Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/05/2009

Conservadora de Águas

As pequenas ilhas e os estreitos corredores de vegetação em meio ao vazio das pastagens podem ser notados à medida que se percorre a estrada de terra que corta o bairro das Posses, uma das áreas onde se concentram propriedades rurais de Extrema, pequena cidade do Sul de Minas Gerais, localizada na divisa com o Estado de São Paulo. Ali se encontram agricultores que desde 2007 recebem da prefeitura uma quantia mensal em troca da conservação de nascentes e da liberação de áreas para a recuperação de cobertura vegetal em suas propriedades.

Vista da Cidade de Extrema- MG

As pequenas ilhas e os estreitos corredores de vegetação em meio ao vazio das pastagens podem ser notados à medida que se percorre a estrada de terra que corta o bairro das Posses, uma das áreas onde se concentram propriedades rurais de Extrema, pequena cidade do Sul de Minas Gerais, localizada na divisa com o Estado de São Paulo.  Ali se encontram agricultores que desde 2007 recebem da prefeitura uma quantia mensal em troca da conservação de nascentes e da liberação de áreas para a recuperação de cobertura vegetal em suas propriedades.

O chamado pagamento por serviços ambientais, ou PSA, está inserido num projeto municipal que ganhou o nome de Conservador das Águas. Até se tornar o primeiro município brasileiro a criar uma regulamentação para o PSA - a Lei 2.100, de 2005 -, Extrema percorreu alguns caminhos.

Entre eles, "pensar o município em termos de bacia hidrográfica", nas palavras de Paulo Henrique Pereira, gestor ambiental de Extrema e responsável pelos primeiros diagnósticos de meio ambiente que culminaram na implantação do PSA na cidade.

No total foram identificadas sete sub-bacias, de acordo com um diagnóstico realizado entre 2001 e 2002 no município encravado na parte ocidental do maciço da Serra da Mantiqueira, às margens do Rio Jaguari.  As sub-bacias abastecem não só os 24,8 mil habitantes de Extrema, mas também alimentam o Sistema Cantareira, responsável pelo fornecimento de água a 9 milhões de pessoas na cidade de São Paulo.

O passo seguinte foi analisar o estado de degradação e de conservação de cada unidade hidrográfica, já com a ideia de implantar um conjunto de ações partindo do pior cenário, ou seja, da área com a menor cobertura vegetal e com a qualidade da água mais baixa.  O resultado desse mapeamento mostrou que a Sub- Bacia das Posses, com 1,2 mil hectares, apresentava as piores condições.  E foi ali que o trabalho começou.

Adaptação local

"Grande parte das propriedades rurais do município concentra até 50% de Área de Preservação Permanente (APP), estando muitas delas já degradadas pela transformação em pastos", explica Paulo Henrique.  "Nossa ideia não era somente aplicar o Código Florestal sobre essas áreas, até porque muitos destes agricultores já trabalham com dificuldade.  O objetivo do programa é bem claro: recuperar parte dessa área degradada e dar condições para que o agricultor não a use mais, sem abandonar suas atividades."

Com o auxílio técnico da Agência Nacional de Águas (ANA), veio o caminho para implantar, em Extrema, os Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, que garantiu a entrada de financiamento externo.  Os recursos - da ANA, do Instituto Estadual de Florestas do governo de Minas Gerais e da ONG The Nature Conservancy - são usados no trabalho de conservação do solo, em obras de melhoria da estrada rural, na compra de insumos agrícolas e no pagamento do pessoal contratado para tarefas que vão desde a instalação da infraestrutura até o plantio de mudas, parte delas doada pela Fundação SOS Mata Atlântica.  "O município não teria como financiar [sozinho] essa demanda", destaca Paulo Henrique.

Mourões e cercas

Em 2007, o Conservador das Águas partiu para a ação.  Paulo Henrique lembra o susto que os agricultores tomaram ao ver mourões e cercas chegando à porta de suas propriedades. Era preciso proteger as áreas de nascentes e aquelas destinadas ao reflorestamento, para evitar o contato com o gado. Nesses encontros discutiu-se também o incentivo que cada um receberia a partir de um valor estipulado em R$ 169 por hectare/ ano pela área total da propriedade. O gestor ambiental reconhece que houve resistência entre os primeiros proprietários que tiveram suas terras cercadas.

Segundo ele, a situação só foi contornada quando os agricultores perceberam que seu trabalho também era valorizado, em lugar de ser apenas criticado pelos impactos ambientais. Quem resume bem o contexto é José de Oliveira Bastos, conhecido como Zé Moisés. Ele recebe mensalmente há um ano o PSA no valor de R$ 643.  Produtor de leite e com nove nascentes em suas terras, seu Zé Moisés assinou o termo de compromisso após verificar que o pagamento seria suficiente para locar um espaço externo para aqueles animais que deixariam a propriedade após a delimitação das nascentes e da área de mata ciliar.

Mas seu Zé Moisés alerta que a alternativa beneficia apenas os criadores de gado.  "Ainda faltam ajustes para que o agricultor que trabalha com lavoura possa investir o que recebe com PSA em uma compensação adequada pela perda da área." O valor do PSA está vinculado à área total da propriedade, o que reduz o incentivo aos proprietários menores.

Não obstante a boa adesão dos produtores rurais do bairro das Posses ao PSA - segundo dados do município, 90% da sub-bacia -, esse tipo de mecanismo financeiro não está livre de críticas.  Os argumentos vão desde o mais óbvio, como "preservar é um dever e não um serviço", até os que questionam se os recursos financeiros serão suficientes para mitigar a degradação e se os prestadores do serviço cumprirão com suas obrigações.  Em Extrema, a própria equipe da gestão ambiental local da ANA se encarrega de fiscalizar as áreas de replantio de vegetação.

Na outra ponta, há quem defenda o PSA como uma conta que deve ser paga por toda a sociedade.  "O PSA sinaliza ao produtor rural que a sociedade urbana também participará do programa.  E isso é bom até para quebrar a dicotomia entre bancada ambiental e bancada ruralista", afirma Fernando Veiga, coordenador de serviços ambientais da The Nature Conservancy.  Para ele, o caso de Extrema poderia se estender a outras regiões, inclusive envolvendo latifundiários, desde que seja elaborado de acordo com a realidade de cada bacia hidrográfica e que se identifique o melhor incentivo ao produtor rural.


Fonte: Página22



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/09/2019 às 23:00

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1632 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey