Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


24/04/2017

Sem regulamentação, produtores florestais não têm acesso a crédito do Plano Safra

Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal apresentou pleito ao Ministério da Agricultura.



Previsto no Plano Safra 2015/2016, e novamente nas linhas apresentadas pelo governo federal este ano, o crédito para financiamento de custeio para tratos culturais, desbastes e condução de florestas plantadas ainda precisa ser regulamentado para garantir o acesso de pequenos e médios produtores. O pleito foi apresentado pela Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) à Câmara Setorial de Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no início de abril, e a pauta foi acolhida.
"Isso vai viabilizar que os pequenos e médios produtores executem as operações de desbaste, garantindo a produção de toras para uso em serrarias nos próximos 10 anos. Como o preço da madeira fina atualmente se aproxima dos custos do desbaste, o produtor deixa de fazer essa etapa ou a adia, o que pode gerar um desabastecimento de toras grossas no futuro para a indústria de madeira", afirma o diretor executivo da Apre, Carlos Mendes. Hoje, cerca de 30% da produção florestal do Paraná vem de pequenos e médios produtores.
A preocupação do setor faz sentido. "Há um grande movimento em torno de toda a cadeia produtiva da madeira, que necessariamente inclui o cultivo florestal, para que haja um aumento no consumo de madeira no mercado interno, em especial pela construção civil, onde será preciso abastecer as serrarias com toras de maior diâmetro", explica Mendes. O movimento ao qual o executivo se refere inclui o desenvolvimento da norma técnica do sistema construtivo wood frame, no qual a madeira é a o principal elemento da obra, além de eventos técnicos e acadêmicos que vêm sendo realizados há alguns anos no Paraná para debater o assunto.
No pleito apresentado pela associação, a linha de crédito financiaria a operação de primeiro desbaste com pagamento no segundo ou terceiro desbaste, ou ainda no corte final. "Isso viabilizaria a produção de toras grossas", garante o executivo.
O Plano Safra 2016/2017 vai destinar R$ 185 bilhões em crédito para os produtores rurais do país, com juros variando de 0,5% a 5,5% ao ano para a agricultura familiar (Pronaf) e de 8% a 12,75% ao ano, na agricultura empresarial.


Fonte: Apre



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/09/2017 às 04:30

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

444 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey