Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/09/2011

Projeto de manejo florestal mudará realidade em assentamentos do Incra no Piauí

Um projeto pioneiro no Brasil foi lançado na manhã de ontem (14) na Superintendência Regional do Incra no Piauí. Trata-se do Projeto Piloto de Manejo Florestal Comunitário em Assentamentos de Reforma Agrária do Piauí, que vai beneficiar cinco assentamentos no estado.

 O objetivo é fortalecer parcerias para a ação de manejo florestal comunitário, através de contrato firmado com a Fundação Apolônio Salles de Desenvolvimento Educacional (Fadurpe), com recurso do Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal (FNDF) do Ministério do Meio Ambiente (MMA). O projeto é fruto da articulação entre o Incra/PI e o Serviço Florestal Brasileiro.

"A dimensão deste evento é enorme, é histórica, tem uma importância muito grande para os assentamentos", analisa Carlos Hummel, diretor do Serviço Florestal Brasileiro. Ele acredita que o manejo seja um desafio posto para a Caatinga, mas perfeitamente possível em áreas de reforma agrária. "Além disso, o manejo insere uma atividade produtiva de reduzida vulnerabilidade à mudança climática", pontua Hummel.
 
Cinco assentamentos serão beneficiados no Piauí, sendo quatro do Incra: Arizona I, Arizona II e Canaã, no município de Lagoa do Sítio, e Serra do Batista, no município de Valença; e um assentamento do Crédito Fundiário: Gado Bravo, em Brasileira.
 
Beneficiados
 
A ação atenderá diretamente cerca de 70 famílias, que aderiram ao projeto a princípio, mas a expectativa é de que, ao todo, cerca de 300 famílias de agricultores do território do Vale do Sambito sejam beneficiadas.
 
"A proposta do manejo é manter a floresta em pé", resume Cristiano Cardoso, engenheiro florestal da Fadurpe, entidade contratada. De fato, o manejo florestal visa, entre outros fatores, minimizar os possíveis impactos ambientais da política de reforma agrária.
 
Além disso, o manejo florestal em projetos de assentamento tem como vantagens diminuir o passivo ambiental, fixar o homem no assentamento, ser uma alternativa produtiva na época da seca, oferecer produção e renda imediata, estimular o trabalho comunitário, além de possuir investimento inicial e custo operacional relativamente baixos.
 
Para a superintendente regional interina do Incra/PI, Socorro Vasconcelos, o ponto principal do manejo florestal é garantir uma renda às famílias, preservando o meio ambiente.
 
Compartilha do mesmo pensamento o trabalhador rural Miguel Fernandes, morador do assentamento Serra do Batista. "O manejo vai ser um complemento para levar o pão de cada dia à mesa das famílias da nossa região", afirma.
 
Trabalhos iniciados
 
Os trabalhos já foram iniciados. Durante toda esta semana, os engenheiros florestais da Fadurpe farão visitas de reconhecimento do potencial madeireiro das áreas, acompanhados de técnicos do Incra e Semar, além de lideranças dos assentamentos envolvidos.
 
Após as visitas, será construída uma agenda para prosseguimento do trabalho, com a elaboração do diagnóstico rural participativo a ser entregue no prazo de 45 dias. O contrato terá duração de dois anos, contemplando no ano inicial a elaboração do plano de manejo e no ano seguinte a implantação do plano através da assistência técnica. Ao final do contrato, as famílias deverão estar capacitadas para a ação de manejo.
 
Estiveram presentes no evento representantes do Incra, Serviço Florestal Brasileiro, MMA, Fadurpe, Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Centro de Educação Ambiental e Assessoria (CEAA), Banco do Brasil e associações de comunidades dos assentamentos envolvidos.
 


Fonte: INCRA



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/10/2019 às 23:23

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1738 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey