Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


30/01/2013

Depois de 100 anos, látex ainda é importante fonte de renda na Amazônia

Atividade teve seu apogeu no fim do século XIX.

Foto: G1

Há mais de 100 anos, os riscos no caule da seringueira mudaram os rumos da história na região Norte do país. O látex, seiva que tem alta capacidade elástica, podia ser encontrado em mais de 20 árvores tropicais no planeta, mas nenhuma se comparava em qualidade e produtividade à “hevea brasiliense”, espécie que só existia na Amazônia.

No fim do século XIX, a borracha era o segundo produto mais importante na pauta de exportação brasileira, só ficava atrás do café. O Brasil era o único exportador do mundo, mas nesta mesma época, sementes da seringueira amazônica foram contrabandeadas para colônias do império britânico na Ásia.

Lá, eles conseguiram fazer o cultivo da árvore e em menos de 10 anos, as seringueiras plantadas lado a lado começaram a produzir. Enquanto isso, na Amazônia, o modo de produção continuava o mesmo: seringueiros dispersos pela floresta, ficou impossível competir. Em 1912, o Brasil atinge o auge da produção: 42 mil toneladas, para no ano seguinte ser superado definitivamente pela borracha da Malásia.

Em 100 anos, o Brasil passou de maior exportador do mundo para a desconfortável posição de importador. E não só perdemos mercado, como passamos a depender da borracha produzida na Ásia.

Por ano, 280 mil toneladas são compradas da Tailândia, Indonésia e Malásia, que junto com outros quatro países respondem por mais de 90% da produção mundial. O Brasil participa com 1% do mercado global e a maioria da borracha vem de árvores cultivadas principalmente na Bahia e em São Paulo. Os estados da Amazônia perderam espaço na produção de borracha, mas o látex ainda é meio de vida para pequenos seringueiros.


Fonte: g1.globo.com



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


aUwGjQyiufxwcxZoqpb disse:

04/03/2013 às 15:43

Parabe9ns pelo material de extnceele qualidade, para ser utilizado em demonstrae7f5es com grupos de agricultores, tambe9m com fins acadeamicos.Everson Fleck, Se3o Francisco de Paula/RSPLAGEDER UFRGS

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

1118 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey