Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


14/03/2014

Exploração ilegal de madeira cresce 63% em Mato Grosso

Segundo estado da Amazônia Legal que mais desmata, o Mato Grosso teve mais da metade de sua produção madeireira explorada ilegalmente entre agosto de 2011 e julho de 2012. Um estudo do instituto Imazon mostra que 1.977,47 km² de florestas foram explorados no período, dos quais 54% não tiveram a necessária autorização da Secretaria estadual do Meio Ambiente (Sema).

Google, imagem ilustrativa
Na comparação com o período anterior, de agosto de 2010 a julho de 2011, a exploração ilegal aumentou 63%. O manejo autorizado cresceu apenas 23% — afirma Denis Conrado, pesquisador do Imazon responsável por cruzar os dados da Sema com os do Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora).

Do total não autorizado, que corresponde a 1.066,63 km², 96,4% ocorreram em áreas privadas, devolutas ou sob disputa.

A exploração ilegal atingiu 28,5 km² em terras indígenas. O Parque Indígena do Xingu foi o segundo mais afetado, atrás apenas da Terra Indígena Arara do Rio Branco, que respondeu por 47% do total. O estudo identificou 34,78 km² autorizados em dois planos de manejo que se sobrepõem a terras indígenas.

As maiores áreas de exploração ilegais foram encontradas nos municípios de Marcelândia, União do Sul, Aripuanã, Nova Maringá e Itanhangá.

Em 2010, Marcelândia foi atingida por um grande incêndio, que destruiu pelo menos 11 serrarias e 60 casas. Iniciado no lixão do município, o fogo foi levado pelo vento e teve como combustível grande quantidade de resíduos deixados amontoados pelas serrarias.

A exploração florestal tem grande impacto na economia do município, onde operam 79 serrarias, madeireiras e laminadoras. Em 2013, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), Marcelândia exportou praticamente toda sua produção de madeira para a Bélgica.

R$ 266 milhões em autuações

A extração ilegal de madeira degrada a floresta, deixando-a mais rala. Esse tipo de ação não integra a pesquisa de desmatamento da Amazônia, monitorado pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que identifica o corte raso — ou seja, quando todas as árvores são derrubadas, e a terra fica aberta para ocupação por gado ou produção agrícola. Em geral, antes de desmatar, são retiradas primeiro as árvores cuja madeira é de interesse comercial.

Em 2013, o sistema Deter — Detecção de Desmatamento em Tempo Real, do Inpe, emitiu 845 alertas para o Mato Grosso, atingindo uma área de 1.002,37 km². Nesse caso, são identificadas áreas desmatadas por corte raso, acima de 25 hectares.

Nos últimos dez anos, o Mato Grosso suprimiu 34.214km² de Floresta Amazônica. Foram 1.149 km² apenas no período entre agosto de 2012 e julho de 2013, o que correspondeu a 19,66% do total desmatado na Amazônia Legal — um incremento de 52% em relação ao período anterior. O estado também liderou as autuações, com R$ 266 milhões em multas. De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, cerca de 68% do desmatamento ocorrem em áreas onde a fiscalização é competência dos estados, e os 32% restantes são de âmbito federal — áreas de proteção federais, terras indígenas e assentamentos da reforma agrária.


Fonte: O Globo, 10 de março de 2014.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/10/2019 às 21:10

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2690 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey