Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


23/02/2012

Brasileiro desenvolve método rápido para prever enchentes

Sistema integra informações de imagens topográficas, o Google Earth e matemática para calcular áreas de risco Proposta, criada no Inpe, foi apresentada no Congresso e no Senado, mas não há previsão de quando será adotada

Um novo método criado por um cientista brasileiro torna mais rápido, simples e barato identificar áreas com risco de enchentes, deslizamentos e outros desastres naturais. O sistema pode ser usado para prevenir as tragédias que se acumulam no período de chuva no país. 
Enquanto as metodologias consagradas hoje em dia precisam que os pesquisadores visitem os locais e tenham um mapeamento detalhado das topografias, o que em geral custa muito caro, o novo projeto pode ser feito à distância e com bem menos requisitos. 
Batizado de Hand (sigla em inglês para altura acima da drenagem mais próxima), ele é um modelo digital de terreno que, para identificar as áreas de risco, precisa apenas de uma imagem da topografia da região -capturada por radar ou laser- e de informações sobre os rios do entorno. 
É gerada então uma espécie de maquete virtual. 
A partir daí, o computador, usando cálculos especialmente desenvolvidos para isso, encarrega-se de identificar as características do terreno, incluindo declividades e distâncias de encostas, entre outras informações. 
MATEMÁTICO 
O modelo parte do princípio de Arquimedes, de que a água escolhe a trajetória mais curta para os terrenos mais baixos. O sistema então traça a trajetória da água e identifica as áreas de risco. 
O modelo foi integrado ao Google Earth, permitindo que a Defesa Civil de qualquer parte do país possa ter acesso rápido às informações e consiga planejar a retirada ou o resgate de moradores. 
"É um arquivo pequeno, pode ser baixado facilmente. O objetivo é simplificar o uso", explica Antonio Donato Nobre, cientista do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Ele liderou o trabalho, que levou dez anos para ser desenvolvido. 
Apesar de inédito, o cientista diz que a ideia é simples. 
"A inspiração surgiu por acaso. Eu tive uma intuição, decidi aplicar e deu certo. Quando eu apresento nos congressos, alguns cientistas no início duvidam, acham que é fácil demais", diz ele. 
A simplicidade, pelo visto, atraiu os pesquisadores. Publicado no "Journal of Hydrology", uma das publicações mais importantes da área, o artigo sobre o Hand ficou vários meses na lista dos mais acessados, à frente até de publicações de referência. 
O modelo Hand foi aplicado com sucesso em áreas com históricos de inundação, inclusive na Grande São Paulo, e em outras onde houve grandes tragédias recentemente, como a região Serrana do Rio. 
ADOÇÃO 
Embora já tenha sido apresentado no Senado e na Câmara, não há previsão de quando (ou se) ele será adotado pelo poder público. 
"A recepção foi muito boa, os políticos elogiaram muito. Mas não sei o que vai acontecer agora", diz Nobre. 
Ele já distribui informalmente o sistema para prefeituras e outros interessados. 
"Mas isso não é certo, tem de haver planejamento. Sou pesquisador, é necessário uma estrutura operacional." 
"Ao mesmo tempo, eu não consigo ficar parado assistindo à tevê enquanto está acontecendo um temporal e eu tenho condições de ajudar."
 

Frases

 

"Quando apresento [o sistema] em congressos científicos, alguns pesquisadores acham que é fácil demais"
"A recepção [no Congresso] foi muito boa, os políticos elogiaram muito. Mas não sei o que vai acontecer agora"
"Não consigo ficar parado assistindo à tevê enquanto está acontecendo um temporal e eu tenho condições de ajudar" 
ANTONIO DONATO NOBRE
cientista do Inpe que coordenou o trabalho de desenvolvimento do sistema


Fonte: Folha de São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


Christian Reichmann Sassi disse:

04/04/2012 às 08:56

Meus cumprimentos ao criador e equipe que desenvolveram este trabalho e também ao site por divulgá-lo. Cito uma frase de uma música de Zé Ramalho que ilustra bem o assunto, é mais ou menos assim: " E aquilo que se revelará aos povos, surpreenderá a todos, não por ser exótico, mas por ter estado oculto enquanto seria o óbvio ".
Parabéns novamente ao Antônio Donato Nobre e ao Zé Ramalho.

Sou Engenheiro Agrônomo e trabalho com conservação de solo e água na SEAB/DEFIS do Paraná. Entrarei em contato com o autor para verificar sobre a possibilidade de usar a metodologia na previsão de áreas agrícolas mais suscetíveis ao processo erosivo. Seria excelente se fosse possível.

Excelente notícia.

Jose Hess disse:

26/03/2012 às 16:53

Quero parabenizá-lo e estimulá-lo à continuar insistindo neste projeto e divulgar junto à autoridades e tecnicos da área floresta,ambiental e geólogos que poderão ajudá-lo à difundir o teu projeto, e saber que infelizamente alguns brasileiros tem uma cultura estranha de não valorizar as criações fietas pelos nativos, e um prazer imensurável de copiar os produtos estrangeiros e não valorizar o nacional.
Mas cabe à nós aos poucos mudar estes conceitos sem nunca desanimar.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1763 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey