Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/05/2012

Senado debate estímulo ao produtor consciente

A Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas do Senado (CMMC), promoveu, nesta quarta-feira (09/05), audiência pública para discutir a possibilidade de o governo federal abrir janelas de financiamentos para que os estados adotem programas de estímulo para os produtores rurais que se preocupem com a preservação ambiental.

O evento contou com a participação de representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), da Agência Nacional de Águas (ANA), da Organização The Nature Conservancy (TNC) e da Universidade de Brasília (UnB).

O secretário de Biodiversidade e Florestas (SBF) do MMA, Roberto Cavalcanti, disse que o ministério, enquanto integrante do Poder Executivo, pode utilizar mecanismos já existentes para que os pagamentos por serviços ambientais sejam transferidos aos beneficiários em todo o país. Explicou que alguns estados, como São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Espírito Santo, já desenvolvem programas nesse sentido. Citou como exemplo o Programa BioClima, do governo paranaense, que criou programas de biocrédito como formas de incentivo a unidades de conservação mantidas por particulares.

"É essencial internalizar esse mecanismo e mostrar como ele pode funcionar bem em escala global", salientou o secretário. Lembrou que o Brasil vive um momento especial para o debate, em função da da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio +20), que será realizada em junho no Rio de Janeiro para discutir este e outros assuntos correlatos.

OPORTUNIDADE

Para o diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB, professor Saulo Rodrigues Filho, o crescimento da produção agrícola no Centro-Oeste representa uma ameaça importante e crescente ao bioma do cerrado, que requer atenção especial. Ele acredita que o pagamento por serviços ambientais sejam uma oportunidade de se corrigir as distorções de mercado. Convidado a expor suas teses na audiência pública, defendeu a  criação de um fundo internacional de proteção. "É um bioma que ocupa 22% do território nacional, com enorme diversidade, e está extremamente vulnerável e ameaçado", salientou.

Rodrigues Filho explicou que os serviços ambientais, de modo geral, são atividades relacionadas à manutenção da vida, como a produção de oxigênio. Também estão ligadas à estabilidade das condições climáticas e do ciclo hidrológico, à decomposição dos dejetos, e à produção, manutenção e renovação da fertilidade do solo.

A   iniciativa de se estabelecer pagamentos por serviços ambientais surgiu na Costa Rica em 1969, contou o professor da UnB, a partir da remuneração de produtores que promoviam a conservação de nascentes e de paisagens de interesse do turismo ecológico. Segundo ele, nos anos 1970, os Estados Unidos regulamentaram a emissão de dióxido de enxofre por parte das termelétricas, culminando na implementação do Tratado do Ar Limpo.

CÓDIGO

O diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu, sugeriu formas alternativas de se fazer o pagamento por serviços ambientais. Andreu acredita que esse pagamento não precisa, necessariamente, ser feito em dinheiro, mas em forma de concessão de crédito maior aos agricultores ou mesmo com a oferta de juros menores e prazos mais longos para quitação das dívidas. Ele lamentou que o Código Florestal, aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados e enviado à sanção da presidenta Dilma Rousseff, tenha negligenciado a proteção dos recursos hídricos do país, privilegiando apenas a vegetação, "como se fosse possível dissociar uma coisa da outra".

Albano Araújo, representante da Organização The Nature Conservancy (TNC), fez um relato da experiência com o primeiro programa de pagamento por serviços ambientais voltado a produtores de água e implantado na cidade de Extrema, Minas Gerais, em parceria com a Agencia Nacional das Águas (ANA). "Foi o município que elaborou a primeira legislação de conservação de água no Brasil", lembrou o ambientalista, ao defender o pagamento financeiro por serviços ambientais por tornar mais fácil o engajamento na causa por melhorar a autoestima do produtor rural, antes visto como ameaça e agora passa a ser um protetor do meio ambiente.


Fonte: mma.gov.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

10/12/2019 às 16:04

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1451 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey