Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/04/2017

AGRICULTURA BRASILEIRA: Exuberante e estrangulada



Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na safra agrícola brasileira de 2000/01 a produção atingiu 100,26 milhões de toneladas de grãos e a população somava 167,79 milhões de habitantes. Em 2016/17, no 6º Levantamento da Conab, a oferta de grãos deve atingir 222,91 milhões de toneladas e a população brasileira é atualmente de 207,30 milhões de habitantes. Portanto, comparando-se a safra de grãos de 2000/01 com a de 2016/17 houve um crescimento de 122,33%, e no que se refere ao avanço populacional o número de brasileiros aumentou 23,54%. Portanto, a produção de grãos foi 5,19 vezes maior do que o crescimento da população entre os anos de 2000 e 2017(abril), e a produtividade média das culturas avançou 40,82%.
 Resumindo-se, a oferta de grãos atingiu mais 122,33%, a produtividade média por hectare cultivado 40,82%, e a população brasileira cresceu 23,54% entre 2000 e abril de 2017. Esses dados, entre outros igualmente importantes, revelam o extraordinário desempenho do agronegócio brasileiro no abastecer o mercado interno, exportar e contribuir para reduzir ou estabilizar os preços da cesta básica e mobilizar o segmento dos insumos e tecnologias aliado à agricultura e aos sistemas agroalimentares. Na safra agrícola de 2000/01 a disponibilidade de grãos per capita/ano foi de 597,53 quilos, e em 2016/17 atingiu 1.075 quilos ou mais 79,90%, no mês de abril de 2017.
A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (ONU/FAO) recomenda um mínimo disponível de 500 quilos de grãos per capita/ano, e no limite mais alto 1.000 quilos. O Brasil está fazendo com eficiência seu histórico dever de casa e na convergência dos mercados, tecnologias e adoção de inovações em nível de campo, que é um processo de mudanças multidisciplinar e compartilhado entre agentes públicos e privados. Abastecer e exportar estão liminarmente sintonizados.
 Em 2016, segundo dados da Secretaria da Agricultura de Minas/Mdic, o agronegócio brasileiro logrou um superávit de US$ 71,30 bilhões e nele contidos US$ 6,9 bilhões do agro mineiro. Evidentemente que esse desempenho auspicioso e histórico se deve à uma conjunção de fatores alinhados à tomada de decisão dos empreendedores rurais e seus desdobramentos nos sistemas agroalimentares, entre os quais; aumento da população, distribuição da renda per capita, que estimula o consumo de alimentos e proteínas nobres, ganhos de produtividade nas culturas e gestão mais eficiente nos estabelecimentos rurais.
Mas tem um desafio que persiste há décadas entre promessas, obras ainda acanhadas e diante da magnitude geográfica desse país continental, que é a logística integrada de transportes rodoviário, ferroviário e por vias navegáveis, bem como no desempenhar dos portos graneleiros. Não há como postergar soluções e até privatizações indispensáveis. Essas fragilidades logísticas podem ser fatais numa perspectiva de tempo, pois os espaços comerciais são conquistados e não herdados no mundo do agronegócio. O mercado é soberano nas suas escolhas e preferências.
O Brasil já domina um elenco considerável de inovações tecnológicas, geradas pela pesquisa, na agricultura, pecuária de pequenos e grandes animais, fruticultura, horticultura e no setor de base florestal brasileiro, que nas exportações do ano passado logrou US$ 10,2 bilhões num total de US$ 84,9 bilhões exportados ou 12,01%, e se coloca no 4º lugar do agronegócio nacional no mercado externo, depois dos complexos soja, carne e sucroalcooleiro (Mdic/Seapa). São consideráveis também as vocações do Brasil no avançar dos sistemas florestais, que ainda demandam tecnologias, produtos e serviços.
Segundo o Jornal “O Tempo-BH”, de 06/04/17, economistas e consultorias de bancos estimam que o PIB deve crescer de 0,1% a 0,3% entre janeiro e março deste ano, comparado com o último trimestre de 2016. O salto da agropecuária pode chegar a 8%, pela supersafra agrícola 2016/17, caso contrário, a variação do PIB brasileiro seria negativa. Em 2016, o PIB brasileiro foi de R$ 6,267 trilhões ou US$ 1,796 trilhão, com o dólar médio comercial no ano passado de US$ 3,488.


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/07/2017 às 07:51

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

636 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey