Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


24/06/2019

OS TRÊS PROBLEMAS DA AGRICULTURA BRASILEIRA

Mercados atraentes, tecnologias, políticas públicas, assistência técnica, extensão rural, e adoção de inovações em nível de campo conquistaram os cerrados mineiros em escala comercial marcadamente desde a década de 1970 num esforço pioneiro entre os governos federal e estadual. Entretanto, se não houver rentabilidade para quem planta e cria, a tendência é descartar a inovação numa perspectiva de tempo.

OS TRÊS PROBLEMAS DA AGRICULTURA BRASILEIRA*
Segundo os pesquisadores da Embrapa - Eliseu Alves, Geraldo da Silva e Souza e Renner Marra, os três problemas da agricultura são a concentração da renda bruta, o excedente exportável e o consumo interno de alimentos. Exportar sem comprometer o abastecimento interno dos atuais 208,4 milhões de brasileiros são avanços consolidados desde a 2ª metade da década de 1970, pois antes o Brasil era importador de alimentos.
Essas pesquisas de cenários são essenciais e indispensáveis para fundamentarem o desempenho do agronegócio brasileiro e os desafios nele contidos numa perspectiva de tempo por consequência de centenas de variáveis econômicas e sociais e ligadas ao uso correto dos recursos naturais, que também se articulam nesse processo de reconhecida complexidade e dinâmica no território brasileiro, com 851 milhões de hectares, e diversos em suas múltiplas vocações agrossilvipastorís, mercados regionais, aptidões climáticas e talentos humanos!
Segundo o Censo Agropecuário de 2006, embora o de 2017 ainda esteja em fase de análise pelo IBGE, dos 4,4 milhões de estabelecimentos agropecuários recenseados apenas 27.036, com mais de 200 salários mínimos mensais de renda bruta, ou 0,62% do total de estabelecimentos, classe rica, responderam por 51,19% da distribuição da renda bruta, o que revela alta concentração em poucos estabelecimentos. Configura-se numa tendência no agronegócio brasileiro. Essa renda bruta mensal abrange a produção vendida, o autoconsumo e a indústria caseira, sendo que o salário mínimo era de R$ 300,00 em 2006.
A classe considerada média, com 10 a 200 salários mínimos de renda bruta mensal, somou 472.702 estabelecimentos, 10,74% do total, e 35,46% da renda bruta. Segundo esses pesquisadores, juntando-se as classes rica e a média tem-se cerca de 500 mil estabelecimentos em 4,4 milhões, portanto, 11,4% do total, que geraram 86,65% de renda bruta em nível de propriedade rural em 2006. Os restantes, 3,9 milhões deles contribuíram apenas 13,35%. E nesse grupo, 2,9 milhões, 66,01% do total recenseado, produziram tão somente 3,27% da renda bruta de 2006.
Assim posto, do lado da abundância estão as classes rica e média, e da pobreza rural, as classes pobres e muitos pobres. As imperfeições de mercado não superadas, sem subestimar outras variáveis, continuam discriminando os pobres e muitos pobres nos cenários rurais, segundo essa pesquisa da Embrapa. Noutra pesquisa (USP-Esalq) 98% dessas duas classes de pobres rurais, em 2006, nunca receberam nenhuma assistência técnica pública ou privada, estando concentradas no Nordeste brasileiro!
Além disso, em 2006 os ganhos de produção e produtividade na agricultura brasileira foram devidos em 68% à adoção de tecnologias; 22% ao trabalho qualificado, e apenas 10% ao fator terra, sendo que no Censo Agropecuário de 1995/96 a tecnologia explica 50,6%. Portanto, o fator terra perde a importância e domina a tecnologia, que esclarece o crescimento da produção.
Por outro lado, quando se importa significa que o Brasil usa o excedente dos países exportadores em benefício de seus consumidores e em investimentos. O excedente está na forma de bens em empréstimos para aplicação no território nacional, pagar dívidas, financiar importações e exportações.
Afinal de contas, as importações são pagas com exportações e é bom que reste um saldo na forma de divisas na dinâmica da balança comercial para 190 países e sem comprometer o abastecimento interno, o que poderia prejudicar o governo nos seus esforços de recuperar a economia brasileira, claudicante!
O saldo sendo confortável, as expectativas favorecem o Brasil em termos de taxas de juros e teto para novos empréstimos. Entre 1997 e 2007, o superávit nas exportações do agronegócio brasileiro foi de US$ 1,1 trilhão. Assim, exige exportar e sem exportações não se obtém nenhum sucesso fundamentado em políticas agrícolas vigorosas e estímulos para quem planta e cria.
Noutro ângulo, no foco da concentração da produção agrícola, somente o Mato Grosso deve colher 64,9 milhões de toneladas de grãos (27,8%) na safra brasileira de 2018/2019 avaliada em 233,7 milhões de toneladas (Conab-6º Levantamento).
Em Minas Gerais, estima-se que atualmente 50% da produção de café se concentra no Sul de Minas (Emater-MG) e na safra de 2017 apenas os 20 primeiros municípios, num total de 853 existentes no território mineiro, ofertaram 6,94 milhões de toneladas de grãos ou 51% da colheita de 13,6 milhões de toneladas, liderança de Unaí, com 965,63 mil toneladas, e baseando-se nos dados da Conab/Seapa.
Além disso, o maior polo mineiro de suinocultura empresarial agrega os municípios polarizados por Ponte Nova (Zona da Mata mineira). Em 2018, foram abatidos 44,2 milhões de suínos no Brasil, mais 3,4% em relação a 2017, sendo que Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul respondem por 65,8% do abate nacional (IBGE). A oferta regular de grãos, cereais e oleaginosas é indispensável também à produção de leite, carnes e ovos! 
Mercados atraentes, interno e externo, pesquisa agropecuária e florestal de ponta, Minas lidera o reflorestamento, tecnologias, políticas públicas, assistência técnica, extensão rural, e adoção de inovações em nível de campo conquistaram os cerrados mineiros em escala comercial marcadamente desde a década de 1970 num esforço pioneiro entre os governos federal e estadual. Entretanto, se não houver rentabilidade para quem planta e cria, a tendência é descartar a inovação numa perspectiva de tempo. Engenheiro agrônomo Benjamin Salles Duarte*. 18/03/2019.
 


Fonte: O autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2019 às 03:33

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


249 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey