Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


09/11/2019

A DOBRADINHA MILHO E SOJA

Todos os grãos, cereais e oleaginosas são indispensáveis à alimentação humana e animal, às exportações do agronegócio e são matérias-primas consumidas pelas indústrias e agroindústrias, agregando valores aos produtos num conjunto de outras exigências tecnológicas, e resultantes também dos ganhos havidos e por haver no campo da genética vegetal e animal.

A DOBRADINHA MILHO E SOJA*
Todos os grãos, cereais e oleaginosas são indispensáveis à alimentação humana e animal, às exportações do agronegócio e são matérias-primas consumidas pelas indústrias e agroindústrias, agregando valores aos produtos num conjunto de outras exigências tecnológicas, e resultantes também dos ganhos havidos e por haver no campo da genética vegetal e animal. Esses cenários socioeconômicos e científicos complexos abrigam também milhares de pesquisadores, cientistas, consumidores, e um substantivo elenco de empreendedores rurais e urbanos. Há 7,6 bilhões de habitantes nesse planeta Terra e previsão de 9,3 bilhões em 2050!
Esses grãos secularmente têm um leque considerável de múltiplas aplicações e todos eles compartilham também de uma longa história no caminhar da humanidade num cenário de múltiplos hábitos alimentares, necessidades humanas, comércio e trocas, valores, crenças, e até contidos nos fundamentos de práticas culturais e religiosas nos continentes da Terra, com seus deuses, lendas e mitos!
Ceres é a deusa romana da Agricultura, principalmente dos grãos, de onde deriva o termo cereal, apenas um exemplo entre dezenas de outros ligados aos povos e à cultura humana durante milênios (Google).
Além disso, a agricultura, antes terra e esforço hercúleo humano ao longo de milhares de anos, hoje é sinônimo de ciência e tecnologia tracionada pelas demandas de consumo nos mercados globalizantes. Uma saga extraordinária nas artes de pesquisar, difundir, plantar, cuidar, colher, transportar, armazenar, ganhar, perder, abastecer e exportar. Assim posto, a oferta brasileira de milho passou de 32,3 milhões de toneladas, safra 1998/99, para 100 milhões de toneladas na de 2018/19, ou mais 206,7%.
Em Minas Gerais, na mesma comparação acima entre essas duas safras, a produção de milho cresceu de 4,06 milhões de toneladas para 7,53 milhões, mais 85,5%, sendo que na soja essa oferta foi de 1,33 milhão de toneladas para 5,07 milhões de toneladas, avançou 281,2% (Conab). Minas abriga também o Centro Nacional de Milho e Sorgo (Embrapa).
Ressalte-se que na década de 1970, a Emater-MG desenvolveu o primeiro projeto mineiro com a cultura da soja em escala comercial, com o plantio de 2 mil hectares em Ituiutaba e no cerrado do Triângulo Mineiro, com as variedades IAC-2, Pelicano e Santa Rosa, contando com o apoio do BDMG.
Nesse caminhar, o Brasil é o 3º produtor mundial de milho, depois dos EUA e China, num cenário de oferta de 1,12 bilhão de toneladas na safra mundial de 2018/19. Atualmente é o 2º exportador mundial, podendo vender no mercado externo até 35 milhões de toneladas em 2019 (Usda). Ele está presente também em mais de 150 produtos e subprodutos, entre os quais e por via úmida; bolos, sorvetes, fermento em pó, alimentos infantis, corn flakes, sopas, mostarda, papel, papelão ondulado, tecelagem, mineração.
E mais, cosméticos, lixas, explosivos, geleias, compotas, embutidos, cervejas, refrigerantes, molhos, rações, silagens, antibióticos, panificação, produtos farmacêuticos, sondas petrolíferas, óleo comestível, glucose, entre dezenas de outros e como também é usado na produção de energia limpa renovável, biodegradáveis, havendo outros produtos derivados do milho obtidos por via seca (Abimilho).
E mais, registros históricos revelam que a soja aportou no Brasil em 1882, através da Bahia por Gustavo Dutra, sem alcançar êxito à época desse pioneirismo. Em São Paulo, os primeiros cultivos foram praticados pelos imigrantes japoneses por volta de 1908, sendo introduzida oficialmente no Rio Grande do Sul em 1914, e no Paraná em 1954 (Matos, 1986). Vale salientar que a soja já era conhecida na China desde 5.000 a.C.
Com ganhos consideráveis de produção e produtividade numa série histórica, derivados de pesquisas agronômicas, a oferta de soja cresceu de 30,7 milhões de toneladas na safra 1998/99 para 115,1 milhões de toneladas em 2018/19, mais 274,9%, portanto, em apenas 20 anos (Conab). Hoje, o Brasil é o 2º maior produtor mundial, superado apenas pelos EUA, e o maior exportador desse grão no mercado externo. A dobradinha milho e soja responde por mais de 80% das safras brasileira de grãos, cereais e oleaginosas, atingindo 88,8% na safra 2018/2019.
Contudo, o grande destino da soja continua sendo a fabricação de rações para os rebanhos de pequenos e grandes animais, e a produção de óleo para consumo doméstico como frituras, margarinas e maioneses, embora seja largamente usado na alimentação fora de casa por demandas de consumidores definitivamente urbanizados, sendo que a taxa média de urbanização brasileira é de 85% (IBGE). Registre-se que essa modalidade de negócios tem atraído empresários brasileiros como também grandes grupos econômicos internacionais ligados aos sistemas agroalimentares.
Entretanto, a soja também é usada para fins industriais, podendo-se enumerar; lubrificantes e graxas, detergentes, óleos para motores e óleos industriais, aditivos, solventes, adesivos, vernizes, massa de vidraceiro, dispersantes, antiespumantes, dielétricos, substituto do couro, adesivo de madeira compensada, anticorrosivos, calefação, loções, sabonetes, fibras.
Acrescentem-se; velas especiais, tintas, carpetes, tecnologia de concretos, reagentes, espuma para extintores de incêndio, seladores, biodiesel, poliéster, protetores solares, fluídos hidráulicos, tingimentos, reagentes analíticos, e outros usos adicionais (Agrolink). O mundo natural é uma poderosa fonte de novos conhecimentos e práticas, ciência e tecnologia, que se desdobram para além das paisagens rurais! O PIB do agronegócio brasileiro deverá atingir R$ 1,52 trilhão em 2019.
Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte* – 13/10/2019.
 




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

15/11/2019 às 16:09

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


70 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey