Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Exploração ilegal de madeira cresce 63% em Mato Grosso

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


14/03/2014

Exploração ilegal de madeira cresce 63% em Mato Grosso

Segundo estado da Amazônia Legal que mais desmata, o Mato Grosso teve mais da metade de sua produção madeireira explorada ilegalmente entre agosto de 2011 e julho de 2012. Um estudo do instituto Imazon mostra que 1.977,47 km² de florestas foram explorados no período, dos quais 54% não tiveram a necessária autorização da Secretaria estadual do Meio Ambiente (Sema).

Google, imagem ilustrativa
Na comparação com o período anterior, de agosto de 2010 a julho de 2011, a exploração ilegal aumentou 63%. O manejo autorizado cresceu apenas 23% — afirma Denis Conrado, pesquisador do Imazon responsável por cruzar os dados da Sema com os do Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora).

Do total não autorizado, que corresponde a 1.066,63 km², 96,4% ocorreram em áreas privadas, devolutas ou sob disputa.

A exploração ilegal atingiu 28,5 km² em terras indígenas. O Parque Indígena do Xingu foi o segundo mais afetado, atrás apenas da Terra Indígena Arara do Rio Branco, que respondeu por 47% do total. O estudo identificou 34,78 km² autorizados em dois planos de manejo que se sobrepõem a terras indígenas.

As maiores áreas de exploração ilegais foram encontradas nos municípios de Marcelândia, União do Sul, Aripuanã, Nova Maringá e Itanhangá.

Em 2010, Marcelândia foi atingida por um grande incêndio, que destruiu pelo menos 11 serrarias e 60 casas. Iniciado no lixão do município, o fogo foi levado pelo vento e teve como combustível grande quantidade de resíduos deixados amontoados pelas serrarias.

A exploração florestal tem grande impacto na economia do município, onde operam 79 serrarias, madeireiras e laminadoras. Em 2013, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), Marcelândia exportou praticamente toda sua produção de madeira para a Bélgica.

R$ 266 milhões em autuações

A extração ilegal de madeira degrada a floresta, deixando-a mais rala. Esse tipo de ação não integra a pesquisa de desmatamento da Amazônia, monitorado pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que identifica o corte raso — ou seja, quando todas as árvores são derrubadas, e a terra fica aberta para ocupação por gado ou produção agrícola. Em geral, antes de desmatar, são retiradas primeiro as árvores cuja madeira é de interesse comercial.

Em 2013, o sistema Deter — Detecção de Desmatamento em Tempo Real, do Inpe, emitiu 845 alertas para o Mato Grosso, atingindo uma área de 1.002,37 km². Nesse caso, são identificadas áreas desmatadas por corte raso, acima de 25 hectares.

Nos últimos dez anos, o Mato Grosso suprimiu 34.214km² de Floresta Amazônica. Foram 1.149 km² apenas no período entre agosto de 2012 e julho de 2013, o que correspondeu a 19,66% do total desmatado na Amazônia Legal — um incremento de 52% em relação ao período anterior. O estado também liderou as autuações, com R$ 266 milhões em multas. De acordo com dados do Ministério do Meio Ambiente, cerca de 68% do desmatamento ocorrem em áreas onde a fiscalização é competência dos estados, e os 32% restantes são de âmbito federal — áreas de proteção federais, terras indígenas e assentamentos da reforma agrária.


Fonte: O Globo, 10 de março de 2014.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/10/2019 às 10:38

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2682 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey