Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/11/2013

Ausência de ambição nas metas climáticas prejudica o MDL

Entidade que regula o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e desenvolvedores de projetos alertam que milhões de toneladas de CO2 podem voltar a ser emitidas devido à descontinuidade de projetos

Foto: Divulgação
 


 O Comitê Executivo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) divulgou o seu relatório para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), trazendo a preocupação de que diversos projetos não darão continuidade às atividades de verificação dos cortes nas emissões.

A publicação coloca a ausência de demanda para as Reduções Certificadas de Emissão (RCEs), créditos resultantes dos projetos de MDL, como um dos principais desafios, além de trazer uma série de recomendações. 

Entre elas, o comitê pede que a conferência incentive as partes a usar o MDL, inclusive através do cancelamento voluntário de RCEs no registro do esquema para fins de cumprimento das metas de países, empresas, agências e outras entidades.

O cancelamento voluntário permite aos proprietários de RCEs acessar o mercado de carbono, ampliando as fontes de demanda ao considerar organizações e indivíduos que desejam cortar a sua pegada de carbono.

O comitê coloca a ausência de ambição dos países na redução das emissões de gases do efeito como um dos culpados pela baixa demanda.

Poucos países se comprometeram com o segundo período de compromissos do Protocolo de Quioto, as metas são amenas e há várias restrições ao uso de RCEs, portanto, as perspectivas de demanda não são muito positivas.

Mesmo assim, quase 7.300 projetos foram registrados sob o MDL em 89 países, e cerca de 1.200 estão em processo de validação, coloca o comitê. A emissão de 1,38 bilhão de RCEs, o investimento de US$ 315 bilhões e a economia de US$ 3,6 bilhões também são resultados do MDL.

Porém, o comitê ressalta que houve um declínio de seis vezes, para 346, no número de projetos submetidos à validação no período de 14 de setembro de 2012 a 04 de outubro de 2013, em comparação com 2.276 no ano anterior.

Desenvolvedores de projetos

A falta de ambição nas metas climáticas também foi a crítica de um grupo chamado Fórum dos Desenvolvedores de Projetos, enfatizando, em umdocumento destinado à próxima conferência do clima, que isso está prejudicando os investimentos em projetos de energias limpas. 

O documento também oferece uma série de recomendações, entre elas que a ‘infraestrutura’ do MDL seja preparada para se tornar uma provedora de serviços para novas abordagens, como o ‘Framework for Various Approaches’ e os ‘Novos Mecanismos de Mercado’. 

Sinergias entre o MDL e as Ações Nacionais Apropriadas de Mitigação (NAMAs), bancos de desenvolvimento multilaterais e o Fundo Verde do Clima também são sugeridas.

Uma pesquisa realizada com os maiores desenvolvedores do setor revelou que 82% das empresas citam a ausência de ambição das metas nacionais como a barreira mais significativa à evolução dos projetos de energias limpas e redução das emissões. 

Quase metade das 17 empresas que responderam à pesquisa disse que detém ou gerencia projetos que pararam devido ao preço baixo do carbono, resultando na liberação de milhões de toneladas de CO2 para a atmosfera. 

“Os resultados desta pesquisa enviam um sinal forte aos líderes mundiais de que eles devem agir rapidamente e decisivamente para ajudar a recuperar o preço das emissões de carbono e salvaguardar o investimento futuro na energia limpa”, alertou Gareth Phillips, presidente do Fórum.

Outra pesquisa realizada pelo Fórum com seus membros mostrou uma perda de mais de 50% dos funcionários nas empresas de países desenvolvidos e 33% nos em desenvolvimento. Cerca de 50% pretendiam investir menos no MDL do que há dois anos. A receita proveniente do MDL caiu de 71% do faturamento total das empresas em 2011 para apenas 41% em 2013.

Imagens: 1. RCEs emitidas cumulativamente, projetos registrados cumulativamente e projetos registrados, em registro e em validação por ano, 2004-2013 (outubro) / Comitê Executivo do MDL  
Usina de geração de energia alimentada por bagaço de cana na Índia / Fórum dos Desenvolvedores de Projetos


Fonte: Instituto Carbono Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2020 às 23:27

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1591 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey