Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/05/2020

HORTICULTURA MOBILIZA O AGRO MINEIRO

Em 2018, apenas na comercialização de atacado nas centrais de abastecimento do País (Ceasas) os produtos mais movimentados foram: 4,08 milhões de t de tomate; 3,84 milhões de t de batata; 776 mil t de batata doce (2017); 120,9 mil t de alho; e 1,62 milhão de toneladas de cebola. No conjunto, a horticultura gera 7 milhões de ocupações diretas em 2,6 milhões de hectares cultivados nos estados produtores.

HORTICULTURA MOBILIZA O AGRO MINEIRO*
Em 2018, apenas na comercialização de atacado nas centrais de abastecimento do País (Ceasas) os produtos mais movimentados foram: 4,08 milhões de t de tomate; 3,84 milhões de t de batata; 776 mil t de batata doce (2017); 120,9 mil t de alho; e 1,62 milhão de toneladas de cebola.
No conjunto, a horticultura gera 7 milhões de ocupações diretas em 2,6 milhões de hectares cultivados nos estados produtores.
E mais, em 2018 os estados ofertaram 575,53 mil t de alface; 417,48 mil t de repolho; 119,84 mil t de couve; 64,61 mil t de brócolis (Horti&Fruit/2019). Além dessas ofertas nacionais, foram exportados US$ 2,33 milhões em tomates; US$ 3,42 milhões em cebolas; US$ 1,84 milhão em batata; US$ 3,64 milhões em batata doce; e US$ 21,29 milhões em ervilhas processadas ou US$ 32,52 milhões, com apenas alguns produtos hortícolas (Agrostat/Mapa).
Contudo, esse dinâmico agronegócio da horticultura brasileira atua mobilizando, multiplicando e demandando mercados, tecnologias, inovações, sistemas de transportes, agro industrialização, vendas in natura, redes de supermercados, com 89,7 mil lojas no Brasil (Abras/2018), programas municipais de abastecimento, feiras-livres, sacolões, entregas em domicílio.  
Somam-se ainda os restaurantes, bares, hotéis e pousadas, comida a quilo, hospitais, alimentação escolar, via (PNAE), lanchonetes, restaurantes populares, universitários, unidades militares, entre outros cenários de consumo, bem como os alinhados às exportações da horticultura. Segundo o IBGE/setembro de 2019; “O hábito de alimentação fora do domicílio foi muito expressivo nas áreas rurais, e saltou de 13,1% em 2003 para 24% em 2018, quase dobrou, enquanto nas áreas urbanas, no mesmo período, aumentou 8,2%.” Interessante, pois se configurava num hábito mais urbano!
Contudo, o coordenador estadual de horticultura da Emater-MG, “Georgeton Silveira, ressalta que essa lógica nacional se aplica também à horticultura mineira, que é o 2º polo brasileiro, depois de São Paulo, e atuando numa área de cultivos de 120 mil hectares (0,2% da área estadual); gerando 300 mil empregos diretos nos 430 municípios, e ofertando 3,5 milhões de toneladas de produtos hortícolas em 2019.”
A antiga Acar/Emater-MG desempenhou e desempenha uma histórica presença institucional nos avanços da horticultura e fruticultura mineiras, desde a década de 1950, quando a Acar lançou um programa de ‘Formação de hortas e pomares domésticos” visando a melhoria da nutrição humana no campo, entre outras ações pioneiras em Minas Gerais!
“Em nível nacional, Minas Gerais ocupa os 1ºs lugares na produção de alho, cenoura, batata e batata-baroa; e 3ºs lugares na produção de tomate e cebola. Em 2018; alho; 44,4 mil t, sendo Rio Paranaíba, com 19,2 mil t (1º lugar); cenoura; 313,8 mil t, Rio Paranaíba, 76,5 mil t (1º lugar); batata (2019), com 1,2 milhão de t e Perdizes, com 215,50 mil toneladas (1º lugar).
Em 2018, batata-baroa, com 67 mil t no País, e predomínio dos municípios de Ipuiúna (51% do PIB vem da agropecuária) e Espírito Santo do Dourado (46,6% do PIB), no Sul de Minas, com 4 mil hectares cultivados ou 1º lugar no Brasil, (Embrapa Hortaliças); a produção de cebola atingiu 189,30 mil t (3º lugar) e tendo Santa Juliana em 1º lugar, com 24 mil t. A produção de tomate foi de 539,6 mil t (3º lugar), e uma oferta de 76,5 mil toneladas em Araguari (1º lugar). Seapa
“Em 2019, dados revelam também que os maiores municípios produtores de alface, chuchu e pimentão são os seguintes; alface, Brumadinho, com 5,23 mil t; chuchu, Santa Bárbara do Leste, 5,60 mil t; e pimentão, Rio Manso, com 5,40 mil toneladas. Em maio de 2020, os três maiores produtores de mandioca de mesa; Uberlândia, com 28,8 mil t (1º lugar); Piedade das Gerais, 17,5 mil t (2º lugar); e Jaíba, 15,6 mil toneladas (Emater-MG).”
A horticultura mineira produz e oferta; abóbora, abobrinha, alface, almeirão, alho, batata, batata-baroa, batata-doce, berinjela, brócolis, beterraba, cebola, cebolinha, cenoura, chuchu, ervilha, jiló, moranga, pepino, pimenta, pimentão, repolho, salsa, salsinha, cebolinha, tomate de mesa e rasteiro.  
Entretanto, considerem-se igualmente os avanços havidos e por haver nos cultivos orgânicos e agroecológicos nos cenários das hortaliças, pois todos são alimentos saudáveis, nutritivos e indispensáveis à saúde humana, e a exigirem boas práticas sustentáveis e condicionadas aos recursos naturais, e à distribuição da renda per capita que estimula o consumo!
Dados indicam que em 2018 foram comercializados no Brasil cerca de R$ 4 bilhões com alimentos orgânicos, sendo as vendas em 64% na rede de supermercados, e 26% nas feiras orgânicas e agroecológicas (Organis/Sebrae). Em 2019, de acordo com a Associação Mineira de Supermercados (Amis), esse setor estratégico teve um faturamento bruto de R$ 37,3 bilhões; 7.314 lojas; assegurando 205.481 empregos formais.
Dados dos Censos Agropecuários na comparação de 2006 com o de 2017 mostram que o número de agricultores dedicados aos produtos orgânicos passou de 5.106 para 68.716 ou 1.245%, enquanto o Ministério da Agricultura revela que eles já ocupam 1,10 milhão de hectares no Brasil, crescendo o número de produtores orgânicos certificados.
Por outro lado, “Georgeton destaca também no mundo diversificado da horticultura mineira as denominadas “hortaliças não convencionais,” que são aquelas presentes em determinadas localidades e regiões, e que exercem uma grande influência na alimentação das populações tradicionais, com suas crenças seculares, hábitos, costumes e valores. São elas; araruta, azedinha, beldroega, bertalha, cansação, capiçoba, chuchu-de-vento, capuchinha, cará-do-ar, caruru, feijão-mangalô, jurubeba, ora-pró-nobis, taioba, serralha e vinagreira, entre outras, e que resultam da diversidade da horticultura estadual.”  
“Esses cenários abrangentes também por suas ofertas e singularidades envolvem; consumidores, inovações, recursos naturais, culinárias regionais, gestão para resultados, tomada de decisão dos horticultores, comunidades rurais e urbanas, extensionistas, pesquisadores, e ativa integração entre a Epamig, Emater-MG, Embrapa Hortaliças, e Universidade Federal de Viçosa (UFV), no que couber e for essencial.”
Por outro lado, tomando-se resumidamente como referência o conceito de agronegócio fundamentado por John Davis e Ray Goldberg (EUA/Harvard/1957), que se traduz num conjunto de atividades econômicas, depreende-se que o agronegócio está definitivamente dependente e associado aos mercados, indústria, agroindústria, comércio e serviços até chegar ao consumidor final, onde ele estiver; sistemas agroalimentares!
Portanto, sem alimentar exaustivas polêmicas, a horticultura inserida nos sistemas agroalimentares e nas exportações também seria, por definição, um agronegócio, seja ela praticada por horticultores familiares, médios e grandes empresários; menos excessos de formalidades conceituais e acadêmicas, e mais lucratividade para quem planta, cria, abastece e exporta! “A inovação não é apenas um instrumento de mudanças tecnológicas, mas também institucionais, sociais e econômicas (Marta Lustosa/MS/UFRJ).”
Uma informação geral; de janeiro a março de 2020 as exportações do agronegócio mineiro somaram US$ 1,7 bilhão, sendo liderados pelo café, com 53,6%, seguidos pelo complexo soja, 13,4%; e carnes, 11,9% ou 78,9% do total (Seapa). Fica uma pergunta destinada aos Centros de Inteligência: qual seria o futuro do agronegócio brasileiro e mundial, depois dessa pandemia virótica?
*Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte - maio de 2020.
 


Fonte: O Autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

03/08/2020 às 14:26

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


281 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey