Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/02/2014

Análise da divulgação contábil das empresas florestais

Como as empresas florestais estão cumprindo as normas contábeis para demonstração dos resultados financeiros ao investidor

Ederson de Almeida é diretor executivo da Consufor Consultoria e Avaliações

O plantio de florestas comerciais possui um lastro importante em termos de técnicas silviculturais e de colheita. Nesses aspectos o Brasil possui uma história consolidada que coloca o país em posição privilegiada no âmbito mundial.

Além dos aspectos mercadológicos de atendimento da indústria e benefícios socioambientais, o plantio florestal, ou ativo biológico, possui também uma conexão direta com os aspectos legais e econômicos de seus investidores. Desde 2010 o Brasil adota as demonstrações financeiras seguindo o IFRS (International Financial Reporting Standards), no sentido de permitir que as empresas Brasileiras tenham seus resultados comparáveis mundialmente, principalmente com os países que também adotaram o padrão internacional.

Dessa forma, desde 2010, todas as empresas constituídas na modalidade S/A (Sociedade Anônima), com capital aberto ou fechado (ações negociadas em Bolsa ou não, respectivamente) que possuem plantio florestal estão obrigadas a seguir o IFRS para a escrituração contábil do ativo biológico.

A Consufor, consultoria empresarial especializada em Negócios e Estratégia, analisou as demonstrações contábeis de uma amostra de 20 empresas que possuem ativos florestais no Brasil e que publicam balanço na imprensa oficial. Essa amostra representa mais de 25% da área de florestas plantadas no Brasil e envolveu diversos segmentos dentro do setor florestal. O estudo pode ser acessado diretamente no site da Consufor (www.consufor.com)

O objetivo foi avaliar a qualidade das informações disponibilizadas pelas empresas e avaliar a aplicação do IFRS, mais precisamente a CPC 29, que trata dos ativos biológicos. Além disso, o documento serve como referência para as empresas florestais realizarem suas demonstrações financeiras de 2014 (com base nos dados de 2013).

Os aspectos analisados no estudo são todos baseados na CPC 29, alguns deles são obrigatórios, outros, a norma apenas encoraja as empresas a divulgarem em seu balanço no sentido de oferecer ao investidor transparência. Em resumo, os temas abordados foram os seguintes:

•Base de mensuração: identifica qual é o método que as empresas usam para determinar o valor do seu ativo biológico (fluxo de caixa, custo ou ativos comparáveis);

•Premissas de Determinação do Valor: identifica em que grau de transparência as empresas divulgam as premissas usadas para determinar o valor do ativo;

•Evidenciação de Ganho ou Perda: analisa como as empresas informam em seus relatórios contábeis o ganho ou a perda de valor do seu ativo;

•Indicação de Bens Maduros/Imaturos: identifica se as empresas mostram em seus relatórios financeiros a composição do seu ativo entre bens maduros (comercializáveis, ou seja, com idade adequada para venda) ou imaturo (pré-comerciais, ou seja, ainda muito jovens para venda);

•Declaração de Titularidade Restrita: item que identifica se as empresas destacam se alguma propriedade está com a titularidade restrita ao uso; e

•Estratégias de Administração de Riscos: analisa se as empresas divulgam suas estratégias de administração de risco (furto, queima, invasões, ataque de pragas, manutenção da carteira de clientes e etc), assim como, a existência de seguro florestal.

De uma forma geral, os resultados das análises mostram que as empresas apresentam avanços significativos na forma de divulgação dos resultados contábeis ao mercado investidor. Entretanto, ainda assim boa parte das empresas não atingiu um estado de excelência, principalmente na divulgação das premissas usadas para determinar o valor do ativo biológico.

A falta de clareza da composição e origem dessas premissas pode comprometer a capacidade de demonstrar aos investidores a robustez dos negócios. No médio prazo, o mercado poderá entender essa estratégia como indicador de risco de investimento, diminuindo assim o “apetite” do investidor para o aporte de capital em tais empresas.

Contudo, a Consufor acredita que em 2014 ocorra uma melhora substancial na forma de divulgação dos resultados nos Balanços Contábeis, no sentindo de permitir ao leitor/investidor uma melhor compreensão do desempenho da empresa.

À medida que as empresas disponibilizem as informações de forma clara e precisa, será possível ao investidor analisar com cuidado a acuracidade dessas informações e, consequentemente, decidir sobre investimentos futuros nas respectivas empresas. A clareza das demonstrações claramente fortalecerá o setor de base florestal brasileiro, permitindo assim sua expansão sustentada.

*Diretor Executivo da Consufor Consultoria e Avaliações


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


Fábio disse:

26/02/2014 às 13:47

Não encontrei no site o documento para fazer o download. É pago esse estudo é.

Fábio disse:

26/02/2014 às 13:47

Não encontrei no site o documento para fazer o download. É pago esse estudo é.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1347 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey