Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/09/2012

Faturamento da indústria de embalagens deve chegar a US$ 820 bilhões em 2016

A expectativa de crescimento é significativa, tendo em vista que em 2010 o faturamento do setor foi de US$ 670 bilhões

Pesquisa “The Futures Report: Packaging”, conduzida pela empresa inglesa The Future Laboratory em parceria com a brasileira Voltage, mostra que o futuro da indústria de embalagens está na capacidade de se adaptar às novas demandas do consumidor. De acordo com o World Packaging Organisation, há sinais de  expansão para o segmento, que deve atingir um faturamento global de US$ 820 bilhões em 2016 – expectativa de crescimento significativo, tendo em vista que em 2010 o faturamento do setor foi de US$ 670 bilhões.

A pesquisa revela que os consumidores contemporâneos querem que as embalagens sejam funcionais, divertidas e eco-friendly.

Seguindo a tendência, o mercado single, formado por um enorme contingente de solteiros e pessoas que moram sozinhas, prefere embalagens individuais e práticas, em formatos que não representam um enorme trabalho com limpeza, medição de ingredientes e descarte. Aliás, o novo consumidor prefere materiais menos descartáveis, com um ciclo de vida que permita a reutilização. 

Nos países emergentes que compõem o BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China –, a pesquisa mostra particularidades interessantes dos milhões de consumidores dessas economias; pessoas que passam a consumir, pela primeira vez, inúmeras embalagens de alimentos, bebidas e de eletroeletrônicos (linha branca). Os russos, por exemplo, estão bastante interessados na conveniência da embalagem, mas não se preocupam com o meio ambiente; os brasileiros da classe C preferem embalagens com cores e modelos extravagantes – embora os brasileiros consumidores de artigo de luxo prefiram embalagens sóbrias, também gostam de design colorido como os vistos na marca O Boticário; os chineses querem uma embalagem que comprove a autenticidade do produto; os indianos querem que  ela reflita o orgulho que sentem do país como a marca de água Himalaia.

Os novos padrões comportamentais e perfis de consumo são objeto do The Futures Report; Packaging – o mais completo dossiê de tendências que integra estudo o LS:N Global (LifeStyle News Network), portal internacional da The Future Laboratory. No Brasil, o portal é representado com exclusividade pela Voltage, uma agência produtora de Human Insights e Tendências aplicados aos negócios e às estratégias dos clientes. “Embora haja uma cultura global de valorização das embalagens – tanto quanto o produto é valorizado – há movimentos que questionam o impacto econômico, social e ambiental do culto à embalagem”, analisa Paulo Al-Assal, CEO da Voltage e um dos principais especialistas brasileiros em Tendências.

Entre as tendências detectadas pelo estudo destaca-se a produção de embalagens mais baratas, divertidas, funcionais, informativas e recicláveis. Saudável, simples e conveniente – já há embalagens inteligentes que mostram a temperatura do produto, dimensionando o nível de frescor do alimento. As embalagens para produtos de luxo também têm como fio condutor a questão da sustentabilidade – marcas premium estão criando embalagens colecionáveis para evitar o descarte desnecessário. Uma outra tendência são as embalagens fabricadas com materiais resistentes à pressão e ao calor, permitindo que os alimentos sejam cozidos dentro de caixas multifolhadas. Trata-se de embalagens que podem substituir o vidro ou a lata.

“O emprego de tecnologia na produção de embalagens norteia uma verdadeira revolução na indústria, sobretudo na alimentícia. A pipoca de panela, por exemplo, é um produto que se popularizou a partir da reformulação da embalagem que permitiu o cozimento do produto em micro-ondas. Hoje, a nanotecnologia possibilitou a criação de uma etiqueta que muda de cor para indicar o nível de frescor de frutos do mar e de vegetais. Há cases de enzimas que são colocadas no forro das caixas de leite para quebrar a lactose e tornar o produto adequado aos intolerantes à lactose. Estamos falando das chamadas embalagens inteligentes e ativas – um futuro que já está disponível”, finaliza Paulo Al-Assal.


Fonte: CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/10/2020 às 22:19

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2223 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey