Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/10/2011

IBPES realiza primeira sessão plenária

Agência FAPESP – A primeira sessão plenária da Plataforma Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês) teve início nesta segunda-feira (3/10), em Nairóbi (Quênia), na sede do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

 “A reunião realizada nesta segunda-feira é histórica para a biodiversidade do planeta”, disse um dos participantes da delegação brasileira, Carlos Alfredo Joly, titular da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (Seped) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e coordenador do Programa BIOTA-FAPESP.

O IPBES é um painel intergovernamental que procura fazer com que o conhecimento científico acumulado sobre biodiversidade seja sistematizado para dar subsídios a decisões políticas em nível internacional.

O órgão teve sua implantação definida em junho de 2010 em uma reunião em Busan (Coreia do Sul) e sua criação foi ratificada em outubro de 2010, durante a 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP10), realizada em Nagoia (Japão) e posteriormente referendada na Reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas.

A delegação brasileira é chefiada pela embaixadora Ana Maria Sampaio e conta também com Bráulio Ferreira Dias, secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), a analista ambiental Keila Macfadem Juarez (MMA) e o ministro conselheiro Antonio Otávio Sá Ricarte, representante permanente do Brasil junto ao Pnuma.

De acordo com Joly, a primeira sessão plenária começou com uma discussão sobre os princípios, funções e estrutura do IPBES. “Foram discutidos os órgãos que devem ser criados – como secretariado, coordenação executiva, painéis de especialistas e grupos de trabalho, entre outros – e os critérios para a escolha do país ou instituições que se candidatarem a sediar o secretariado e demais órgãos do IPBES”, disse.

O Programa BIOTA-FAPESP está envolvido desde o início com o processo de criação do IPBES.

“A criação do IPBES começou a ser discutida em 2005 sob a designação International Mechanism of Scientific Expertise on Biodiversity (Imoseb), mas somente após uma substancial mudança na proposta, de forma a equiparar o poder de decisão entre os países respeitando as desigualdades regionais, a proposta ganhou o apoio necessário para ser de fato implementada”, explicou Joly.

Uma vez transformada em Plataforma Intergovernamental – em que as decisões são tomadas pelo conjunto de países participantes de forma igualitária – a proposta de criação do IPBES ganhou forte apoio do Brasil e dos outros 16 países que formam o Grupo de Países Megadiversos e Afins.

“Considerando a inexistência de uma organização global, capaz de analisar e sintetizar o conhecimento científico para subsidiar a tomada de decisão de governos e convenções internacionais na área de biodiversidade e serviços ecossistêmicos, efetivamente reconhecida tanto pela comunidade científica como pelos formuladores de política, a criação do IPBES foi, finalmente, aprovada em junho de 2010”, disse Joly.

De modo geral, planejava-se que o IPBES tivesse com a Convenção sobre a Diversidade Biológica (CBD, na sigla em inglês) uma relação semelhante à que existe entre o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) e a Convenção do Clima. Assim, embora não fosse um órgão da CBD, teria capacidade de fornecer a base técnica e científica para que a comissão tomasse suas decisões, facilitando a transferência do conhecimento científico para as políticas públicas.

“Diferentemente da Convenção Quadro de Mudanças Climáticas que, ao ser assinada em 1992, adotou o IPCC – criado em 1988 pela World Meteorological Organization (WMO) em parceria com o Pnuma –, a CDB, também assinada em 1992, não contava com um órgão responsável por sintetizar e traduzir os avanços do conhecimento científico para os tomadores de decisão”, disse.

Funções do IPBES

Duas características principais distinguem o IPBES do IPCC. Uma delas é o fato de que o IPBES não está associado apenas à CBD, mas também às demais convenções que tratam da conservação da biodiversidade e de serviços ecossistêmicos, tais como a Convenção sobre Áreas Úmidas (Ramsar), a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção (Cites) e a Convenção Internacional sobre o Combate à Desertificação (UNCCD).

“A outra diferença é que o IPBES tem um forte componente de capacitação profissional não só na interface ciência-política de conservação, mas também na formação de taxonomistas, curadores, especialistas em Sistemas de Informação em Biodiversidade e em modelagem em biodiversidade e serviços ecossistêmicos, de acordo com as necessidades dos países membros”, explicou Joly.

O IPBES tem quatro funções principais. A primeira delas é identificar, priorizar e traduzir informações científicas fundamentais para os tomadores de decisão. A segunda consiste em produzir periodicamente relatórios com o diagnóstico sobre o status da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos.

A terceira função é apoiar a formulação de políticas de conservação e uso sustentável da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, identificando ferramentas e metodologias relevantes e adequadas para serem utilizadas pelos tomadores de decisão.

A quarta função é priorizar a capacitação profissional tanto para geração de dados e informações científicas como na interface ciência-política de conservação e uso sustentável da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos.

“Para atingir esses objetivos, o IPBES vai colaborar com iniciativas já existentes na área de biodiversidade e serviços ecossistêmicos, de forma a buscar sinergias e evitar a duplicação de esforços. O órgão também será cientificamente independente, de forma a assegurar credibilidade e legitimidade”, disse Joly.

O IPBES deverá também assegurar a transparência dos processos de decisão, utilizando, sempre que possível, a revisão por pares. Deverá utilizar processos transparentes e cientificamente reconhecidos para o uso e compartilhamento de dados, informações e tecnologias de todas as fontes relevantes, incluindo publicações tais como dissertações, teses e livros.

Além disso, deverá reconhecer e respeitar o conhecimento de grupos indígenas e de populações tradicionais na conservação e no uso sustentável da biodiversidade e de serviços ecossistêmicos.

“Ciente de seu mandato e dos acordos internacionais na área, o IPBES deverá gerar informações relevantes para a tomada de decisão política sem ser prescritivo. Deverá, ainda, integrar o processo de capacitação profissional em todos os níveis, de acordo com as necessidades de cada país ou região”, afirmou.

O IPBES reconhecerá que a diversidade biológica e o nível de conhecimento científico variam de país para país, assegurando a plena participação dos países em desenvolvimento no órgão, bem como o balanço regional na estruturação dessa plataforma intergovernamental.

“O órgão também irá adotar sempre uma abordagem trans e multidisciplinar, assegurando a participação de todas as áreas de conhecimento, especialmente as ciências naturais e sociais. Tratará igualmente a biodiversidade terrestre, marinha e de água doce e, por fim, usará adequadamente diagnósticos nacionais, sub-regionais e regionais”, explicou. 


Fonte: agencia.fapesp.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/10/2019 às 21:04

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1368 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey