Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


20/11/2013

Ganhe para preservar

Alguns municípios brasileiros já remuneram (bem) produtores rurais que preservam e regeneram áreas e nascentes dentro de suas propriedades.

Em Minas Gerais, produtor que preserva água tem rendimentos e se torna prioridade para o governo

Em Extrema (MG), mais de R$ 150 mil já foram pagos a 170 produtores rurais. Lá, agricultores e pecuaristas passaram a ser chamados também de produtores de água e de ar. Tudo porque a prefeitura local passou a incentivá-los, com Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA), a preservar nascentes e seqüestrar carbono, com o plantio de árvores nativas e regeneração de cobertura vegetal.

Tem gente que chega a receber R$ 4,2 mil por mês por preservar essas áreas, que já somam cinco mil hectares, 40% da área verde da cidade.

Conforme divulgou o IBGE, através da Pesquisa de Informações Municipais (Munic), 418 prefeituras brasileiras, que representa 7,5% das cidades, já têm instituída alguma política de PSA. A maioria desses municípios fica na região Centro-Oeste.

No âmbito estadual, pelo menos quatro Estados instituiu o PSA, de acordo com Susian Martins, do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVes). O primeiro, em 2007, depois veio o Espírito Santo em 2009, Minas Gerais implantou em 2010 e São Paulo, no ano passado. “Cada Estado criou parâmetros diferentes para captar os recursos e remunerar os agropecuaristas. Não existe um tipo de remuneração padronizada pelo serviço”, explica a pesquisadora.

Na esfera federal, o PSA também vem sendo debatido faz alguns anos, mas o Projeto de Lei 792/2007 deixou de ser discutido por um longo período até que a reformulação do Código Florestal terminasse. “Acredito que agora eles já tenham subsídio para avançar com essa legislação”, diz a pesquisadora. Enquanto a lei não sai do papel, é a iniciativa privada que corre atrás. “Há muitas grandes empresas no Brasil que estão incentivando o produtor rural a protegerem as nascentes e a vegetação, até porque essas empresas dependem de água de boa qualidade e de matas preservadas”.


Fonte: Globo Rural



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

13/12/2019 às 20:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1310 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey