Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/11/2013

Brasil terá ferramenta para medir emissões de gases por setores

Google

O Ministério do Meio Ambiente contratou uma consultoria ao custo de R$ 800 mil para criar uma ferramenta de engenharia que vai monitorar o andamento dos planos setoriais de redução de emissões e adaptação às mudanças climáticas nas áreas de indústria, transportes, energia e agricultura, informou o secretário nacional da Secretaria de Mudança do Clima e Qualidade ambiental da pasta, Carlos Augusto Klink.

Com isso, o governo tentará cumprir até 2020 as metas de redução de gases de efeito estufa que integram a Política Nacional sobre Mudanças do Clima. Seu objetivo é cortar entre 36,1% e 38,9% as emissões projetadas para o país até 2020.

O projeto experimental deve ser apresentado na próxima semana em Varsóvia, na Polônia, onde acontece até o próximo dia 22 a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, a COP 19.

De acordo com Klink, a elaboração desse instrumento quer constatar se ele funcionam e, caso contrário, o que terá de ser corrigido a tempo de cumprir as metas de corte. O secretário não deu detalhes sobre em que consiste exatamente a nova ferramenta.

Será apresentado pelo governo “um pequeno protótipo” do novo mecanismo, mas, segundo Klink, já há “planos mais avançados” a respeito. “Serão como centrais de inteligência, que vão apontar como vamos arrumar alguma coisa [que estiver errada]. Não vai haver monitoramento apenas da liberação dos gases de efeito estufa e sim se a política está sendo implementada”, explicou Klink ao G1.

Os planos setoriais fazem parte da política brasileira para cortar as emissões de gases até 2020. O compromisso foi assumido de forma voluntária em 2009, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP 15, realizada em Copenhague. Outros dois projetos também estão em andamento e focam no combate ao desmatamento na Amazônia e no Cerrado.

Para organizações ambientais, analisar e controlar as emissões da indústria e do setor de energia são alguns dos principais desafios do Brasil.

De acordo com o Inventário Nacional de gases-estufa, lançado este ano pelo governo, que avaliou o período entre 2005 e 2010, a área de energia aumentou em 21,4% suas emissões e o setor industrial, 5,3%.

Já um levantamento feito por uma rede de organizações ambientais do país e que analisou as emissões entre 1990 e 2012, mostrou que os gases da geração de energia passaram de 193 milhões de toneladas de CO2 em 1990 para 436 milhões de toneladas em 2012, alta de 126% em 22 anos. Emissões da indústria aumentaram 65%, segundo o mesmo estudo.

André Nahur, coordenador do programa de Mudanças Climáticas e energia da organização ambiental WWF, disse que os planos não devem apenas quantificar os gases, mas englobar um desenvolvimento de baixo carbono e de baixo impacto social e ambiental.

Sobre a exploração do pré-sal, Nahur explica que o governo ainda não está preocupado com o impacto das emissões provenientes da exploração do combustível fóssil. Ele cita que a exploração do campo de Libra, leiloado no mês passado, deve gerar 5,9 bilhões de toneladas de CO2 em 35 anos, fazendo com que o país continue sendo “um dos maiores emissores mundiais, mesmo com a redução significativa do desmatamento”.

“Os planos setoriais existentes não dialogam entre si, são estratégias sem conexão. [...] O PNMC deveria fazer esta análise e discutir de forma integrada e eficiente como os planos podem trabalhar integradamente para que uma redução efetiva das emissões aconteça e que o Brasil consiga construir um futuro de cenários estáveis de baixas emissões garantindo ainda seu desenvolvimento”, disse o porta-voz do WWF.

Klink, do MMA, defende que a política do clima é integradora e disse que o plano decenal de energia tem o objetivo de “manter uma matriz energética diversificada” e que o governo terá um olhar para as emissões do petróleo. “Acho que isso está sendo estudado pelo Ministério de Minas e Energia. O objetivo é reduzir as emissões sim, sendo eficientes, mas também é um país que precisa crescer economicamente”, explicou Klink.


Fonte: Ambiente Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

10/12/2019 às 04:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1249 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey