Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


20/06/2012

Rio+20: Afinal, o que é esta economia verde?

Reduzir o desperdício e atribuir valor a recursos naturais são premissas, dizem especialistas

Ronaldo Luiz

Nas discussões da Rio+20 uma expressão é onipresente: “economia verde”. Porém, até esta quinta-feira (14), os negociadores da conferência ainda não haviam resolvido o impasse em torno da definição do termo. “O Brasil defende a ideia da economia verde inclusiva, um paradigma do desenvolvimento sustentável que tenha muita ênfase no desenvolvimento social, além do ambiental e econômico”, afirma o ministro das Relações Exteriores, embaixador Antonio Patriota.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a economia verde tem como princípio emitir pouco carbono, usar de modo eficiente os recursos naturais e promover a inclusão social.

Para o sócio fundador da RC Consultores, o economista Paulo Rabello de Castro, economia verde significa, em primeiro lugar, reduzir o desperdício de recursos, sejam eles quais forem. “E neste quesito [não desperdiçar], o agricultor é um expert, já que sempre conviveu com escassez de recursos”, diz, acrescentando que “portanto, economia verde tem muito a ver com a agricultura”.

Senadora Kátia Abreu (esq.), jornalista William Wack (centro) e o economista Paulo Rabello de Castro (dir.) em debate que discutiu o que é economia verde

Na opinião da senadora Kátia Abreu, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a economia verde passa pela atribuição de valor financeiro aos recursos naturais. “É onerar quem agride o meio ambiente, e premiar quem protege. Enquanto isso não ocorrer, a floresta, por exemplo, não terá valor em pé.”

Rabello de Castro destaca que fortalecer a produção agropecuária é sinônimo de se investir em sustentabilidade, já que o enriquecimento agrícola – que tem efeito multiplicador – acarreta em proteção ambiental. É o que diz, por exemplo, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), ao assinalar que “o declínio da produtividade agrícola faz com que pessoas invadam florestas, pastagens e áreas úmidas, criando um espiral de degradação ambiental e pobreza”.

De acordo com o economista, uma economia verdadeiramente verde requer mudança no conceito de PIB, que deveria passar a incorporar resultados ambientais e sociais no cálculo. “Hoje, um PIB alto pode ser sinônimo de dano à natureza.” Pedro Arraes, presidente da Embrapa, vai na mesma linha ao ressaltar que “o desafio da economia verde passa pela construção de métricas, que adicionem os ativos ambientais e sociais à conta”.

Kátia Abreu chama atenção para o fato de que economia verde não pode significar “decrescimento”, tese defendida por alguns. Na opinião da senadora, proteger não significa não se desenvolver. O caminho, salienta, é investir em pesquisa científica e inovação tecnológica, a fim de promover o crescimento com sustentabilidade em todas as esferas: econômica, social e ambiental.


Fonte: Sou Agro



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/10/2019 às 21:09

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1178 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey