Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/04/2014

Agricultores familiares fazem manejo florestal participativo da araucária

Ninguém melhor para conhecer uma árvore do que aquele que a observa e convive com ela no dia a dia. Essa é a premissa do manejo florestal participativo, ponto central do projeto "Uso e conservação da araucária na agricultura familiar", coordenado pela Embrapa Florestas. Participam produtores de Bituruna, Cruz Machado e São Mateus do Sul (PR), e Canoinhas e Caçador (SC).

"Os produtores estão nos ajudando a identificar árvores com diferentes características: produção precoce e tardia de pinhão, árvores com crescimento superior, entre outras", explica a pesquisadora e líder do projeto Maria Izabel Radomski. Já foram coletadas sementes em dez propriedades pelos próprios produtores.

Anísio Rosa, assentado rural há 25 anos, conta que colhe o pinhão de árvores que plantou logo que entrou no lote, além das que já existiam originalmente na região. "Estou aos poucos saindo da agricultura e investindo mais em floresta, em especial na araucária e na erva-mate", afirma o produtor. "A gente não pode pensar só no imediato, mas também no investimento prolongado e a araucária é uma excelente alternativa", ensina Anísio. O produtor está auxiliando na identificação de árvores matrizes com produção de pinhão em diferentes épocas do ano. "Já identificamos cinco árvores-matrizes aqui na minha propriedade. Esse é um jeito de a gente ajudar a ampliar o uso dessa árvore tão importante aqui para nossa região", finaliza.

Uma novidade que está sendo implantada com esse projeto é a análise da distribuição das árvores em áreas de floresta manejadas pelos agricultores. São feitas imagens em escala reduzida que funcionam como uma vista aérea da copa das árvores. Com esse recurso, o produtor pode entender melhor onde estão os vazios, as clareiras, as sobreposições em sua área. "Vai ser possível discutir espacialmente o manejo e o produtor poderá fazer a modelagem de sua propriedade sem comprometer a área com um manejo inadequado", ressalta Radomski.

A primeira experiência dessa metodologia acontece em cinco propriedades. Serão discutidos modelos de integração da araucária aos sistemas tradicionais de produção dos agricultores familiares, seja por meio de plantios puros ou sistemas agroflorestais, tendo na araucária uma fonte de diversificação da renda nas propriedades.


Fonte: Embrapa Floresta



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/11/2019 às 09:26

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1737 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey