Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Plantio de bambu é ideal para terras degradadas do Vale do Paraíba

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


31/03/2014

Plantio de bambu é ideal para terras degradadas do Vale do Paraíba

É o que defende o engenheiro agrônomo e pesquisador Antônio Salgado, que estuda a cultura e outras plantas fibrosas há mais de 50 anos

Plantio é solução boa e de baixo custo, segundo pesquisador

A paisagem desértica do Vale do Paraíba pode ser modificada rapidamente com o plantio de bambu. Pelo menos é o que defende o engenheiro agrônomo e mestre Antônio Salgado, que estuda o bambu e outras plantas fibrosas celulósicas há mais de 50 anos. Para o pesquisador, trata-se de uma solução rápida, de baixo custo e lucrativa para os produtores rurais, pelo fato de a demanda por bambu está aumentando a cada ano.

O bambu tem centenas de utilidades econômicas. Pode ser usado para a fabricação de celulose e papel, além de sacarias industriais, que no Brasil vem se destacando nas embalagens de cimento. Há poucas semanas, Antônio Salgado esteve realizando uma série de consultorias na região Nordeste. Ele informou que há fazendas nos Estados da Paraíba e Pernambuco com o plantio de bambu voltado para a produção de papel e celulose. Outra parte da plantação é utilizada para embalagens. Já no Maranhão, o plantio é voltado para biomassa nas indústrias, inclusive na fábrica da Ambev. No Piauí, a biomassa é usada nas indústrias de cerâmicas.

Grandes grupos empresariais brasileiros já desenvolvem plantios de destaque. De acordo com Antônio Salgado, o grupo João Santos tem mais de 35 mil hectares de bambu – tudo voltado para a fabricação de sacos de cimento. “O bambu serve para muitas coisas, inclusive para a construção de casas, fabricação de móveis, artesanato, sacaria, varas de pescar, tecidos para roupas e até para a alimentação, por meio do broto”, detalhou Antônio Salgado.

Ao ser indagado sobre o financiamento para o plantio de bambu, que passou a ser feito por instituições como o Banco do Brasil, Antônio Salgado disse que se trata de um processo natural, embora um pouco tardio. Para ele, o Brasil poderia está em outro patamar com o bambu caso a cultura não tivesse sido tratada simplesmente como uma praga. “Sempre existiu bambu no Brasil e outras espécies foram trazidas por portugueses, africanos e japoneses”, disse Salgado.

Uma das principais vantagens do bambu, que é uma gramínea, é a sua rápida colheita em relação a espécies madeireiras: apenas 30 meses. Outro fator importante é o rebrotamento, ou seja, a espécie não precisa ser replantada. “O bambu segura bem o solo e evita a erosão. Sem dúvida, seria uma boa solução para as áreas degradadas do Vale do Paraíba, no interior de São Paulo. O mercado é promissor, mas é preciso estudá-lo, assim como o processo de logística. Quem considera o bambu uma praga, é porque não sabe utilizá-lo”, avaliou Salgado.

Uma das novidades para este ano que o pesquisador Antônio Salgado está preparando é o lançamento do seu livro. Intitulado “Bambu com sal: aqui, agora, lá e então”. Modesto, Salgado disse que não se trata de um trabalho científico, mas sim uma obra “técnica e filosófica”. O livro será lançado nos próximos meses e será composto por 33 itens, 68 subitens e 500 fotografias de bambu – todas com explicações detalhadas. Residente em Indaiatuba, no interior de São Paulo, Antônio Salgado faz consultorias por todo o País. Ele se aposentou do Instituto Agronômico de Campinas como chefe da sessão de plantas fibrosas e pesquisador científico seis – o grau máximo.


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/10/2019 às 10:47

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1607 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey