Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/03/2012

Lucratividade da Agricultura: Análise do Dr. Eliseu Alves, ex-presidente da Embrapa.

Eliseu Alves, Geraldo da Silva e Souza e Daniela de Paula Rocha falam neste artigo sobre a Lucratividade da agricultura

Eliseu Alves
O artigo considera a concentração do valor da produção e a renda líquida. Procura mostrar que a 
concentração da produção, os dados mostram ser ela muito alta, está fortemente ligada à modernização da 
agricultura. Daí decorre que o Brasil enfrenta problema grave de difusão de tecnologia, qual seja de fazer 
a tecnologia chegar a milhões de estabelecimentos que contribuíram muito pouco para a produção.
A lucratividade da agricultura é medida pela renda líquida do estabelecimento. Se igual ou maior 
que zero se classifica o estabelecimento como bem sucedido; caso contrário, mal sucedido. A comparação 
se faz entre o grupo bem sucedido e o outro, e nunca com uma situação ideal. Assim, o que um grupo faz 
o outro pode imitar. Da análise emergem as seguintes conclusões: como a pequena produção gastou muito 
menos por hectare, ela está sofrendo discriminação pelo mercado ou discriminação que depende da personalidade do agricultor; os produtores mal-sucedidos têm, por estabelecimento, maior área e maior patrimônio. Ou seja, fracassam na gestão dos recursos que comandam; e eles, ainda, obtêm produtividade 
por hectare e total dos fatores muito menores que as dos bem-sucedidos. Daí decorre que não sabem administrar a tecnologia, considerando-se as restrições e os preços relativos que vigoraram em 2006, ano a 
que se refere o Censo Agropecuário 2006. E não sabem administrá-la porque desconhecem seus parâmetros, erram nas previsões de preços, enfrentam restrições  intrínsecas e de mercado  instransponíveis e, 
ainda, não têm a disciplina necessária. Duas recomendações emergem para extensão rural: ensinar administração rural e ensinar aos agricultores monitorarem a aplicação da tecnologia.
O governo tem papel importante na eliminação das restrições de mercado: risco de preços e de 
clima, acesso ao crédito rural, sendo competitivo no mercado internacional, acesso à tecnologia moderna 
e infraestrutura de transporte, portos e aeroportos. Quanto às restrições intrínsecas, principalmente a aversão ao risco, cabe à extensão rural enfrentá-las. 

Para você ler este artigo na íntegra, basta clicar AQUI!


Fonte: Polo de Excelência em Florestas



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

11/07/2020 às 06:08

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3574 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey