Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


17/08/2010

Micro e pequenas empresas agregam sustentabilidade como valor

Desde abril de 2008, a cerâmica vegetal, feita a partir de sementes de frutos típicos do Norte como o açaí, o tucumã e até mesmo do ouriço da castanha, está sendo fabricada no Amazonas por pequenas empresas e comercializada para revestir paredes e móveis. A matéria-prima é considerada resíduo florestal não madeireiro e tem capacidade de se transformar em revestimentos especiais comparáveis, em beleza e qualidade, aos melhores porcelanatos comercializados atualmente.

Foto: Fotos da Bahia

Os micro e pequenos empreendimentos representam, atualmente, 99% das empresas brasileiras e empregam mais de 50% da mão de obra nacional, segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Ao contrário do que se possa imaginar, estas organizações também investem em sustentabilidade para agregar valor de mercado e contribuir com a preservação do meio ambiente.

Para o gerente da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia (UAIT) do Sebrae, Edson Fermann, a sustentabilidade pode ser entendida como uma forma pela qual os pequenos negócios se tornarão competitivos. "A pequena empresa moderna, inovadora tem que começar a se preocupar com a sustentabilidade do meio ambiente, com o ciclo de vida dela, com o tipo de serviço e a forma como ela realiza. Isso vai ser o diferencial dessa empresa em relação as outras."

De acordo com Fermann, a aplicação de práticas sustentáveis pelas micro e pequenas empresas também diz respeito à própria sobrevivência, uma vez que o mercado já começa a valorizar esse tipo de visão. Segundo ele, esse ponto precisa ser analisado sob dois aspectos. O primeiro vê a sustentabilidade ambiental como um novo negócio, o segundo considera o conceito como vital para "continuar no jogo".

"A mudança de comportamento do empresário não ocorre de uma hora para outra, mas já tem sido feita de forma gradual. Ele sabe que precisa se adequar a essa nova fronteira", Edson Fermann.

Na mesma linha, Carla Virgínia Lima Costa, da Unidade de Atendimento Individual do Sebrae Nacional, destacou que embora o conceito de sustentabilidade esteja na moda, ele ainda segue relativamente distante da realidade das micro e pequenas empresas. "Queremos traduzir essa tendência para o cotidiano das empresas e criar oportunidades economicamente viáveis por meio de negócios sustentáveis", acrescentou.

- Exemplos

Empresas de pequeno e médio porte de diversos setores da economia já aplicam a sustentabilidade, de alguma forma, em todo o Brasil. São panificadoras, fábricas de cerâmica e até mesmo lojas de autopeças, que além de ampliar a rentabilidade do negócio contribuem com o meio ambiente e as gerações futuras. "O Sebrae tem trabalhado nos estados com a questão da produção mais limpa e a eficiência energética. Pode parecer pouco aplicar isso em uma padaria, por exemplo, mas os resultados apontam para a redução do desperdício de eletricidade e lenha", exemplificou Fermann.

Desde abril de 2008, a cerâmica vegetal, feita a partir de sementes de frutos típicos do Norte como o açaí, o tucumã e até mesmo do ouriço da castanha (o ouriço é o fruto da castanheira que contém de 11 a 22 castanhas) está sendo fabricada no Amazonas por pequenas empresas e comercializada para revestir paredes e móveis. Segundo o engenheiro agrônomo e mestre em Sistemas Florestais, Aguimar Simões, a matéria-prima é considerada resíduo florestal não madeireiro e tem capacidade de se transformar em revestimentos especiais comparáveis, em beleza e qualidade, aos melhores porcelanatos comercializados atualmente.

Todo o processo produtivo da cerâmica vegetal do Amazonas é considerado ecologicamente correto, pois aproveita os resíduos da floresta para a geração de produtos usados em decoração de interiores e com aparência exclusiva. A Agrocon Revestimentos da Amazônia, de propriedade de Simões, pretende exportar os produtos para Estados Unidos e França ainda em 2010.

- Varejo

Micro e pequenas empresas do varejo também têm se destacado quando o assunto é a sustentabilidade, por meio do Programa de Responsabilidade Social e Sustentabilidade no Varejo, criado em 2003 pelo Centro de Excelência em Varejo (GVcev) da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP).

Um bom exemplo é o da assistência técnica Astel Refrigera, situada em Itaúna (MG). Lá é feita a reciclagem do gás CFC presente em produtos como bebedouros, ar-condicionado, geladeiras e veículos. Uma válvula perfuradora especialmente produzida para esse fim suga o gás sem permitir que ele seja liberado para a atmosfera. Após ser retirado e armazenado, um compressor realiza a reciclagem do gás. Atualmente, com o CFC em desuso, o gás reciclado é o HFC.

O varejo sustentável contempla desde práticas externas (com os consumidores) até as internas para exercitar a consciência dos funcionários. "Quem assume práticas sustentáveis entende o quanto é economicamente viável e dá um retorno financeiro positivo", considerou a coordenadora de Sustentabilidade no Varejo da FGV, Roberta Cardoso.

Os funcionários da Padaria Estrela de Pelotas, no Rio Grande do Sul, implementam desde 2001 a campanha "O lixo é um luxo", que coleta e recicla latas de alumínio e embalagens PET. Os empregados são estimulados a trazer esse tipo de material em sacolas fornecidas pela empresa. Segundo a dona da panificadora, Fátima Frio, os servidores aderiram à campanha em peso e perceberam a contrapartida conquistada com ela. "O dinheiro conseguido com ‘O lixo é um luxo' já subsidiou uniformes novos e muitas atividade de lazer para eles", citou.

- Evento

Os impactos e as oportunidades do desenvolvimento sustentável nos pequenos negócios serão discutidos no XIV Encontro Internacional de Empreendedores, que será realizado de 16 a 18 de novembro, no Rio de Janeiro. Em pauta estarão temas como energia limpa, economia de baixo carbono e reciclagem de resíduos sólidos, entre outros.

Se você pretende ser um empreendedor sustentável, ligue para 0800 570 0800 e procure o Sebrae de sua cidade, informando-se sobre os programas disponíveis.

Com informações do Portal ODM e da Agência Sebrae de Notícias.


Fonte: Portal EcoD citado por MSNVerde



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/07/2019 às 07:43

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3499 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey