Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/09/2020

REFLORESTAR GERA NEGÓCIOS, RENDA E SUSTENTABILIDADE

Segundo o Relatório do Instituto Brasileiro de Árvores, 2019/Ibá, a área com florestas plantadas no Brasil é da ordem de 7,83 milhões de hectares, apenas 0,91% do território brasileiro, portanto, qualquer tese de que os eucaliptos estariam avançando sobre as terras agrícolas resulta da desinformação deliberada, e à falta de uma análise fundamentada em fatos e não hipóteses de setores que desconhecem as coisas do campo na sua complexidade de demandas e ofertas para abastecer regularmente, exportar, e obter preciosas divisas externas.

REFLORESTAR GERA NEGÓCIOS, RENDA E SUSTENTABILIDADE*
Segundo o Relatório do Instituto Brasileiro de Árvores, 2019/Ibá, a área com florestas plantadas no Brasil é da ordem de 7,83 milhões de hectares, apenas 0,91% do território brasileiro, portanto, qualquer tese de que os eucaliptos estariam avançando sobre as terras agrícolas resulta da desinformação deliberada, e à falta de uma análise fundamentada em fatos e não hipóteses de setores que desconhecem as coisas do campo na sua complexidade de demandas e ofertas para abastecer regularmente, exportar, e obter preciosas divisas externas.
Em Minas Gerais, o reflorestamento ocupa 2,5% do território mineiro, que ainda lidera esse estratégico setor de base florestal, por enquanto, em área plantada. Além disso, numa série histórica de 2004 a 2019, os produtores mineiros de grãos, cereais e oleaginosas cultivaram apenas três milhões de hectares, em média, ou 5,1% do território estadual (Seapa); o que é explicado por três fatores convergentes e poderosos: mercados, pesquisa agropecuária, e ganhos de produtividade em níveis de produtores e empresários rurais.
Faz-se necessário ressaltar ainda que o Estado do Amazonas, cenário também de polêmicas ambientais, quebrando mitos e sem entrar no mérito dessa questão, na safra brasileira de grãos 2019/2020, segundo o 11º Levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), oferta apenas 41,7 mil toneladas de grãos numa safra de 253,7 milhões de toneladas (7,7% do território brasileiro) ou 0,0016%, portanto, insignificante em nível nacional. A agricultura de grãos não precisa derrubar um pé de árvore da floresta Amazônica!
Assim, o segmento econômico brasileiro que o Ibá (2019) representa tem como base o cultivo de árvores para fins industriais gerando uma variedade considerável de produtos que chega a quase cinco mil produtos, incluindo pisos e painéis de madeira, papel, celulose, madeira serrada, e carvão vegetal; crescendo 13,1% em relação a 2017; e alcançando uma receita total de R$ 86,6 bilhões ou 6% do PIB industrial. As exportações continuaram impulsionando o crescimento desse setor, com US$ 12,5 bilhões (2018), um aumento de 24,1% em comparação ao ano de 2017, e um saldo recorde nas exportações de US 11,4 bilhões, assinalando também que a fusão da Suzano com a Fibria resultou na criação da maior empresa de celulose do mundo.
No Brasil, o total de árvores plantadas alcançou 7,83 milhões de hectares, estável em relação ao ano de 2017. O total da área certificada aumentou para 6,3 milhões de hectares, incluindo a área produtiva e de conservação. Em 2018, as empresas associadas investiram R$ 6,3 bilhões em pesquisa e inovação, em florestas, e na indústria, bem como as plantações de árvores são as mais produtivas do mundo, sendo que o Brasil apresentou uma produtividade média de 36 m3/ha.ano para os plantios de eucalipto, enquanto a de pinus foi de 30,1 m3/ha.ano, o que implica em boas práticas sustentáveis!
E mais, com uma região de influência de cerca de 1.000 municípios brasileiros em 23 Estados, esse segmento de florestas plantadas tem um importante papel de gerar oportunidades e transformar vidas. Em 2018, a geração de empregos diretos cresceu quase 1%, para 513 mil, impactando 3,8 milhões de pessoas direta e indiretamente, e promovendo investimentos, emprego, renda e bem-estar social.
Em 2017, o segmento árvores plantadas recolheu impostos no valor de R$ 11,9 bilhões e em 2018, R$ 12,8 bilhões, sendo essa a participação relativa: celulose e papel, 61%; painéis de madeira e pisos laminados, 25%; produtos sólidos de madeira, 8%; e outros, 6%. Em 2017, os maiores produtores mundiais de papel foram: China (1º lugar); EUA (2º); Japão (3º); Alemanha (4º); Índia (5º); e Brasil ficou em (8º lugar).
De janeiro a julho de 2020, as exportações de produtos florestais mineiros somaram US$ 312,7 milhões, sendo: celulose, US$ 285,7 milhões; madeira, US$ 24,4 milhões; e papel, US$ 2,6 milhões, com um superávit de US$ 296,1 milhões. Além disso, em Minas Gerais o superávit acumulado nas exportações de produtos florestais foi de US$ 7,27 bilhões entre 2006 e 2018. No período de 2007 a 2018, o estado respondeu, em média, por 81,7% da oferta brasileira de carvão vegetal; e de 2004 a 2019 por 62,5%, em média, do eucalipto folha produzido no Brasil (IBGE/Mdic/Seapa).
Em nível nacional, de janeiro a julho de 2020, foram exportados US$ 6,6 bilhões nessa configuração: celulose, US$ 3,6 bilhões; madeira, US$ 1,9 bilhão; papel, US$ 1,0 bilhão; e borracha e gomas naturais, US$ 851 milhões; com superávit de US$ 5,91 bilhões (Seapa-MG/Mdic). O superávit nas exportações de produtos florestais passou de US$ 5,7 bilhões em 2012 para US$ 11,4 bilhões em 2018, crescendo na média de 12,3% a.a (Ibá).
Os plantios de eucalipto estão localizados principalmente nos Estados de Minas Gerais (24%); São Paulo (17%); e Mato Grosso do Sul (16%); estado que nos últimos 7 anos liderou a expansão da cultura do eucalipto na média de crescimento de 7,4% ao ano. O Pinus, com 1,6 milhão de hectares, se configura nesses cenários: Paraná (42%); Santa Catarina (34%); Rio Grande do Sul (12%); e São Paulo (8%)(Ibá/2019).
Nas exportações totais de Minas Gerais, entre 2004 e 2019, o agronegócio foi responsável em média por 25,8%, contudo, nos anos de 2016, 2017 e 2018 foi na média anual de 33%; e 32% em 2019 (Mdic/Seapa).
Nos últimos 45 anos, o agronegócio acumulou sucessivos superávits nas exportações, além de cuidar do abastecendo interno. Não são forças econômicas do acaso, mas derivam da sintonia com os mercados, políticas públicas, inovação, e apoios de outros agentes públicos e privados, campos e cidades, que movimentam o agronegócio brasileiro, via sistemas agroalimentares e agroflorestais; desafios sem fronteiras. Contudo, não existe almoço de graça, principalmente no mundo dos negócios! *Engº agrº Benjamin Salles Duarte – setembro de 2020.
 


Fonte: O Autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

29/11/2020 às 13:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


361 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey