Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


07/06/2011

GCE Papéis produz papel reciclado a partir do bagaço de cana

O papel é produzido em escala industrial e busca ampliar o mercado dos recicláveis

Foto: Divulgação

Reaproveitar o insumo desperdiçado pelas indústrias sucroalcooleiras e produzir um papel reciclado utilizando um ciclo fechado que evita o desperdício de resíduos nocivos à natureza. Esta é a fórmula que a GCE Papéis encontrou para aliar sustentabilidade e ecologia na sua produção do papel Ecoquality® sulfite - um produto feito com o bagaço de cana de açúcar.

A ideia da empresa surgiu em meados de 1995, quando seus dirigentes compraram uma fábrica desativada na região de São Paulo. Segundo o diretor comercial da companhia, Luiz Machado, o objetivo era desenvolver a produção de fibra de celulose a partir do bagaço de cana para fabricar papel. “Nós buscamos levar ao mercado um tipo de papel reciclável diferente, oferecendo uma alternativa para o cliente, com um produto reciclável e ecologicamente correto”, relembra.

O papel Ecoquality® é totalmente reciclado e utiliza resíduos da indústria sucroalcooleira, já num todo, 2/3 desse bagaço é desperdiçado e não aproveitado pelo setor. “O destino deste insumo normalmente é descartável, sendo incinerado”, diz Machado.

O processo tem início com cerca de 300 mil toneladas de bagaço de cana. O insumo permanece em um período mínimo de 18 semanas descansando, o que facilita a ação microbiológica. Depois, o bagaço é bombeado junto à água para um sistema de batedores, para retirar as impurezas. Logo após, é levado a uma área de digestores, onde através de pressão e calor, inicia-se a fabricação da polpa.

Essa polpa é encaminhada para tanques de armazenamento através da despressurização. Lá há uma separação da fibra para conversão em celulose. Após lavada e branqueada, a celulose é encaminhada para a máquina de papel, onde é regulada a gramatura e umidade do papel. Por último, o papel é enrolado em bobinas de aproximadamente 20 toneladas e está pronto para ser comercializado.

“Com o detrito de cana, nós produzimos a celulose e com ela utilizamos para fabricação do papel reciclável. Com cada produção de papel, temos aparas, com elas também produzimos papel. A fórmula toda para a fabricação é um ciclo”, completa Luiz.

A empresa produz o papel Ecoquality® em escala industrial. São 42 mil toneladas mensal e 460 mil toneladas por ano. “A qualidade deste papel é igual ao normal, tendo a cor branca presente em cada folha”, destaca Machado. Atualmente, a empresa atende a um mercado corporativo e os clientes são empresas de grande porte, que buscam um papel com certificado ISO 14000. Esse perfil identifica as diretrizes da GCE Papéis para a gestão ambiental.

Segundo o executivo, o papel reciclado sempre foi marginalizado no Brasil, considerado produto de segunda e terceira linha e visto com um equívoco pelas pessoas. “Elas pensam que por ser reciclável é sinônimo de que é barato e ruim. O que não acontece. Precisa haver mais conscientização da população sobre este produto, sabendo diferenciar o artesanal do industrial”, conclui Machado.

Ação Social
Além de fabricar papéis recicláveis, a GCE mantém como ação de responsabilidade socioambiental, o compromisso com a ONG Trilhos do Jequitibá, que envolve doação de parte da arrecadação da venda do papel Ecoquality®. “Promover o crescimento profissional também é nosso foco. Buscamos através do conhecimento de novas técnicas de transformação de materiais recicláveis em obras de arte, fazer com que crianças e até adultos contribuam com o a preservação do meio ambiente. No final do ano passado, criamos também o projeto social “Qual é o seu papel”. Com ele, incentivamos a inclusão digital de crianças de rua”, afirma Luiz Machado.
 


Fonte: Victor Prates / CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (3)


Annelise Larangeira disse:

08/06/2011 às 18:53

Excelente o trabalho da GCE , além de um papel ecologicamente correto faz tb sua parte em auxilio as comunidades carentes com a inclusão digital

Carla Coda disse:

08/06/2011 às 14:37

Acho extremamente importante não somente a mudança no modelo mental da sociedade mas também ações pela sustentabilidade. Parabéns ao excelente trabalho da GCE.

sandro disse:

08/06/2011 às 13:31

Parabéns a GCE Papéis. Cuidar do meio ambiente e do Social é o que todos deveríamos fazer

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3551 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey