Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/03/2021

CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO AGRO BRASILEIRO

Pode-se aceitar que a inovação tecnológica nos cenários diversificados das culturas, criações, recursos naturais, entendidos como solo, água, fauna e flora, produtores e empresas rurais, é testada, na prática, em milhões de hectares de terras, que fazem parte dos processos produtivos, desde as ofertas regulares de grãos, cereais, oleaginosas e fibras, bem como abrangendo ainda a fruticultura, olericultura, bovinocultura de leite e corte, suinocultura, avicultura, e o segmento agroflorestal!

CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO AGRO BRASILEIRO*
Pode-se aceitar que a inovação tecnológica nos cenários diversificados das culturas, criações, recursos naturais, entendidos como solo, água, fauna e flora, produtores e empresas rurais, é testada, na prática, em milhões de hectares de terras, que fazem parte dos processos produtivos, desde as ofertas regulares de grãos, cereais, oleaginosas e fibras, bem como abrangendo ainda a fruticultura, olericultura, bovinocultura de leite e corte, suinocultura, avicultura, e o segmento agroflorestal!
Portanto, faz-se necessário também relembrar que a inovação gerada pela pesquisa agropecuária associa-se à tomada de decisão nos cenários rurais brasileiros e implica em três condicionantes indissociáveis; econômico (renda); social (qualidade de vida); e ambiental (uso correto dos recursos naturais), sem dúvida alguma, uma tarefa hercúlea e diária nos 365 dias do ano.
Presume-se a não existência de nenhum estabelecimento agropecuário exatamente igual ao outro, embora a média seja mais importante do que qualquer exceção ou ponto fora da curva!
As Ciências Agrárias, Universidades e Centros de Pesquisa continuam sendo estratégicos e indispensáveis para o agronegócio brasileiro nessa busca constante por novos saberes e descobertas, boas práticas adotadas, e por consequência de milhares de demandas do agro numa perspectiva de tempo, ou resumindo; compartilhando com quem planta, cria, abastece e exporta. Contudo, inovação não adotada não é inovação para resolver problemas, embora possa criar conhecimentos.  E mais, as nações mais evoluídas gastam bilhões e bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento, não apenas no sistema agropecuário, e investindo também na formação exemplar de cientistas e pesquisadores, dos quais dependem a sociedade brasileira e mundial nessa marcha batida rumo ao futuro presumível. O conhecimento científico acessado precede as mudanças!
Façamos uma hipótese e sem formular juízo de valor sobre essa abordagem; se o Brasil reunir 20 mil cientistas e pesquisadores de ponta, incluindo na agropecuária, numa população de 211,7 milhões de brasileiros (IBGE/2020) seriam apenas 0,00944% da população total. É o suficiente diante da magnitude e complexidades da Ciência & Tecnologia?
Não se está passando um apagador em cima dos ganhos substantivos derivados da pesquisa e desenvolvimento associados aos mercados; o agronegócio brasileiro é um bom exemplo, e os dados disponíveis confirmam isso desde a década de 1970.
Diz também um ditado; quem sabe o porquê fazer poderá controlar aquele que apenas sabe o como fazer, o que recomenda democratizar os acessos aos conhecimentos e práticas na diversidade de demandas e ofertas, e lembrando que o agro é a maior fábrica de alimentos do mundo, a céu aberto, e movida principalmente, mas não somente, pela pesquisa agropecuária, energia solar e recursos hídricos! O mundo coleciona 7,79 bilhões de habitantes, dos quais 3,5 bilhões (44,9%) já vivem nos centros urbanos (ONU News/2020). A hipótese de um retorno em massa para o campo não tem nenhuma fundamentação científica e demográfica; é futurologia!
*Engenheiro agrônomo Benjamin Salles –março/2021.
 
Notas; com o milho chegando perto de R$ 100,00 a saca de 60 quilos, o que poderia acontecer principalmente na suinocultura tecnificada e na avicultura brasileiras? Quais serão os impactos na agroindústria de rações, e cuja base é o milho (60% na composição)?  Segundo a Conab, a produção de milho foi de 102,5 milhões de toneladas na safra 2019/2020; e previsão de 108,0 milhões na safra 2020/2021 (6º Levantamento).
O registro mais antigo sobre a cultura do milho data de 7.300 anos em pequenas ilhas no golfo do México, sendo que é o grão mais cultivado no mundo, com 1,09 bilhão de toneladas na safra 2019/2020 (Usda).
Segundo o engenheiro agrônomo José Alberto de Ávila Pires, em dezembro de 2020 a saca de milho de 60 quilos nos EUA era de US$ US$ 9,38; e no Brasil, US$ 14,65. Já prenunciava um alerta?
As vendas externas do agronegócio brasileiro somaram US$ 12,1 bilhões em janeiro/fevereiro de 2021, com um superávit de US$ 9,6 bilhões (CNA); mais exporta do que importa! Finalmente, as tecnologias de informação, necessárias, não devem subestimar os contatos diretos entre os pesquisadores, produtores, bem como na assistência técnica pública e particular, na troca de saberes e experiências!
                                 
 
 


Fonte: O Autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

13/04/2021 às 19:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


85 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey