Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/02/2011

IEF troca experiências em Extrema sobre pagamento de serviços ambientais

A equipe da Gerência de Incentivos Econômicos à Sustentabilidade/ Secretaria Executiva do Programa Bolsa Verde realizou visita técnica à Prefeitura Municipal de Extrema para conhecer o Projeto Conservador de Águas e identificar os aspectos dessa iniciativa que podem ser incorporados ao Programa.

O projeto, desenvolvido pelo Departamento de Serviços Urbanos e Meio Ambiente do Município, tem previsão de atuar tanto na manutenção como na recuperação da cobertura vegetal nativa nas sete sub-bacias hidrográficas de Extrema. Iniciado pelas duas com propriedades mais degradadas, as Sub-Bacias do Salto e das Posses, o Conservador de Águas realiza o pagamento por serviços ambientais com base em 100 Unidades Fiscais de Extrema (Ufex)/ha/ano da área total da propriedade, hoje por volta de R$ 187,00 e, caso necessário, adquire os insumos para o cercamento dessas áreas e a recuperação com o plantio de espécies nativas.

Com a adesão de 95 proprietários rurais, 77 deles com contratos já assinados, o Projeto busca manter as condições para o aumento da quantidade e qualidade dos recursos hídricos no Município, contribuindo, assim, para melhoria das águas que vertem para o rio Jaguari, que dá nome à Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRH) Piracicaba/Jaguari.

De acordo com Paulo Henrique Nogueira, responsável pelo Departamento de Serviços Urbanos e Meio Ambiente de Extrema, atualmente, 80% da água do Sistema Cantareira, um dos dois que abastecem o Município de São Paulo, provêm dessa UPGRH, o que aumenta a importância da conservação das águas nos quatro municípios que a compõem, Camanducaia, Extrema, Itapeva e Toledo.

Com o início da operacionalização do Programa Bolsa Verde em 2010 e sua ampliação em 2011, a Giest/SEBV intensificou suas ações para identificar as melhores práticas relacionadas aos pagamentos por serviços ambientais, como o desenvolvido em Extrema, a fim de dar continuidade na implementação da modalidade de manutenção da cobertura vegetal nativa e aprender com as experiências existentes de recuperação de áreas degradadas em projetos como esse.

Com o apoio de Paulo Nogueira e dos integrantes do Projeto Conservador de Águas, Benedito Arlindo, e da bióloga, Taís Trindade, quatro servidores do IEF visitaram algumas propriedades trabalhadas no Projeto, observaram fatores críticos para seu sucesso e discutiram alternativas para a utilização no Bolsa Verde.

As sugestões, como a importância de estabelecimento de parcerias com os agentes locais, que podem ser tanto as unidades desconcentradas do IEF (Escritórios Regionais, Núcleos/Centros Operacionais/Agências Especiais de Florestas, Pesca e Biodiversidade) como Poder Público Municipal e/ou organizações da sociedade civil organizada, serão trabalhadas e encaminhadas primeiramente para deliberação do Comitê Executivo do Programa Bolsa Verde (CEBV).

Nesse órgão colegiado, formado por membros do IEF, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), da Secretaria de Estado de Regularização Fundiária, do Instituto de Terras de Minas Gerais (Iter), da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg) e da Federação dos Trabalhadores em Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), deverá ser referendada a proposta anual para utilização dos recursos do Programa em 2011.

Após essa deliberação, caberá a aprovação pela Câmara de Proteção à Biodiversidade do Conselho Estadual de Política Ambiental (CPB/Copam), para que seja disponibilizado a versão atualizada do “Bolsa Verde – Manual de Princípios, critérios e procedimentos para a implementação da Lei Estadual 17.727, de 13 de agosto de 2008”. Esse documento será a principal referência para a apresentação de novas propostas, quando da abertura do prazo em 2011, e para a análise e deliberação pela SEBV e pelo CEBV.

Atualmente, a SEBV está analisando as propostas encaminhadas no último ano para que sejam deliberadas e pagos, no primeiro quadrimestre de 2011, os benefícios aprovados. Atualmente, o benefício pago é de R$ 200,00 por cada hectare conservado a cada ano, num prazo máximo de cinco anos, e o Programa dispõe de um orçamento  para este ano de, aproximadamente, R$ 8,5 milhões.


Fonte: IEF



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/10/2019 às 22:34

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3051 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey