Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/04/2019

O DESEMPENHO DA AGRICULTURA BRASILEIRA

O DESEMPENHO DA AGRICULTURA BRASILEIRA Embora haja uma longa história sobre a agricultura brasileira, entre conquistas, desafios, pesquisas e estudos, podem-se citar dois exemplos emblemáticos entre dezenas de outros: os ciclos do café desde 1727, e o da cana de açúcar, desde 1533, vigentes e ainda vigorosos, pois o Brasil ocupa nessas duas culturas a liderança mundial em produção e exportação. Houve, sem dúvida alguma, um substantivo desempenho da agricultura brasileira a partir da 2ª metade da década de 1970, pois, antes, o Brasil importava até feijão-preto do México.

O DESEMPENHO DA AGRICULTURA BRASILEIRA – I*
Embora haja uma longa história sobre a agricultura brasileira, entre conquistas, desafios, pesquisas e estudos, podem-se citar dois exemplos emblemáticos entre dezenas de outros: os ciclos do café desde 1727, e o da cana de açúcar, desde 1533, vigentes e ainda vigorosos, pois o Brasil ocupa nessas duas culturas a liderança mundial em produção e exportação. Houve, sem dúvida alguma, um substantivo desempenho da agricultura brasileira a partir da 2ª metade da década de 1970, pois, antes, o Brasil importava até feijão-preto do México.
Além dos mercados estimulantes interno e externo, foram integradas aos processos produtivos das culturas as múltiplas tecnologias, inclusive genéticas, embarcadas e consolidadas “das sementes aos guichês,” uma expressão cunhada pelo saudoso extensionista da Emater-MG, o engenheiro agrônomo (MS) Sérgio Mário Regina.
A complexidade da agricultura exige saberes, talentos humanos e boas práticas sustentáveis, válidas igualmente para as cidades e regiões metropolitanas, à medida de que a urbanização é um processo irreversível, e nunca os urbanizados dependeram tanto do campo! O Brasil coleciona 85% da população vivendo fora dos territórios rurais, sendo que 100 milhões de brasileiros não têm acesso ao saneamento básico (IBGE), fator adverso a determinar recorrentes poluições nas malhas hídricas no campo e à revelia dos empreendedores rurais!
Vale assinalar que a conservação e preservação dos recursos naturais são tarefas solidárias, campo e cidade, que convocam a todos nessa marcha batida rumo ao futuro, e não somente quem planta e cria. Nesses cenários complexos por natureza, registre-se sem demérito de nenhuma outra instituição de ensino e pesquisa brasileira numa série histórica, é fundada também a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em 1972, de conceito internacional, e protagonista nos processos de difusão de inovações tecnológicas nos cenários da agropecuária brasileira nos últimos 47 anos!
Contudo, assinale-se que desde os idos de 1948, a Associação de Crédito e Assistência Rural, conhecida como Acar, hoje Emater-MG, por suas equipes de extensionistas rurais, percorria os municípios mineiros, sem nenhuma assistência técnica, extensão e crédito rural, levando-lhes ciência, tecnologia e boas práticas para milhares de produtores rurais e suas famílias não apenas nas artes de plantar e criar, como também as inovações nos domínios do bem-estar social, enquanto conceito e prática de qualidade vida nas propriedades assistidas, cenários onde ainda viviam 70% dos mineiros.  Minas era rural!
Um sistema pioneiro e inovador, à época, e logo após o fim da 2ª Grande Guerra Mundial, que terminara em maio de 1945! Como os EUA não foram invadidos se tornaram a maior potência econômica, agropecuária, militar, científica e tecnológica do pós-guerra, liderança mundial até hoje!
Já no ano de 1949, ou há 70 anos, iniciou-se também a introdução do milho híbrido entre os produtores familiares assistidos diretamente pela Acar e através de demonstrações de resultados, unidades demonstrativas, visitas técnicas, concursos de produtividade, incluindo-se os jovens rurais dos Clubes 4-S (Saber-Sentir-Saúde-Servir) existentes 1952/1974, que reuniram um somatório até 30 mil moças e rapazes quatroessistas, através de projetos assistidos de agricultura, pecuária, artesanato, corte e costura, e economia doméstica!
São fatos históricos neste breve resumo, que não podem ser subestimados ou serem perdidos ao longo do tempo. Um País sem memória não tem história, e aceitar simplesmente a tese de que museu é para quem gosta do passado, poderá expressar uma diminuta visão de Mundo. Questão de escolha!
A agricultura evoluindo também traciona estrategicamente o mercado brasileiro de fertilizantes, calcários, mudas, sementes, máquinas e equipamentos agrícolas, serviços rurais, bem como os sistemas de transportes, armazenamento, portos destinados às exportações, irrigação e drenagem. Ao que se somam as redes de revendas de insumos agropecuários e agroflorestais, pesquisa de ponta e desenvolvimento, adoção de inovações, entre outras condicionantes indispensáveis à agricultura brasileira.
E para mais, estimula o mercado para novas tecnologias de informações voltadas para o planejar e avaliar o agronegócio, que igualmente abrange outras culturas como soja, algodão, cana-de-açúcar, e produtos dos sistemas florestais. Resumindo-se em parte, hoje o Brasil é o primeiro produtor e exportador de café, açúcar, suco de laranja, e primeiros lugares na exportação de carnes de frango, bovina e soja em grão (USDA/Embrapa).
A agricultura colabora regularmente com a política de governo no controle inflacionário, ampliando o acesso aos alimentos mais baratos e gerando superávits históricos nas exportações do agronegócio brasileiro que, em 2018, atingiu a cifra de US$ 81,86 bilhões, dos quais US$ 7,28 bilhões são devidos ao agronegócio mineiro ou ainda responsável por 48,9% do saldo total das exportações comerciais de Minas Gerais.
Entretanto, considerando-se o longo período de 1997 a 2017, o superávit acumulado foi de US$ 1,1 trilhão (Esalq/USP). Não há outro segmento da economia brasileira com esse desempenho agrícola, pecuário e florestal, que abastece o mercado interno e exporta, o que não se revela em detrimento de outros setores socioeconômicos no conjunto das demais atividades públicas e empresariais igualmente estratégicas na oferta de emprego e renda e qualidade de vida para os brasileiros.
O DESEMPENHO DA AGRICULTURA BRASILEIRA – II*
Por consequência, embora seja uma análise tangencial, emergem muitos papéis estratégicos da agricultura mineira e brasileira, para além de produzir grãos, cereais, oleaginosas, produtos florestais, fibras, biomassa e agro energia, embora sejam eles essenciais à economia, mas também os grãos são indispensáveis aos rebanhos de pequenos e grandes animais, e às exportações do agronegócio.
Nesse caminhar, na safra 2018/2019, os EUA e a China devem ofertar 623,6 milhões de toneladas de milho, 56,7% da produção mundial, cabendo 366,2 milhões de toneladas aos EUA ou 33,3% (USDA). No Brasil, a estimativa é de 92,8 milhões de toneladas (Conab- 6º Levantamento), 3º lugar mundial.
O desempenho da agricultura brasileira demanda quantidades crescentes de fertilizantes, e o consumo aparente passou de 1,97 milhão de toneladas em 1975 para 34,46 milhões em 2017 ou mais 1.649% (ANDA). Há igualmente lugar para os produtos orgânicos e agroecológicos, embora não se deva “demonizar” a agricultura em bases empresariais. Uma polêmica desnecessária!
Noutra convergência, o consumo correto de fertilizantes, que depende de análise do solo, não desobriga os tratos culturais, bem como outras boas práticas sustentáveis, pois a agricultura é sinérgica e dinâmica, e os recursos naturais finitos; agregam-se também os fertilizantes destinados à horticultura e fruticultura.
Segundo a Associação Nacional dos Produtores de Milho dos EUA, em condições climáticas favoráveis e manejo otimizados na cultura de milho, os produtores associados que buscaram os níveis máximos de produtividade por hectare cultivado obtiveram excepcionais desempenhos; 472 sacas em 2013 (28.320 kg); 523 em 2014 (31.380 kg); e 553 sacas de milho em 2015 (33.180 kg).
Assim, quanta tecnologia também embarcada numa semente híbrida de milho. A produtividade norte-americana na safra 2017/2018 é de 180,6 sacas (Google); e no Brasil, 80,95 sacas por hectare (Conab). Ainda há muito o que fazer no campo nas culturas e criações nas regiões produtoras, e com os produtores.
O Brasil é o 2º produtor mundial de soja, e o novo Campeão Nacional de Produtividade Máxima de Soja, safra 2017/2018, Gabriel Bonato (RS) colheu 127,01 sacas (7.620 kg) por hectare, em 116 hectares cultivados (CESB). A dobradinha soja e milho domina historicamente mais de 80% da produção de grãos brasileira, que deve atingir 233,7 milhões de toneladas na safra 2018/2019, se não houver queda até o final dos levantamentos elaborados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).  
Havendo políticas públicas, inovações tecnológicas, assistência técnica pública e privada, eficiente e universalizada, crédito rural suficiente, oportuno e assistido, lucratividade para quem planta, cria, conserva, recupera, abastece e exporta, o Brasil, segundo produtor mundial de alimentos- contidos no conceito e prática da segurança alimentar- será estratégico e indispensável para alimentar regularmente 208,4 milhões de brasileiros, até agora, e exportar para 160 países num mundo globalizante para tecnologias, produtos e serviços. Globalizar não tem consenso!
Porém, quem compra também quer vender; lógica de mercados! Noutro cenário, embora não seja economista, pode-se presumir que os pesquisadores e cientistas já devem estar alertados sobre as prováveis mudanças nas relações tradicionais de mercados em decorrência do crescimento dos sistemas de compras e vendas através da internet. Mereceria a formulação de novas hipóteses sobre modelos econômicos nesse viger do século XXI ou não?
Por fim, existe e persiste ainda uma relação umbilical dinâmica e estreita entre a pesquisa agropecuária pública e privada, extensão rural, produtores, empresários, agricultura, pecuária (leite, corte, suínos e aves) indústria, agroindústria, produtos e tecnologias veterinários, equinocultura, comércio e serviços, abastecer o mercado interno e exportar, que determina construir solidariamente objetivos e processos, e avançar mais numa perspectiva de tempo em um País, que é a 9ª economia mundial!
Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte* – 03/04/2019.
 




Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

12/11/2019 às 14:15

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


358 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey