Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


22/11/2015

As barragens de Mariana

Foto - Google Maps
Aprendemos e ensinamos que o desenvolvimento sustentável implica no planejamento adequado do processo de produção; para tanto, é preciso identificar e proteger adequadamente as áreas de preservação, para que se tenha água, biodiversidade e outros serviços ambientais; preciso é, também, usar racionalmente os espaços produtivos, através de práticas sustentáveis de manejo do solo, da água e de outros produtos da terra para satisfação das nossas necessidades básicas.

O homem moderno vem perdendo, paulatinamente, as noções primordiais que regem o bom senso. A visão imediatista do lucro rápido e fácil tem feito do crescimento econômico uma obsessão dos tempos modernos. Aliado à tendência atual de se dar ênfase ao global, ao automático, ao descartável, ao supérfluo e ao trágico, o ser humano vem perdendo, paulatinamente, o senso crítico, a autoestima, o valor dos pequenos gestos e das ações coletivas, a importância das atitudes individuais, a noção do perene e do eterno.

Muito além das necessidades básicas, o homem é movido pelo querer sempre mais, que os recursos naturais são inesgotáveis, levando-o à insensatez de que um possível número de pessoas poderia ser atingida mortalmente pela consequência de seus atos.

As  respostas ambientais, no entanto, são decorrentes das decisões humanas. A natureza jamais se vinga, apenas reage. Hoje, já se tornaram evidentes a extensão e a profundidade dos danos ambientais por tecnologias e processos causados por modelos históricos de apropriação, além de processos produtivos depredatórios, concentradores de renda, riqueza e poder.

Nos últimos dias, assistimos perplexos a  mais uma tragédia, talvez jamais vista no Brasil. Ceifaram-se vidas inocentes e, além disso, a grande maioria dos sobreviventes perdeu a sua memória, sua identidade, seus valores, mito mais do que os bens materiais. Não existe indenização que pague ou apague tais valores destruídos. Por mais que as autoridades e os empresários se solidarizem, ficarão marcadas para sempre, na memória e no coração das pessoas atingidas, as cicatrizes, a dor, a saudade.

Esta não foi a primeira e, com absoluta certeza, não será a última tragédia envolvendo o rompimento de barragens, com resíduos das mineradoras em Minas Gerais. Em passado recente, aconteceram várias situações semelhantes. Houve vítimas fatais e prejuízos materiais. Quanto aos danos ambientais, nem se fala...

Fica a grande pergunta; quantas tragédias serão necessárias para comover o coração e a consciência desses empresários. Muitas das nossas autoridades, aproveitando o momento  de comoção nacional e da cobertura midiática, tornam-se presentes e são solidários. E depois? Com certeza, surgirão leis e mais leis mais severas, mais coercitivas, como resposta aos eleitores.

Aos empresários e engenheiros responsáveis caberá toda a responsabilidade administrativa, civil e penal. Não bastam arrependimentos tardios, pois jamais imaginariam que tal situação acontecesse.  Não precisaria que estas tragédias servissem de lição para os engenheiros que projetam uma barragem, achando-a segura e dentro dos parâmetros técnicos. A natureza não se rege por regras estáticas de matemática e física, onde sofisticados projetos garantem a segurança de uma estrutura que suportaria milhões de metros cúbicos de água e lama.

Esqueceram-se da história do navio Titanic, que, em 1912,,  afundou na sua primeira viagem triunfal, a despeito de ser o maior e melhor do mundo e ”que nem Deus” poderia mudar os seus rumos.  Ao contrário do que pensavam os engenheiros, foi um dos maiores desastres marítimos em tempos de paz de toda a história. Mais de 1500 pessoas estavam a bordo e poucos se salvaram.     

Que o Ministério Público, pela sua autonomia, garanta aos atingidos os direitos assegurados na Constituição, promovendo as medidas necessárias, principalmente, dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Que a Justiça seja rápida, emergencial e eficaz para atendimento das pessoas que perderam todo o seu patrimônio pessoal, seus documentos, seus pertences, sua casa, seu histórico de vida.  Assim o fazendo, a Justiça minimizaria o sofrimento de todas as pessoas atingidas.

Miguel Reale, um dos maiores pensadores dos tempos modernos, assim escreveu em suas Memórias:
“A civilização tem isto de terrível: o poder indiscriminado do homem abafando os valores da natureza. Se antes recorríamos a esta para dar uma base estável ao Direito (e, no fundo, essa é a razão do Direito Natural), assistimos, hoje, a uma trágica inversão, sendo o homem obrigado a recorrer ao Direito para salvar a  natureza que morre”.


Fonte: José de Castro Silva - Engenheiro florestal e Advogado



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/10/2019 às 16:48

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2122 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey