Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


12/11/2012

Água - O uso eficiente da água

O uso da água na agricultura é um fator limítrofe à produção de qualquer cultura, sendo sua disponibilidade em qualidade e quantidade um grande diferencial em projetos agrícolas e florestais de sucesso.

Wagner A. Lopes - Gerente de Negócios da Evonik Degussa
A exploração das terras agricultáveis tem causado confronto com as necessidades de sustentabilidade dos ecossistemas. A produção agrícola e florestal irrigada tem despontado como opção que visa ao uso racional dos recursos hídricos disponíveis.

Dito isso, o manejo racional da água não somente traz benefícios ecológicos como também reduz os custos de produção, gerando maior lucratividade aos empreendimentos rurais. O desenvolvimento industrial das famílias de polímeros chamados “superabsorventes” data da década de 1980, quando se passaram a utilizar tais produtos em larga escala na produção de artigos de higiene, como as fraldas descartáveis e os absorventes femininos. 

Esses produtos se diferenciam pelo alto grau de oclusão da água em sua estrutura química, o que permite aos seus usuários conforto e garantia de produtos “secos” no uso diário.

Com o avanço da tecnologia de fabricação dessa indústria, também se desenvolveram novas linhas de “superabsorventes”, desenhadas especificamente para aplicações em embalagens, extinção de incêndio e condicionadores de solo para uso agrícola, florestal e no paisagismo. 

Nessa última classe mencionada, destacam-se os polímeros à base de Poliacrilato de Potássio, capazes de absorver até 300 vezes seu peso em água e liberá-la às plantas no campo e ao solo. Tal propriedade é denominada, conforme o Ministério da Agricultura, CRA ou Capacidade de Retenção de Água. Devido à sua estrutura química, o cátion potássio é potencialmente disponibilizado por troca iônica com o meio, permitindo, assim, dispor de outra propriedade denominada CTC ou Capacidade de Troca Catiônica. 

Age, portanto, como uma reserva hídrica essencial no transplante de mudas para o campo, reduzindo o estresse do plantio, os efeitos da estiagem e auxiliando no estabelecimento da cultura, disponibilizando nutrientes. Por meio da melhoria das propriedades do solo via osmose e de acordo com a demanda da planta, auxilia no crescimento da raiz e da sua parte aérea. 

Por serem degradáveis, falamos de produtos seguros à planta, ao manuseio e, ainda, ao meio ambiente. A partir da década de 1990, iniciou-se o desenvolvimento dessa nova tecnologia no uso desses produtos na agricultura e no reflorestamento, por recomendações originárias de empresas na África do Sul e EUA.

Popularmente conhecido como “gel”, devido à aparência quando hidratado, passou a ser, então, avaliado por diversos institutos de pesquisa e universidades, buscando adaptar seu uso à nossa realidade, inclusive no plantio de nativas, atendendo às exigências do Código Florestal.

Num setor industrial caracterizado por altas demandas de plantio e suprimento de madeira para indústrias de celulose e papel, carvão, siderurgia, madeira e afins, acrescidos de condições climáticas crescentemente adversas, essa tecnologia veio ao encontro das necessidades de campo. Devido à alta capacidade de absorção de água e aos repetidos ciclos dessa absorção, o mercado ganhou uma nova ferramenta para a “irrigação” de plantio durante estações secas, o que permitiu a redução de custos por diminuição da frequência dessa operação. 

Permitiu ainda que se otimizasse o uso das equipes de irrigação em outras frentes, além de reduzir o transporte de água no campo. Evidentemente que novas tecnologias pioneiras, como essa, encontraram dificuldades, principalmente na implementação operacional, pois buscaram manter a produtividade e o padrão de plantio de campo. 

Assim, nasceu a parceria com fabricantes de equipamentos, que auxiliaram a promover a aplicação adequada desses produtos. Sistemas dosadores, plantadores e aplicadores foram criados para atender à nova demanda, dessa vez, associada à ergonomia, além da qualidade e da produtividade em áreas extensivas. Nesse contexto, podemos dizer que o Brasil se tornou referência mundial, disseminando essa tecnologia a outros países por ter alcançado um nível diferenciado e único no plantio florestal semimecanizado. 

Evidentemente que, apesar de determos, hoje, esse estado da arte, ainda se busca a redução dos custos operacionais da silvicultura. Dessa forma, os próximos passos estão alocados na direção da mecanização e do atendimento às necessidades das empresas nas novas fronteiras agroflorestais em um País, de fato, continental.


Fonte: http://www.revistaopinioes.com.br/cp/materia.php?id=864



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/10/2019 às 21:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1231 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey