Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>O Valor da Diversidade

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/08/2010

O Valor da Diversidade

Quanto vale uma borboleta? Colar etiquetas de preço em espécies individuais parece absurdo, mas é precisamente isso que alguns economistas tentam fazer. Uma nova perspectiva para impedir a destruição.

Quanto vale uma borboleta? Colar etiquetas de preço em espécies individuais parece absurdo, mas é precisamente isso que alguns economistas tentam fazer. Uma nova perspectiva para impedir a destruição.

Entretanto, de início, o comércio de certificados de CO2, longamente discutido no âmbito do Protocolo de Kyoto, fracassou. Os países da UE, principalmente a Alemanha, concederam ou presentearam com licenças demais em vez de leiloá-las e, com isso, os maiores poluidores foram recompensados.

Em seu nível mais baixo, em dezembro de 2007, uma tonelada de CO2 chegou a ser vendida na Bolsa de Valores de Leipzig, na Alemanha, a insignificantes dois centavos de euro: um desastre. Mas para o novo período comercial, a partir de 2008, a UE reduziu a oferta de certificados.

Outra variante para recompensar a proteção da natureza são os chamados "créditos de biodiversidade", testados atualmente nos Estados Unidos, na Austrália e na Malásia. O princípio é simples: associações ecológicas ou pessoas físicas se encarregam de cuidar de áreas valiosas. Assim, se um espaço vital para plantas e/ou animais protegidos é ameaçado em algum lugar, por exemplo, por meio de novas construções, os construtores são obrigados a comprar "créditos de biodiversidade", ou seja, investir em áreas de compensação.

Desse modo, o foco fica concentrado na conservação e financiamento de áreas protegidas interligadas. Desde 2007, o modelo vem sendo testado, pela primeira vez, na Reserva Florestal Malua, uma área de 240.000ha de matas tropicais, em Bornéu. Privatizem a natureza!" é a mais nova exigência de muitos comerciantes que não querem ser excluídos do boom ecoeconômico. Mas os fundadores da Economia Verde são mais cautelosos. O americano Herman Daly, ex-diretor do Banco Mundial e ganhador do Prêmio Nobel Alternativo, não é contra os direitos de posse da biodiversidade. No entanto, ele não quer entregar a Natureza a "donos particulares", mas depositá-la nas mãos de instituições, que fixam contratualmente cotas de utilização para essa herança da humanidade.

Já o empreendedor e autor americano Peter Barnes imagina confiar os bens comuns verdes aos cuidados de trustes próprios, como fundações são entregues a procuradores organizados. E essa redistribuição de responsabilidades ainda é insuficiente para Barnes. Para ele, até coisas impalpáveis, como um ambiente político e estável, devem fazer parte dos bens comuns, com valor financeiro determinado. "Os bens comuns são comparáveis à matéria escura do universo econômico, eles estão em toda parte, mas não conseguimos enxergá-los", afirma Barnes.

Diante desse pano de fundo, Barnes também considera excessivamente baixo e modesto o número encontrado por Robert Costanza, US$ 33 trilhões, como valor equivalente para todas as prestações de serviço da biosfera. O economista sugere instituir um "bônus de irreversibilidade de valor indeterminado". Uma soma desconhecida X, que incrementaria o valor de cada ser vivo, mesmo quando se tivesse somado todos os serviços de acordo com o atual grau de conhecimento.

Com isso, mesmo de um ponto de vista puramente econômico, teria sido encontrado um motivo para reconhecer os valores estéticos e emocionais da Natureza. Ou então, entender matematicamente que um pequeno passarinho com seu canto matutino em um galho balouçante é algo de valor incalculável.

 


Fonte: Por Andreas Weber para revista GEO



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/10/2019 às 09:50

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4353 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey