi o que teve maior infestação de insetos, seguindo dos clones IAN 2878, IAN 6721, IAN 2903 e outros. Os clones que estão sendo indicados para plantio e não foram atacados pela broca são: FX 3864, FX 3988, IAN 2878, IAN 6721, IAN 2903, DT1 PB 235 e RRIM 600 (o mais plantado no Estado).

Conforme Rondon, a praga da seringueira causa preocupação devido à falta de literatura existente no País e submete a planta a sangria precoce, o que torna vulnerável ao ataque de doenças. Ele explica que as larvas raspam a árvore e ao penetrar na casca atinge os vasos laticíferos, provocando perda de látex, destruição da casca e comprometendo sangrias futuras. Os insetos adultos emergem no período chuvoso e após o acasalamento a fêmea deposita os ovos na casca da seringueira e morre.

O inseto Tapuruia Felisbertoi que possui de 10,5 a 18 mm de comprimento tem a seringueira como a única espécie de planta hospedeira. A praga foi encontrada pela primeira vez no município de Belterra, no Estado do Pará, e atualmente já foi localizada no Estado de Goiás. Para combater o inseto, além da utilização dos clones resistentes e aplicação de inseticidas é importante ter um manejo adequado. "É necessário realizar a adubação da capina roçada, não deixar resto de desbrota e fazer a aplicação de inseticidas para controlar o inseto", explica Rondon.

Segundo o pesquisador, a monocultura tem sido apontada como uma grande vilã para o ecossistema facilitando o ataque de doenças. As principais pragas encontradas na seringueira no Estado são mandarová, mosca-branca, vaquinha, cochonilha, pulgão, percevejo-de-renda, saúva e cupim. O pesquisador faz mestrado, na cidade de Campo Grande, no Estado do Mato Grosso do Sul, com a orientação do professor, Silvio Fávero.

BORRACHA

Com uma produção de 27 mil toneladas de borracha por ano e uma área de 46 mil hectares de seringueira (dados do IBGE), o Mato Grosso está classificado em terceiro lugar no ranking nacional em área plantada. A indústria de pneumáticos consome aproximadamente 80% da borracha produzida, imprescindível na fabricação pneu, câmara de ar, luvas cirúrgicas e outros. O Brasil produz apenas 1% e importa 64% dos países asiáticos. O Estado de São é o maior produtor.


Fonte: portaldoagronegocio.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


klinger Alves disse:

06/12/2011 às 22:15

Devemos estar atentos a essas e outras pragas para que não cheguem a nossa região (Mato Grosso do Sul). Talves o nosso clima com secas definidas e longas possam dificultar o seu aparecimento...

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2011 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey