Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


28/02/2012

Código Florestal terá 'briga' que atinge Minas Gerais

Votação do relatório do Código Florestal está marcada para 6 e 7 de março na Câmara. Texto aprovado no Senado foi alvo de intensas discussões e desagrada a todas as partes

Uma nova batalha será travada em Brasília no início do mês que vem, nos dias 6 e 7, quando os deputados votarão o relatório final do Código Florestal. Depois de passar pela Câmara e pelo Senado, o relatório, alvo de intensas discussões, não agrada nem à bancada ruralista, que acredita que a lei limitará a produção, e muito menos aos ambientalistas, que veem no Código Florestal um vilão para a preservação das florestas. Um ponto polêmico afeta diretamente os mineiros: a redução das áreas de pastagens no topo dos morros (ver página 4), que, se aprovada, causará impacto na pecuária leiteira. 

Como foi alterado pelos senadores, o texto será votado novamente pelos deputados antes de seguir para a sanção da presidente Dilma Rousseff. O novo Código Florestal foi aprovado na Câmara em maio do ano passado e revisado pelo Senado em dezembro. “Não sei a cabeça da presidente, mas o governo está satisfeito com o projeto que veio do Senado”, afirma o relator, deputado Paulo Piau (PMDB-MG). Piau explica que nada pode ser acrescentado. O que pode ser feito, segundo ele, é suprimir partes adicionadas pelos senadores, substituir algum ponto da própria Câmara ou fazer emendas para tornar a redação mais clara. “É um projeto que não agrada a nenhum dos lados”, avalia Piau.

O deputado diz que mandou o projeto como ele chegou do Senado para todos os governos estaduais, entidades de classe, universidades e lideranças partidárias para saber as diferentes opiniões. Piau informa que recebeu mais de 100 propostas de alteração, mas cerca de 40 devem ser descartadas e não farão parte do relatório. Já a maior parte, aproximadamente 60, deve ir para a votação na Câmara. 

Pressão

O analista de políticas públicas da organização não governamental WWF Brasil, Kenzo Jucá Ferreira, faz parte do Comitê Brasil em Defesa das Florestas, que congrega diversas ONGs e colaborou para a criação do movimento Veta, Dilma para pressionar a presidente a não sancionar o Código Florestal. Um dos eixos que desagradamaos ambientalistas diz respeito à anistia das multas até 2008. Isso porque o projeto permite o uso das áreas de preservação permanente (APPs) já ocupadas com atividades agrossilvipastoris, ecoturismo e turismo rural. O desmatamento deve ter ocorrido até 22 de julho de 2008, data de publicação do segundo decreto (6.514/08) que regulamentou as infrações contra o meio ambiente com base na Lei 9.605/98. 

O perdão implica abrir mão de 13 mil multas, no valor de R$ 2,4 bilhões, de acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A maior parte delas ocorreu por causa do desmatamento ilegal de APPs e de reserva legal em grandes propriedades da Amazônia. Para conseguir perdão das multas e dos crimes contra o meio ambiente, o proprietário rural deverá aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), a ser instituído pela União e pelos estados.

Para tentar convencer a presidente Dilma a vetar o novo código, o Comitê Brasil em Defesa das Florestas programou um calendário de atividades. Na terça-feira será promovido um seminário na Câmara com apresentação de nove estudos científicos que detalham os impactos da aprovação do Código Florestal para o meio ambiente. Nos dias da votação, 6 e 7 de março, está programada uma Jornada Nacional de Lutas, com atos públicos organizados em 24 estados, além da viagem de caravanas de estudantes e dos movimentos ambientalistas para Brasília.


Fonte: Estado de Minas



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/09/2020 às 15:02

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1160 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey