Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>'Macaúba é o novo ouro brasileiro', diz pesquisador da UFV em MG

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/12/2014

'Macaúba é o novo ouro brasileiro', diz pesquisador da UFV em MG

A mais valiosa das utilidades é a extração do óleo para o biocombustível. Petrobras é uma das maiores financiadores de pesquisas com a planta.

Cada hectare de plantação produz de 4 a 6 toneladas de óleo para biodiesel (Foto: UFV/Digulgação)

No início dos anos 2000, a partir do Programa Nacional de Uso e Produção de Biodiesel, verificou-se que a macaúba era uma das espécies de planta mais promissoras para a produção de biodiesel e bioquerosene - fontes de energia limpa. Mas o furor inicial passou e o interesse diminuiu. Contudo, com a retomada das discussões sobre aquecimento global e desenvolvimento sustentável, a palmeira nativa do Brasil voltou a tomar espaço nas discussões sobre alternativas de uso de energia. Para o professor e cientista da Universidade Federal deViçosa (UFV), Sérgio Yoshimitsu Motoike - que pesquisa a planta desde 2005, a macaúba, hoje, pode ser considerada o novo ouro brasileiro. Tanto que a Petrobras é a maior financiadora das pequisas da unviersidade em relação à planta.

"O aquecimento global é uma realidade reconhecida neste ano, inclusive pelos grandes emissores de gases do efeito estufa, como a China e os Estados Unidos. Mudanças climáticas são percebidas em diversas regiões do mundo, inclusive no Brasil, que passa pela maior seca dos últimos anos. O mundo busca soluções para sustentabilidade do planeta e a macaúba pode se tornar uma dessas soluções, e de grande impacto. Ela poderia ser cultivada em mais de 160 milhões de hectares ocupados atualmente pela pastagem (pecuária). Só em Minas Gerais seriam 25 milhões de hectares. Nessa área pode-se produzir de quatro a seis toneladas de óleo por hectare a cada ano, que pode ser a matéria-prima do biodiesel e do bioquerosene. Já imaginou quanto biodiesel e bioquerosene poderíamos produzir no Brasil? O petróleo é considerado o ouro negro. Já a macaúba pode ser o petróleo renovável cultivado nos campos brasileiros, o ouro", avaliou o professor.

Para Motoike é fácil traduzir em números o potencial econômico da macaúba. "Só em Minas temos 25 milhões de hectares de pastagem. Se a macaúba produz de quatro a seis toneladas por hectare, isso signfica que são 100 a 150 milhões de toneladas de óleo por ano. E se o óleo for comercializado a R$ 1 mil a tonelada teríamos entre R$ 100 bilhões e R$ 150 bilhões de faturamento. Isso só em Minas Gerais. Sem contar os outros produtos que podem ser advindos da macaúba", explicou.
 

Quando fala em "outros produtos", Sérgio Motoike refere-se às mil e uma utilidades da palmeira. Ela também pode servir de matéria-prima para produtos de tratamento capilar; os frutos são comestíveis (a torta da amêndoa da macaúba, por exemplo, tem de 25% a 30% de proteína); o endocarpo do fruto (parte dura do coco) é matéria-prima de alto valor para a produção de carvão ativado utilizado em filtros (também pode ser empregado em siderurgia); suas folhas são forrageiras e possuem fibras têxteis que podem ser utilizadas na confecção de redes e linhas de pesca, por exemplo.

Mas por quê uma planta tão promissora foi tão negligenciada no passado? Segundo o pesquisador da UFV, um dos motivos, e seguramente o mais importante, é que não se conseguia promover a propagação do cultivo. "As sementes apresentavam demência e não germinavam, o que frustrava as tentativas do cultivo agrícula", comentou Motoike. E foi aí que cientista e equipe entraram para reverter a situação. Em 2005, logo após o lançamento do Programa de Uso e Produção de Biodiesel, a Universidade deu asas às intensões da equipe, que conseguiu reverter o problema da germianção das sementes, possibilitando o cultivo.

"O nosso grupo de pesquisa se concentra na área agrícola. Transformar uma planta selvagem como a macaúba em uma planta agrícola domesticada requer um trabalho coordenado das diversas áreas da agronomia. Buscamos desenvolver desde variedades através do melhoramento genético, adubação, controle de praga e doenças à colheita e pós-colheita da macaúba", explicou Motoike, revelando que a maior financiadora das pesquisas é a Petrobras. "Ela (Petrobras) tem interesse na planta para a produção de biodiesel. Contudo, outras empresas, como a europeia Sky Energy, fornecedora de combustível de aviação, buscam informações para a produção de bioquerosene", revelou.

Na Zona da Mata, as primeiras plantações de macaúba aconteceram em Lima Duarte. Mas a empresa que iniciou o plantio, a espanhola Entaban, faliu com a crise em 2009 e, por isso, os investimentos foram interrompidos. Atualmente, segundo Motoike, outras empresas como a Acrotech e a Soleá investem na cidade de João Pinheiro, no Noroeste de Minas.

Para o pesquisador de Viçosa, a palmeira representa sem dúvida o futuro ligado à sustentabilidade. "Considerando a versatilidade e a alta produtividade dessa espécie, quanto os diversos produtos que ela pode produzir e à necessidade de o mundo de se tornar cada vez mais sustentável, acredito que a macaúba é a bola da vez. Nós brasileiros devemos aproveitar a oportunidade que se abre para crescer, desenvolver e se tornar cada vez mais sustentável", destacou.

Cadeia extrativista da macaúba
Em recente entrevista na cidade de Dores do Indaiá, no Centro-Oeste de Minas, osecretário de Desenvolvimento de Minas Gerais, Rogério Nery, reconheceu o poder da macaúba e ressaltou que este é um momento histórico para a produção de energia limpa no Brasil e em Minas Gerais. “Isso vai transformar o campo em produção de combustível ecologicamente correto, atendendo as necessidades do mercado mundial. Hoje, na aviação é uma regra que tem que ser cumprida e o volume de combustível a ser consumido é muito superior a condição que o país tem de produzir”, afirmou.

E mercado para isso o governo do estado garante que já existe. “Nós temos que começar a produzir as primeiras toneladas para exportar. Países como Holanda e Alemanha têm refinarias para este tipo de óleo e podem ser as principais consumidoras”, finalizou Nery.


Fonte: G1 Zona da Mata



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

11/12/2018 às 09:58

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1637 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey