Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


31/07/2012

Pesquisas da Embrapa Rondônia revelam potencial do estado para a eucaliptocultura

Resultados iniciais de testes realizados pelo Núcleo de Produção Florestal da Embrapa Rondônia com clones de eucalipto instalados nos campos experimentais de Porto Velho e Vilhena, demonstram o potencial do estado para a eucaliptocultura

Em Rondônia existem amplas áreas propícias para a silvicultura com espécies nativas e exóticas e um ambiente favorável ao desenvolvimento de um programa florestal.

De acordo com o pesquisador Henrique Nery, em Porto Velho foram plantados quatro clones amplamente difundidos no Brasil: 1277, VM01, GG100 e H13. As avaliações mostraram um rápido crescimento inicial. As alturas médias das parcelas que receberam maior adubação de plantio foram, em metros, de: 4,48, 4,53, 5,67 e 6,45 para os clones 1277, o H13, o GG100 e o VM01, respectivamente, aos 12 meses de idade. “Considerando-se que o plantio recebeu somente uma adubação (de plantio), os números podem ser considerados muito bons para o VM01, bons para o GG100 e médios para o H13 e o 1277”, explica Cipriani.

Até o final do ciclo da cultura (em torno de seis anos), podem-se esperar alterações nesse ranking, contudo, esses resultados já são bons indicadores do ritmo de crescimento dos clones e da resposta à adubação. As parcelas que não receberam adubo, por exemplo, apresentaram altura média inferior à metade da altura das parcelas adubadas. “O produtor que pretende colher bons rendimentos com a eucaliptocultura, deve investir em fertilização, como faria com uma cultura agrícola convencional”, complementa o pesquisador.

Segundo Abadio Vieira, também pesquisador da Embrapa Rondônia, a região de Vilhena apresenta áreas propícias ao reflorestamento com espécies como pinus tropicais, que podem ser exploradas para produção de resina e madeira, e eucaliptos para uso múltiplo, como energia (lenha e carvão), poste para eletrificação, madeira para serraria, entre outros. “Plantios comerciais de eucaliptos nesta região apresentam rendimento médio acima de 40 m3/ha/ano. Porém estes rendimentos podem aumentar com a escolha adequada de espécies/clones e o manejo do reflorestamento”, afirma.

Espécies de eucalipto são preferencialmente utilizadas devido ao seu rápido crescimento, capacidade de adaptação a diversas condições de clima e solo, assim como pelo potencial econômico de utilização diversificada de sua madeira. “Clones como GG100, H13, VM01 e AT02, conhecidos pelo crescimento acelerado e plasticidade, podem ser plantados em diversas combinações de clima e solo, sem grande prejuízo na produção, e têm apresentado excelente desenvolvimento na região de Vilhena”, comenta Abadio Vieira.

Plantio de florestas é incentivado em Rondônia

O estado de Rondônia é o 13º em extensão do Brasil, constituído por uma área de cerca de 23 milhões de hectares. Porém, 40 % por cento desse total correspondem a áreas demarcadas pelo poder público como unidades de conservação e reservas indígenas. Além disso, as áreas de preservação permanente e de reserva legal podem representar até 80% da área de algumas propriedades agrícolas. 

Somando a isso a pressão mundial pela redução do desmatamento na Amazônia, forma-se um cenário de redução gradual na oferta de madeira de mata nativa. Já a demanda, não para de crescer, impulsionada principalmente pela produção de cerâmicas, a secagem de grãos e outras atividades econômicas, isso sem considerar atividades que utilizam a madeira para fins não energéticos, como a construção civil e a movelaria.

Diante desta situação, o governo de Rondônia tem buscado alternativas para a sustentação da atividade madeireira. Um exemplo é a edição do Decreto Estadual nº 15.933, em 19/05/2011 e da Instrução Normativa nº 01/SEDAM em 30/05/2011, dois importantes instrumentos institucionais para a implantação de um programa de plantio de florestas em Rondônia. 

Outra ação sobre este assunto foi realizada pelo governo no início de julho em Vilhena, quando se discutiu a importância de se plantar florestas no estado. “Devemos pensar em empreendimentos de longo prazo para o estado. A perspectiva discutida no evento foi de que, com governo estadual e empresários empenhados, no futuro, o estado poderá vir a receber até fabrica de celulose. Antes disso, contudo, o estado já terá se beneficiado de indústrias de base florestal moveleiras, de MDF, laminados, e até geração de energia através de termelétricas que já estão se instalando na região”, conta Henrique Cipriani.

O reflorestamento de pequenas e médias propriedades rurais com espécies florestais nativas e exóticas também é de interesse público, pois gera emprego no meio rural, garantindo uma fonte de renda adicional para as famílias, além de gerar outros benefícios, principalmente a redução da pressão sobre as florestas naturais remanescentes. 

O eucalipto no Brasil 

O eucalipto é a espécie florestal mais cultivada no Brasil, ocupando mais de 4,5 milhões de hectares. A espécie foi introduzida no país, em 1904 com objetivo de suprir as necessidades de lenha, postes e dormentes das estradas de ferro. Na década de 1950, passou a ser usado como matéria prima no abastecimento das fábricas de papel e celulose. É uma árvore de rápido crescimento e adaptada para as situações edafoclimáticas brasileiras, ou seja, a relação planta-solo-clima. A maioria dos plantios está concentrada na região Sudeste (56 % da área total). Naquela região, os plantios são voltados para o abastecimento de siderúrgicas e fábricas de celulose e papel, que não são somente grandes consumidoras, mas também fomentadoras do plantio.


Fonte: http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?tit=pesquisas_da_embrapa_rondonia_revelam_potencial_do_estado_para_a_eucaliptocultura&id=78603



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Maria Iracema Rodrigues Ferreira disse:

31/07/2012 às 10:28

Li a materia , fico muito feliz agora ao ler, pois eu também ficava triste por saber que o Eucalito retirava toda a água do solo temos uma área grande na região de Minas que não é cultivada, e gostaria muito de poder plantar Eucalipto, mas também não sei o que fazer, ou como fazer para isso acontecer, acredito que tenho que ter uma parceria com alguma indústria de papel e celulose, até tentei, e não obtive resposta, se você souber a forma melhor para isso acontecer por favor me diga. Parabéns pela materia.

Obrigado
Iracema Rodrigues

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2029 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey