Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/04/2017

Carbono orgânico do solo é chave para mitigação das mudanças climáticas



Centenas de especialistas, cientistas, gestores de recursos naturais e acadêmicos de variadas regiões geográficas do mundo participaram este mês de dois grandes eventos internacionais sobre solos: o Painel Técnico Intergovernamental de Solos - ITPS, de 20 a 24 de março, e o encontro científico denominado Simpósio Global sobre Carbono Orgânico do Solo, de 21 a 23 de março, ambos sob a égide da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).
A principal função do ITPS é proporcionar assessoramento científico e técnico à Aliança frente aos principais problemas de solos no mundo e ainda, para atender a solicitações específicas por parte de instituições globais e regionais. O ITPS foi estabelecido durante a primeira Assembleia Plenária da Aliança Mundial pelo Solo, realizada na sede da FAO, em Roma, em 2013.
O evento teve o objetivo revisar o papel dos solos e do carbono orgânico dos solos para dar suporte ao próximo relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas - IPCC e a outros painéis intergovernamentais, bem como aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs). Para tal, discutiu alternativas para a preservação do carbono orgânico do solo e recarbonização de solos degradados.
O simpósio reuniu, pela primeira vez, a FAO, por meio da Aliança Mundial dos Solos, o ITPS, o IPCC, Interface para a Política da Ciência das Nações Unidas para o Combate à Desertificação - UNCCD-SPI e a Organização Meteorológica Mundial – OMM. Na ocasião, a Rede Internacional de Solos Pretos (Black Soil) foi lançada para apoiar e colaborar na manutenção de estoques de carbono orgânico dos solos produtivos do mundo.
A chefe-geral da Embrapa Cocais, Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin, expert em solos, é a representante, em seu segundo mandato, do Brasil e América Latina e Caribe no ITPS, desde 2013. O ITPS é o corpo técnico da Aliança Mundial de Solo - AMS (Global Soil Partnership – GSP) da FAO constituído por 27 especialistas de solos do mundo em busca da gestão sustentável do solo nas diversas agendas de desenvolvimento sustentável.
Segundo a pesquisadora, os solos nunca estiveram tão presentes em discussões conjuntas dos grandes painéis intergovernamentais do mundo, como o IPCC. Mas, graças aos trabalhos do Acordo de Paris, mais abrangente tratado intergovernamental sobre mudança climática criado até agora e do qual o Brasil é signatário, foi de comum acordo que o carbono orgânico do solo é o principal fator para mitigação das mudanças climáticas.
“A conscientização de que o manejo sustentável do solo é a chave para a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas foi um processo que se iniciou com as pesquisas científicas e se fortaleceu com criação, desde 2012, da Aliança Mundial pelo Solo - AMS, cujas ações foram acolhidas pela comunidade internacional e que devem ser continuamente cultivadas para que se alcancem os objetivos propostos", destaca.

Maria de Lourdes lembra, com base no relatório da FAO apresentado no Simpósio, que os solos constituem a maior reserva de carbono terrestre, desempenhando papel crucial no balanço global de carbono e regulando os processos bioquímicos dinâmicos e o intercâmbio de gases de efeito estufa (GEE) com a atmosfera. Quando manejados de forma sustentável, desempenham papel fundamental na adaptação e mitigação das mudanças climáticas e na produção de serviços ecossistêmicos, armazenando carbono (sequestro de carbono) e diminuindo as emissões de gases de efeito estufa para a atmosfera. Além disso, os solos com alto teor de carbono orgânico são mais férteis e produtivos e atuam na purificação da água e são fonte de biodiversidade.
Por outro lado, continua a pesquisadora, quando o solo é mal manejado ou degradado (situação que atinge um terço dos solos no mundo!), o carbono sequestrado e outros gases de efeito estufa resultantes da degradação são reliberados de volta para a atmosfera. Além disso, na presença de alterações climáticas e perda de biodiversidade, os solos tornaram-se um dos recursos mais vulneráveis do mundo. Isso significa que o reservatório de carbono do solo da Terra poderia liberar quantidades maciças de gases de efeito estufa para a atmosfera, ou sequestrar mais deles, dependendo do manejo que se dá a eles, vis-à-vis suas características intrínsecas.
Os três temas principais do Simpósio foram: medição, mapeamento, monitoramento e relatórios sobre carbono orgânico dos solos; manutenção e / ou aumento das reservas de carbono orgânico dos solos (fomentar o sequestro) para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas e neutralidade da degradação do solo; e, o foco especial, a gestão de carbono orgânico dos solos em solos com alto carbono orgânico - turfeiras, permafrost e solos pretos.


Mais documentos disponíveis – Segundo alerta a publicação Carbono Orgânico do Solo: O Potencial Oculto, danos aos estoques de carbono do solo pelo mau manejo do solo dificultará os esforços para limitar o aumento da temperatura global e evitar o aumento das inundações, secas e outros impactos das mudanças climáticas.


Para ajudar a abordar barreiras técnicas e institucionais e fornecer informações importantes sobre como reverter as tendências negativas das perdas orgânicas do solo, sugere-se leitura sobre As Diretrizes Voluntárias da FAO para o Manejo Sustentável de Solos recentemente endossadas.


Fonte: Grupo Cultivar



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/11/2017 às 13:43

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


695 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey