Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


04/02/2013

Cultura de seringueiras para extração de borracha conquista produtores

Minas Gerais é um dos maiores produtores de borracha do país, com extração de 4,5 mil toneladas anuais em 3 mil hectares plantados

A cultura de seringueiras para extração de borracha está em expansão no país, impulsionada pela alta da demanda da indústria de pneumáticos – nos últimos anos, a indústria automobilística cresceu cerca de 30% -, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Atualmente, o Brasil consome 320 mil toneladas de borracha por ano, mas produz 130 mil toneladas e o restante precisa ser importado. A estimativa do Mapa é de que, em 2030, a demanda nacional pelo produto alcance 1 milhão de toneladas.

Minas Gerais é um dos maiores produtores de borracha do país, com extração de 4,5 mil toneladas anuais em 3 mil hectares plantados. A região do Triângulo Mineiro se destaca com a maior produção do Estado, segundo dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, com 77% do volume de borracha de Minas Gerais, o que representa 3,4 mil toneladas por ano.

A Fazenda União, no município de Indianópolis, distante 65 km de Uberlândia, possui uma área de 50 hectares de seringueiras plantadas há 28 anos e há 21 anos em produção de borracha. São cerca de 250 toneladas do produto extraídas por ano das 20 mil árvores da propriedade em produção. Em 2012, a venda da colheita da fazenda para uma usina de borracha em Colina (SP), onde o produto é processado, rendeu R$ 750 mil. “O seringal é um bom negócio. Todo ano plantamos mais algumas mudas para aumentarmos a produção”, disse o gerente da fazenda, Idevan Vaz Resende. Ele ainda afirmou que 35% do ganho são divididos entre os dez seringueiros da fazenda, 15% são para cobrir os custos de manejo da plantação e os outros 50% são lucro dos proprietários. Produtor recebe incentivo do filho

A rentabilidade da produção de borracha atrai novos investidores na região. É o caso do produtor Roberto de Mello Pinto, que tem uma área de 70 hectares com 38 mil seringueiras plantadas há quatro anos no município de Indianópolis. Ele foi incentivado a entrar no negócio pelo filho, que trabalha no setor de pneumáticos. A plantação de Roberto deve começar a produzir borracha em 2015 e, de acordo com a estimativa do produtor, em três anos de produção será possível cobrir os gastos dos seis primeiros anos em que não houve sangria das árvores. “O problema da seringueira é o tempo de espera de seis anos para começar a produzir, mas quando entrar em produção vai ser uma poupança muito interessante, principalmente, para deixar para a esposa, os filhos e os netos”, afirmou Pinto. Cultura é mais rentável que as de milho e soja

Cultivar seringueiras para a extração da borracha é um negócio altamente rentável. Apesar de começar a produzir após seis ou sete anos de plantada a seringueira, o custo-benefício da cultura é melhor do que de o outros plantios, como milho, soja, café e cana-de-açúcar.

O gasto somado dos seis primeiros anos de vida da seringueira é de R$ 14 mil por hectare, valor que pode ser recuperado durante os três primeiros anos de produção. Além disso, a extração da borracha é feita quase que o ano todo. Apenas no período de julho a setembro, a retirada do produto é interrompida para o repouso da planta durante a queda de folhas. A árvore suporta sangria por 50 a 60 anos e depois de terminada a vida útil da planta, a madeira ainda pode ser vendida para o setor moveleiro. Borracha rende 114% de lucro mais que o café

Se comparada ao café, por exemplo, a cultura de seringueiras é 114% mais rentável. Enquanto o lucro do café é de cerca de R$ 3,5 mil por hectare a cada ano, a borracha alcança R$ 7,5 mil por hectare de lucro anual.Isso acontece porque das cerca de 40 sacas de café colhidas por hectare no ano, 30 são para cobrir os custos da produção e colheita, restando dez sacas de lucro a um valor médio de R$ 350 por saca, que resulta em R$ 3,5 mil de lucro para o produtor.

Na produção da borracha, de cerca de cinco toneladas por hectare a cada ano por um valor médio de R$ 3 o quilo são abatidos 35% pertencentes aos seringueiros e 15% do custo de produção. O resultado é um lucro de cerca de R$ 7,5 mil para o proprietário.


Fonte: portaldoagronegocio.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/11/2017 às 13:28

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2066 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey