Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


30/01/2013

Depois de 100 anos, látex ainda é importante fonte de renda na Amazônia

Atividade teve seu apogeu no fim do século XIX.

Foto: G1

Há mais de 100 anos, os riscos no caule da seringueira mudaram os rumos da história na região Norte do país. O látex, seiva que tem alta capacidade elástica, podia ser encontrado em mais de 20 árvores tropicais no planeta, mas nenhuma se comparava em qualidade e produtividade à “hevea brasiliense”, espécie que só existia na Amazônia.

No fim do século XIX, a borracha era o segundo produto mais importante na pauta de exportação brasileira, só ficava atrás do café. O Brasil era o único exportador do mundo, mas nesta mesma época, sementes da seringueira amazônica foram contrabandeadas para colônias do império britânico na Ásia.

Lá, eles conseguiram fazer o cultivo da árvore e em menos de 10 anos, as seringueiras plantadas lado a lado começaram a produzir. Enquanto isso, na Amazônia, o modo de produção continuava o mesmo: seringueiros dispersos pela floresta, ficou impossível competir. Em 1912, o Brasil atinge o auge da produção: 42 mil toneladas, para no ano seguinte ser superado definitivamente pela borracha da Malásia.

Em 100 anos, o Brasil passou de maior exportador do mundo para a desconfortável posição de importador. E não só perdemos mercado, como passamos a depender da borracha produzida na Ásia.

Por ano, 280 mil toneladas são compradas da Tailândia, Indonésia e Malásia, que junto com outros quatro países respondem por mais de 90% da produção mundial. O Brasil participa com 1% do mercado global e a maioria da borracha vem de árvores cultivadas principalmente na Bahia e em São Paulo. Os estados da Amazônia perderam espaço na produção de borracha, mas o látex ainda é meio de vida para pequenos seringueiros.


Fonte: g1.globo.com



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


aUwGjQyiufxwcxZoqpb disse:

04/03/2013 às 15:43

Parabe9ns pelo material de extnceele qualidade, para ser utilizado em demonstrae7f5es com grupos de agricultores, tambe9m com fins acadeamicos.Everson Fleck, Se3o Francisco de Paula/RSPLAGEDER UFRGS

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

Uma meta, sem um plano para chegar lá, nada mais é do que um simples desejo.
Antoine de Saint-Exupery

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

1073 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey