Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/08/2016

Especial: Madeira - Eduardo da Silva Lopes - Planejamento estratégico na colheita de madeira

Garra de corte (Google Imagens)
Dentro do setor de florestas plantadas, discutir a importância da colheita de madeira em relação à sua complexidade e os elevados custos envolvidos pode parecer redundância, porém é necessário termos em mente que muitos dos problemas passam pela necessidade de maior atenção dos gestores em relação aos aspectos: treinamento, manutenção e planejamento.

Quanto ao treinamento, com os atuais avanços tecnológicos das máquinas de colheita da madeira, que são cada vez mais automatizadas, produtivas e de elevados custos de aquisição, torna-se muito importante que elas sejam manuseadas por operadores capacitados e com perfil adequado ao cargo. Com isso, será possível aproveitar o potencial máximo de produção das máquinas e evitar abandonos do cargo, situação muito comum nas empresas e que pode comprometer todo o planejamento e acarretar elevados custos.

Em seguida, temos a necessidade da implantação de um eficiente programa de manutenção mecânica, com uma infraestrutura adequada e mecânicos capacitados, possibilitando, assim, o atendimento imediato e evitando que as máquinas permaneçam paradas por longos períodos, obtendo-se, consequentemente, ganhos na disponibilidade mecânica, maior produtividade e redução dos custos de produção.

Por fim, nos deparamos com a necessidade de melhorias nos atuais modelos de planejamento e controle aplicados na colheita da madeira, de forma a alcançar o uso racional dos recursos e melhorias na execução das operações do ponto de vista técnico, econômico, ambiental, de segurança e ergonômico.

Nesse aspecto, deve-se ressaltar que, muitas vezes, os problemas observados nas operações florestais estão relacionados às falhas de gestão, seja por problemas de relacionamentos entre as pessoas envolvidas no processo ou por falta de conhecimento ou aplicação inadequada dos aspectos que necessitam ser considerados nos diferentes níveis de planejamento.

O planejamento pode ser definido como a elaboração por etapas, com base técnica, de planos e programas com objetivos bem definidos, ou seja, visa ao desenvolvimento de processos, técnicas e ações a serem executadas no futuro, de forma rápida, coerente, eficiente e com riscos aceitáveis.

O planejamento é muito peculiar dentro de uma empresa florestal, pois existem muitas variáveis envolvidas no processo que podem atuar de forma isolada ou simultânea, em que cada empresa possui suas características próprias, remetendo, portanto, à necessidade de uma maior atenção por parte dos gestores florestais.

O planejamento florestal pode ser subdividido basicamente em três níveis hierárquicos: estratégico, gerencial e operacional. O planejamento estratégico, considerado de longo prazo, envolve ações que ocorrerão em um futuro mais distante, com período de abrangência acima de 3 anos e contemplando decisões que envolvem grandes investimentos, como a aquisição de terras, construção ou expansão de indústria e alterações, nos planos de manejo, silvicultura ou de infraestrutura.

Na sequencia, temos o planejamento gerencial, considerado de médio prazo e com período de abrangência de até 12 meses, podendo ser usadas ferramentas computacionais no apoio à tomada de decisão. O objetivo principal desse nível de planejamento é o desenvolvimento de um plano de colheita e transporte da madeira, a partir de informações dos projetos e dos talhões disponíveis para corte, que são repassados pela equipe de planejamento florestal.

Os principais aspectos considerados são: definição dos projetos e talhões a serem cortados e como a madeira será distribuída para a indústria e/ou demais consumidores; dimensionamento dos recursos físicos e distribuição dos módulos de colheita da madeira em função das distancias de transporte; definição da capacidade produtiva e custos das operações de colheita e transporte; levantamento das condições atuais e melhorias nas estradas e obras de arte; informações do regime de manejo; definição de projetos e talhões estratégicos; sazonalidade do mercado e fretes; elaboração de orçamentos; levantamento dos impactos e ações mitigadoras para as questões ambientais e sociais, etc.

É importante ressaltar ainda que, como o planejamento gerencial envolve uma grande variedade de dados e informações a serem consideradas de forma simultânea, é fundamental que esse trabalho seja realizado por uma equipe multidisciplinar, com a participação efetiva dos gestores e suas equipes das áreas de colheita da madeira, logística, estradas, silvicultura e planejamento.

Por fim, temos o planejamento operacional, considerado de curto prazo, com período de abrangência de 30 dias e podendo ser subdividido em macro e microplanejamento.

O primeiro envolve ações que ocorrem ao nível de fazenda ou projeto, contemplando aspectos como definição da sequencia das operações de colheita e transporte, posicionamento dos módulos de colheita da madeira, dimensionamento dos recursos físicos, levantamento das condições topográficas, definição de talhões estratégicos, pátios intermediários, melhorias nas estradas, rotas de transporte, etc.

Já o segundo envolve ações que ocorrem no interior do talhão, contemplando aspectos como estimativa da eficiência, capacidade produtiva e custos das máquinas, volume a ser colhido, identificação de restrições operacionais, sentindo de corte, sentido e distancia ótima de extração, disposição dos feixes de árvores ou pilhas de toras dentro do talhão, necessidade de abertura de ramais, compartimentalização dos talhões em função das distancias de extração e dos pontos de pilhas, localização dos estaleiros, disposição das pilhas de madeiras nas margens das estradas, dentre outros.

Entretanto, para que todos esses aspectos previstos no planejamento operacional sejam levantados e aplicados na prática, torna-se necessária também a participação das pessoas envolvidas na colheita de madeira, com realização de trabalhos simultâneos de escritório e campo e com apoio das equipes de geoprocessamento e planejamento florestal da empresa.

Nesse momento, é fundamental a elaboração de mapas dos projetos e mapas individuais de cada talhão interligados às suas respectivas planilhas com informações complementares, podendo esse material compor o book Operacional, que auxiliará os supervisores de campo e os operadores das máquinas na tomada de decisões nas frentes operacionais durante a execução do trabalho.

Além disso, para que o planejamento seja executado de forma eficiente, é fundamental que a empresa disponha dos Manuais ou Cartilhas de Operação, com descrição detalhada de todos os procedimentos a serem executados nas diversas de todos os procedimentos a serem executados nas diversas atividades envolvidas na colheita da madeira.

Tais manuais poderão contemplar os seguintes aspectos: descrição dos procedimentos operacionais nas diversas situações de trabalho, de manutenção e abastecimento, aspectos de segurança do trabalho, trabalhos em áreas de riscos, aspectos da qualidade do produto e do serviço, procedimentos para minimização de impactos ambientais, checlist das máquinas, etc.

Por fim, para que todas essas ações previstas no planejamento florestal sejam alcançadas, é fundamental o controle diário de todas as atividades da colheita de madeira, permitindo maior eficiência na execução do trabalho, garantia do abastecimento da indústria, fornecimento de informações para uso no sistema de controle, custos e orçamentos, pagamento de pessoal, e garantia do cumprimento das metas estabelecidas no planejamento estratégico.

Portanto, em função da complexidade da colheita de madeira, que possui um grande número de variáveis que interferem diretamente na forma de execução do trabalho, o planejamento e o controle tornam-se fundamental importância para a otimização das operações e a redução dos custos de produção, sendo uma tarefa desafiadora para os gestores florestais.

*Eduardo da Silva Lopes é professor de Colheita e Transporte do Unicentro e Coordenador do Cerflor

Artigo publicado inicialmente na Revista Opiniões / Março 2016


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Jos? Calegario disse:

17/08/2016 às 15:34

?timo artigo, abrangendo todo o caminho para uma boa Gest?o.
Eu acrescentaria ainda na parte Operacional, a gera??o de informa?es de produtividade, taxa de utiliza??o de m?quinas e equipamentos, disponibilidade mec?nica, consumo de combust?veis, avalia??o de operadores, etc. Esses par?metros servir?o para tomadas de decis?es, como, necessidade de treinamentos,. substitui??o do operador ou m?quina, manuten??o, etc.

Abra?o

Jos? Calegario
engenheiro Florestal
(37)9 9872-7681

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3439 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey